De maio de 1968 à Paris de hoje
Maio 1968
Manifestação estudantil em maio de 1968, em Paris

De maio de 1968 à Paris de hoje

A rebelião estudantil

A rebelião estudantil de maio de 1968 transferiu os antagonismos políticos para as ruas, radicalizando a queda de braço. Seus slogans tornaram-se símbolos dos valores da juventude nos anos 70: “Il est interdit d’interdire” (É proibido proibir), “L’imagination au pouvoir” (“A imaginação no poder”), “Aimez-vous les uns sur les autres” (“Amai-vos uns sobre os outros”) e coisas parecidas. Qual foi a causa do movimento? Quem ou o que os teria influenciado? Marcuse? Bakunin? Os Beatles? A Guerra do Vietnã? Não importa. Era mais uma questão de liberdade de expressão do que qualquer outra coisa. O líder dos estudantes, Daniel Cohn-Bendit, traduziu bem o que estava acontecendo em 10 de maio de 1968, o dia mais agitado daquela conturbada primavera: “Ce qui se passe ce soir dans la rue est que toute une jeunesse s’exprime contre une certaine société” (“O que está acontecendo esta noite na rua é que toda uma juventude está se manifestando contra uma determinada sociedade”).

Barricadas e coquetéis molotov

De paralelepípedos a coquetéis molotov, valeu tudo. Foram feitas quase 60 barricadas por todo o Quartier Latin, principalmente perto da Sorbonne, pelos alunos que queriam impedir que a universidade fosse tomada pela polícia.
No início, o movimento ganhou a simpatia de boa parte da população. Os moradores do bairro davam comida para os estudantes entrincheirados e jogavam água pela janela, para protegê-los, quando a polícia lançava gás lacrimogêneo. O movimento de maio de 68 abalou a França e paralisou sua capital, com reflexos em muitos cantos do mundo. Mas, apesar da simpatia inicial, o parisiense foi se cansando daquela revolta interminável, que não resultava em mudanças concretas. Os próprios operários, que conseguiram obter um polpudo aumento de salário, foram voltando ao trabalho.

Uma aventura que custou caro

A aventura acabaria custando caro. Nas eleições seguintes, a esquerda, em particular o PCF, sofreu uma das piores derrotas eleitorais de sua história. Uma coalizão liderada pelo partido socialista só alcançou o poder em 1981, aplicando uma política bem moderada. Depois disso, socialistas e conservadores têm se alternado no governo.
Com a queda do muro de Berlim, enquanto o partido socialista se fortaleceu, o comunista perdeu muito terreno e hoje tem votação equivalente à da extrema direita francesa, comandada por Le Pen, forte no sul do país. De qualquer forma, o Estado de Direito e a democracia são a opção política da esmagadora maioria da população.

As últimas décadas

Nas últimas décadas Paris se modernizou rapidamente sem perder seu charme. Bairros decadentes foram recuperados, como é o caso do Marais, cheio de construções históricas, hoje repleto de butiques, restaurantes e bares. Em Les Halles, o antigo mercado deu lugar a um shopping center e foi criado o moderníssimo Centre Georges Pompidou. Na Bastille, construiu-se a nova Opéra; na Rive Gauche, a antiga estação ferroviária de Orsay foi transformada em museu; em La Villette, na região noroeste da cidade, foram erguidas a Cité des Sciences e a Cité de la Musique. A oeste, já fora dos limites de Paris, surgiu La Défense, um bairro quase futurista. Grande parte das obras recentes da capital são parte dos Grands Travaux (grandes obras) planejados pelo presidente François Mitterrand, que dá nome à imensa e moderníssima biblioteca no bairro de Bercy.

A Paris de hoje

Depois de oscilar durante anos entre a esquerda e a direita, os parisienses entraram no século XXI inovando ao eleger Bertrand Delanoë, um prefeito “verde”, ou seja, particularmente preocupado com o meio ambiente, e assumidamente homossexual. Em 2014, os parisienses elegeram pela primeira vez uma mulher como Prefeita: a socialista Anne Hidalgo.
No plano internacional, a França tem apostado suas fichas na integração europeia e adotou, como a maioria dos países da Europa, a moeda única: o euro. Sucederam-se no governo francês Nicolas Sarkozy e François Hollande. No governo deste último, em 2015, Paris foi vítima de dois atentados cometidos pelo Estado Islâmico.

Dica: O livro Histoire et Dictionnaire de Paris, de Alfred Fierro, é um extraordinário e detalhado estudo sobre Paris, da Pré-História ao final do século XX.

A História de Paris o interessa?

Veja todas as postagens sobre a história de Paris

Informações práticas sobre Paris

Como ir a Paris

Veja passagens aéreas e pacotes

Onde dormir em Paris

O Booking.com é um meio fácil e seguro de reservar seu hotel ou apartamento em cidades no mundo todo. Você não paga nada a mais por isso. Você pode pesquisar ofertas entre uma enorme variedade de estabelecimentos

Escolha e reserve seu hotel em Paris

Maquina fotografica

Paris em imagens  Fotos dos lugares de especial interesse turístico.

A França  em imagens  Verdadeira viagem fotográfica pela França. Dezenas de fotos das regiões Sul, Norte e Centro da França