Booking.com

Venosa, Basilicata, Itália

Venosa, na região italiana da Basilicata, e sua rica história: como ir, a melhor época, hotel em Venosa, atrações, o castelo, a Santissima Trinitá.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Venosa, Itália

Sobre Venosa

Venosa, próxima a Melfi, na região italiana da Basilicata, com uma população de apenas 12 mil habitantes, é considerada uma das mais bonitas aldeias da Itália – “I borghi più belli d’Italia“. Habitada desde o período neolítico, passou pelas mãos de  apúlios e sanitas, até ser incorporada ao Império Romano, quando continuou desfrutando de bastante autonomia. Sua maior expansão econômica ocorreu sob o império de Augusto, quando a cidade ganhou anfiteatro, termas e ricos edifícios.

Desde o inicio da era cristã, o burgo sempre abrigou uma numerosa comunidade hebraica, cuja atividade tornou a cidade um importante centro comercial.

Atingida por sucessivos terremotos no fim do século XVII e em meados do século XIX, a cidade perdeu boa parte de suas construções antigas. Porém, ainda existem ali diversas atrações históricas interessantes.

Mapa de Venosa

Como ir

Carro

Venosa fica a 32 km de Melfi pela S 168. A viagem toma aproximadamente 0h30.

Trem

4 trens diários da Stazione Centrale de Bari, com uma baldeação. Viagem de 3h a 4h dependendo do trem. De Potenza Centrale, 3 trens diários para Venosa, com baldeação. Viagem de mais de 3h de duração.

Ônibus

Há vários ônibus diários entre Melfi e Venosa. Tempo de viagem de aproximadamente 0h40.

Hotéis em Venosa

Escolha e reserve seu hotel 

Nosso parceiro Booking.com é um meio fácil e seguro de reservar seu hotel ou apartamento em cidades no mundo todo. Você não tem trabalho algum e provavelmente conseguirá preços melhores. E não paga nada a mais por isso! Você pode pesquisar ofertas entre uma enorme variedade de estabelecimentos.

Melhor época

Venosa tem um clima agradável. As melhores épocas são, como sempre, em todo o sul da Itália, a primavera e o outono.

Atrações em Venosa

Castelo Aragonês

O castelo da cidade começou a ser construído na segunda metade do século XV. Os trabalhos tomaram algumas décadas. Sua aparência original era bem diferente da que você verá ao visitar o castelo hoje, depois que a fortificação foi seriamente abalada por terremotos e transformada por sucessivas reformas. No castelo, funciona um museu arqueológico.

Catacumbas hebraicas e paleocristãs

Próximo à colina de Madalena ficam as catacumbas hebraicas e cristãs escavadas na rocha por volta dos séculos III e IV. Ignoradas durante séculos, foram saqueadas e danificadas, até serem descobertas por arqueólogos em 1853.

Santissima Trinità

 Situado na periferia da cidade, é um importante conjunto paleocristão  iniciado no século III. Uma parte dele é composta de imponentes ruínas. A igreja ao lado tem arquitetura românica primitiva. No seu interior, existem afrescos dos séculos XIV e XVII. A Santissima Trinitá é destino de peregrinos católicos desde a Idade Média.

Igrejas

Além da catedral erguida em 1470, a cidade conserva outras antigas igrejas.

Palácios históricos

A cidade conserva alguns palácios históricos de diferentes épocas, do medieval tardio a construções do século XVIII e XIX. Os principais são o Palazzo del Capitano, o Palazzo Calvini e o  Palazzo Episcopale.

A Itália em imagens

Maquina fotograficaÁlbum fotográfico com dezenas de fotos da Itália separadas em slide-shows  sobre a as regiões mais interessantes do país.

 

Centro da Itália em Imagens
Sul da Itália em imagens
Norte da Itália em imagens

Booking.com

Mais posts

Melfi com seu castelo ao fundo

Melfi

Veja dicas sobe Melfi, na região italiana da Basilicata: como ir, a melhor época, hotel em Melfi, atrações, o castelo de Melfi, a catedral.

Castelmezzano

Castelmezzano, Basilicata, Itália

Castelmezzano, na região italiana da Basilicata, próxima a Matera: como ir, melhor época, atrações, hotel em Castelmezzano e a tirolesa “Volo dell’Angelo”, uma emoção de arrepiar.

Matera, bairro de sassi no vale

Matera, a cidade das casas esculpidas na rocha

Matera, uma das maiores cidades da Basilicata, com 55 mil habitantes é, sem dúvida, a principal atração turística regional, por causa de suas casas escavadas em rochedos – os sassi –, com algumas paredes construídas com o material resultante da escavação.