Cafayate

Cafayate

A graciosa Cafayate, a 1.660m acima do nível do mar, com alguns edifícios coloniais, rodeada por belas e rústicas paisagens, está se tornando famosa por suas vinícolas. Alguns dos vinhos regionais, os brancos principalmente, produzidos por diferentes bodegas, são de excelente qualidade. A cidadezinha (bem interiorana… Uma delícia!) pode ser ponto de partida para uma visita aos vales formados pelo rio Calchaqui e seus afluentes, onde ficam os povoados índios de Angastaco, Molinos e Cachi, o mais interessante deles.

As tribos indígenas calchaquíes, fixadas em Cafayate – “la tierra donde vive el sol” – deram muito trabalho aos incas vindos do Peru em 1480. Ofereceram severa resistência aos conquistadores espanhóis em 1535 e, posteriormente, aos argentinos. Em toda região há resquícios arqueológicos deixados por seus antigos habitantes: cerâmicas, muros de pedra e pinturas rupestres, como as que existem na Finca San Isidro.

Mapa de Cafayate

Como ir  a Cafayate

Avião

Você terá que voar até Salta; não há aeroporto em Cafayate.

Passagens aéreas e pacotes

Carro

Olhe o mapa para entender: de Salta há dois caminhos para chegar a Cafayate. Se for visitar os Valles Calchaquíes (220 km), pegue a RN 68, desça 40 km rumo ao sul e entre à direita em El Carril, utilizando a RP 33, um pedacinho da RP 42 e a RN 40, onde você deve entrar à esquerda. Informe-se sobre as condições do caminho antes de deixar a RN 68. Há trechos bem ruinzinhos. Se houver risco de tempestade, não o faça. Reserve o dia inteiro para essa viagem, saindo cedo de Salta. A outra opção (190 km) é seguir em frente pela RN 68, em bom estado, passando pela Quebrada de Cafayate.

De Tucumán (230 km), tome a RN 38, depois a 307 e a 40.

Ônibus

Há ônibus diretos de Salta (3h) e de Tucumán (3h30).

Melhor época

Cafayate pode ser visitada em qualquer época do ano.

Atrações turísticas

Ruta 68

É possível que você demore umas quatro horas para percorrer os quase 200 km entre Salta e Cafayate pela RN 68. Apesar de boa e asfaltada, essa estrada é cheia de curvas e as paisagens farão com que você deseje parar muitas vezes no caminho para apreciá-las e tirar fotos. No trecho da Quebrada de Cafayate, irá deparar com dunas, gargantas de pedra e formações rochosas incomuns. Nem todas são visíveis da estrada.

Há trilhas (mal indicadas) saindo da rodovia. No verão, é indispensável ter um carro com ar condicionado, já que as temperaturas podem ultrapassar os 40°C. Além de encher o tanque antes de partir, leve água e sanduíches, pois há poucas opções de abastecimento no caminho. A rodovia tem muitas valetas (bandenes) que permanecem secas a maior parte do ano, mas que na verdade são leitos de rios, por onde escoam verdadeiras torrentes por ocasião das tempestades que costumam ocorrer entre dezembro e fevereiro. Não corra nesses trechos.

Museo Regional y Arqueológico Rodolfo Bravo

Colón, 191. O pequeno museu exibe achados arqueológicos relacionados a povos indígenas que habitaram a região nos períodos pré-incaico e incaico. Foi Rodolfo Bravo quem, durante mais de seis décadas, escavou, estudou e classificou o material.

Plaza Principal

A praça de Cafayate inova ao chamar-se simplesmente Plaza Principal (e não “de la Independencia” ou “San Martín” como em tantas cidades argentinas). É o centro da cidade, onde todo mundo passa ou vai tomar vinho ou cerveja e comer empanadas num dos bares com cadeirinhas na calçada. Do outro lado, escondida pelo arvoredo da praça, fica a Catedral de Nuestra Señora del Rosário. No seu interior está a estátua mostrando Nossa Senhora sentada; os cafayateños a batizaram de “La Sentadita”.

Museo de la Vida y del Vino

Av. Güemes, s/nº (RN 40) A visita a esse museu é uma oportunidade de conhecer melhor os vinhos locais, as uvas utilizadas e os métodos de produção e ver máquinas, tratores e utensílios utilizados antigamente na fabricação do vinho.

Finca San Isidro

A 5 km de Cafayate. Ali podem ser vistas pinturas rupestres feitas pelas tribos que habitavam a região. De interesse relativo para quem viu outras mais importantes. (Esse tipo de pintura existe em outras regiões da Argentina).

Cerro San Isidro

Vinte minutos de caminhada seguindo o rio  Chusca na direção oeste. É possível (e cansativo!) subir até o alto da colina para apreciar a magnífica vista dos Valles Calchaquíes. Pense em colocar sapatos adequados e avise sua amiga chique para não ir de salto alto.

Tambo

A 5 km da cidade. Em um agradável lugar acessível a pé ou de bicicleta, fica um tambo (curral) de criação de cabras, onde são fabricados queijos com seu leite. Você pode degustar os diversos tipos e escolher alguns para saborear mais tarde no hotel com um bom vinho da terra. É possível visitar as instalações e ver como os queijos são feitos. Visando aprimorar a produção, o proprietário importou cabras da Suíça. Elas são mansas e você pode tocá-las, mas se facilitar as gracinhas roerão sua manga ou comerão um botão de sua camisa.

Atrações nos arredores de Cafayate

Os arredores de Cafayate oferecem boas surpresa. Veja mais.

Informações práticas

Onde se hospedar no Noroeste Argentino

Escolha e reserve seu hotel em San Salvador de Jujuy

Escolha e reserve seu hotel em Salta

Escolha e reserve seu hotel em Cafayate

Escolha e reserve seu hotel em Humahuaca

Escolha e reserve seu hotel em Tilcara

Escolha e reserve seu hotel em Purmamarca

Como ir

Passagens aéreas e pacotes