Booking.com

As missões jesuítas na Argentina, patrimônio mundial da UNESCO

Missiones: a história da missões jesuítas, sua organização comunitária, os ataques bandeirantes, a obra dos jesuítas, a visita às ruínas.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Missiones, Argentina

A história das missões jesuítas na Argentina

As Missões (misiones em espanhol) foram criadas pelos padres jesuítas na área que hoje corresponde fronteira entre o Estado brasileiro do Rio Grande do Sul e o território da Argentina. O objetivo era converter os índios guaranis ao cristianismo. Existiram mais de 60 missões – algumas com população entre 6 e 7 mil habitantes – às margens dos rios Paraná e Uruguai. Poucas delas, umas 30 apenas, foram para frente.

Acontece que os índios catequizados, parcialmente aculturados e convertidos, eram presas fáceis dos bandeirantes que procuravam mão-de-obra escrava. Os portugueses e, posteriormente, no século XVIII, também os bandeirantes, barbarizaram as missões. Provocaram, assim, a destruição de muitas delas e a morte ou a escravização de milhares de índios. Somente entre 1628 e 1631, mais de 60 mil índios foram capturados ou assassinados.

O sucesso das missões

Uma das razões do sucesso das reduções jesuítas foi justamente o medo que os índios tinham de serem escravizados. Foi por temerem os portugueses e os bandeirantes que os jesuítas passaram a utilizar uma arquitetura defensiva. Ao erguerem suas missões, faziam proteções com fossos e paliçadas. Em razão dos ataques, a Companhia de Jesus, instalada no Paraguai, conseguiu que a coroa espanhola autorizasse o treinamento militar dos guaranis. Foram criados até corpos de cavalaria, trabalho realizado por militares veteranos espanhóis. (Na realidade, a corte espanhola, mais preocupada com o avanço português em seus territórios, usou anteriormente os guaranis a seu serviço). Armados, esses índios, bons cavaleiros e guerreiros valentes, venceram as tropas portuguesas em 1641.

O começo do fim

Situadas entre os territórios pertencentes, na época, a Portugal e à Espanha, as Missões dificultaram a expansão portuguesa para o sul e sudoeste do território sul-americano. Foram apoiadas pela coroa espanhola durante o reinado de Felipe V, mas após sua morte a situação sofreu uma reviravolta. O começo do fim aconteceu com a subida ao trono espanhol de Fernando IV, casado com a rainha portuguesa Bárbara, da casa de Bragança, que tinha forte influência sobre o marido. Foi quando a Espanha aceitou discutir um acordo de limites com Portugal, assunto que era um constante problema na relação entre os dois países. Segundo o acordo, os portugueses cederiam determinados territórios aos espanhóis e, em troca, as áreas ocupadas pelas Missões passariam para o controle lusitano.

A guerra guarani

Apesar de o Tratado de Limites de Madri ter sido mediado pelo próprio papa, os jesuítas e os guaranis recusaram-se a aceitá-lo.

A recusa resultou na chamada Guerra Guarani. Os índios, vencidos pelas tropas coloniais em 1756, foram massacrados pela artilharia. Foi o fim das Missões e de uma utopia cristã-comunitária. Os jesuítas, por sua vez, foram declarados inimigos de Portugal pelo Marquês de Pombal em 1757 e acusados pelos espanhóis de terem instigado os motins de 1766. Em 1772, a ordem dos jesuítas foi extinta em Portugal.

As missões sobreviventes

As missões sobreviventes passaram a ser administradas pelas autoridades coloniais. Os jesuítas haviam respeitado a língua e a maioria dos costumes guaranis, mantendo-os isolados do contato com o homem branco. Entretanto, os espanhóis impuseram a obrigatoriedade do seu idioma e a integração forçada dos índios, o que foi um desastre. As comunidades tinham que arcar com os custos elevados da manutenção de administradores, na maioria das vezes incompetentes e que não conseguiam a mesma produtividade obtida pelos jesuítas.

Isso provocou a deserção em massa dos índios. Os homens em sua maioria terminaram como empregados domésticos ou trabalhadores rurais. As mulheres que continuaram nas missões passaram a coabitar com os espanhóis, acabando por contrair varíola e outras doenças do homem branco. Miscigenados e adotando sobrenomes hispânicos, os guaranis praticamente desapareceram. Foi o golpe final sofrido pela nação indígena, que teve um destino não muito diferente dos demais povos nativos nas Américas.

O que restou da obra dos jesuítas em solo argentino são ruínas de algumas das missões, declaradas Patrimônio Mundial pela UNESCO em 1984.

As missões

San Ignacio Miní

A 66 km de Posadas. Abre diariamente das 7h às 19h. Pode-se ir de ônibus, carro ou em excursão. Se você tiver pouco tempo disponível, limite sua visita a San Ignacio Miní, a mais importante e melhor preservada das Misiones. Criada em 1609, teve suas ruínas restauradas no século XX. San Ignacio foi praticamente uma cidade, que contava com casas, oficinas e uma igreja que, por sorte, foi parcialmente conservada. Em San Ignacio Miní funciona o Centro de Interpretación Jesuítico-Guarani, que mostra como era a vida dos índios antes da destruição promovida pelas autoridades coloniais. No local há um museu com peças que pertenceram à missão. Informe-se sobre espetáculos de som e luz.

Santa Ana

A 44 km de Posadas pela Ruta 12. Quem for de ônibus descerá a 700m da entrada das ruínas. Fundada em 1633, em território que hoje pertence ao Rio Grande do Sul, a missão de Santa Ana transferiu-se para a Argentina em razão dos constantes ataques dos caçadores de índios. Ali funcionava um centro de metalurgia.

Nuestra Señora de Loreto

A 52 km de Posadas pela Ruta 12. Quem for de ônibus descerá a 700m da entrada das ruínas. Apesar de mais antigas, despertam menos interesse, já que se encontram bastante danificadas. No local funcionou um centro de imprensa.

Santa Maria La Mayor

A 11 km de Posadas pela ruta 2 a partir de San Javier. As construções cujas ruínas subsistiram datam de 1637, mas a Missão de Santa Maria é ainda mais antiga. Fundada em 1623 em outro local, foi transferida após vários ataques de bandeirantes.

Como ir

Para visitar as missões, o mais cômodo é hospedar-se em Posadas e alugar um carro ou contratar uma excursão, o que pode ser feito em agências locais. Pode-se, com algum trabalho e vontade de caminhar, visitar as ruínas das Missões por conta própria, de ônibus.

Onde se hospedar

Hospede-se em Posadas, capital da Província de Misiones, na fronteira com o Paraguai, uma cidade de porte médio para os padrões argentinos. Embora não tenha interesse turístico, é uma cidade agradável (se você evitar o verão!), de frente para o rio Paraná. Na Plaza 9 de Julio ficam a catedral e o edifício da sede de governo. Merecem uma olhada o Mercado Artesanal e o Museu del Hombre, com destaque para a sala jesuítico-guarani repleta de objetos, quadros e maquetas que nos ajudam a compreender como funcionavam as Missões.

Posadas tem boas opções de hospedagem e restaurantes.

É possível também dormir na aldeia de San Ignacio, onde estão as mais importantes ruínas missionárias.

Dica – Na Província de Missiones fica Puerto Iguazu, o lado argentino das cataratas, lindo como o lado brasileiro das quedas, mas diferente.

Posadas

Paraná

Rosário

Santa Fé

Mapa das Misiones

Matérias especiais sobre a Argentina

Evita Perón | Diego Maradona | Cinema argentino | Literatura argentina | A imigração nazista para a Argentina | Os grandes rivais no futebol argentinoA história do tango | Carlos Gardel | Os grandes dinossauros que habitavam a Argentina

Booking.com

Mais posts

Posadas e as missões jesuítas

Turismo no Nordeste da Argentina (“El Litoral”) Posadas, no Noreste da Argentina, as missões de Santo Ignacio Mini, Santa Maria Mayor, Santa Ana, como ir.

Estancia Santa Catalina, Foto Beatrice Murch CCBY

Nordeste da Argentina

Turismo no Nordeste da Argentina como ir, visita às ruínas das missões jesuíticas, o Iguaçú, Iguazú, informações e dicas.