Musée Jacquemart-André
Pretty ladies, Musee Jacquemart Andre, Foto MollySVH CCBY
Pretty ladies, Musée Jacquemart Andre, Foto MollySVH (CCBY)

Musée Jacquemart-André, morada da arte na região dos Champs-Élysées

Eis um programa de primeira linha para quem gosta de arte: este museu fica num espetacular palácio renascentista, um hôtel particulier que, embora construído na segunda metade do século XIX, é um verdadeiro palácio neorenascentista. Visitá-lo é uma boa oportunidade de conhecer por dentro a mansão e, ao mesmo tempo, apreciar o riquíssimo acervo de obras de arte.

Localização do Musée Jacquemart-André

a

Suas coleções englobam principalmente artistas da Renascença italiana (Mantegna, Bellini, Uccello), dos grandes mestres flamengos (Van Dyck, Rembrandt) e da Escola Francesa do século XVIII (Fragonard, Boucher, Nattier). Tanto o palacete quanto a coleção pertenceram ao casal Édouard André e Nélie Jacmart, ele um banqueiro (milionário, como facilmente se constata…) e ela uma pintora. Ambos legaram esse precioso patrimônio ao Institut de France, já com a intenção de que fosse criado um museu, o qual veio a ser inaugurado em 1913. O palácio renascentista transformado em museu

É importante entender a disposição das peças de arte no palácio, classificada por salões.

 Les grands salons

Engloba diversos salões

Salon des Peintures

Le salon des peintures é uma espécie de hall de circulação.  Bem  iluminado, com  luz natural , expõe peças de Boucher, Chardin, Canaletto, Nattier. Boa parte delas são pinturas com temática mitológica, retratos, paisagens e naturezas mortas.

Le Grand Salon

O Grand Salon, é decorado com peças de arte, bustos de mármore do século XVIII, objetos antigos, móveis. Ele se diferencia das demais salas do palacete em razão de sua planta semi-circular, uma tendência do século XVIII. Servia como sala de recepção quando o casal Edouard André e Nélie Jacquemart recebia a elite parisiense em festas elegantes.

Video sobre o Musée Jacquemart-André

Le salon de musique

O Salão de Música, decorado com cores fortes e móveis escuros, também era utilizado nas recepções. A pintura do teto, obra Pierre-Victor Galland, um dos pintores-decoradores mais famosos de sua época, retrata o deus grego Apolo, protetor da arte.

Salle de diner

Era onde banquetes eram oferecidos a amigos, artistas e personalidades. Suntuosamente decorada com madeiras douradas esculpidas, tapeçarias belgas do século XVII, tem como tema a Guerra de Troia.

Sallons Privés

Sallon des tapisserries

Tem esse nome por ser decorado com três tapisserias de Beauvais: La Danse”, “Le Musicien” et “La Dieuse de bonne aventure”. Servia como antessala de acesso aos salões e salas íntimas, ricamente mobiliadas, onde Edouard André e sua esposa se ocupavam de sua vida particular e seus negócios.

Cabinet de Travail

Apesar de ser uma sala destinada a encontros de negócios, é mobiliada de modo informal, reunindo obras favoritas dos esposos, como pinturas de grandes mestres franceses do século XVIII – Fragonard, Greuze, Lagrénée e PaterCoypel. O teto é decorado com afrescos venezianos. Os móveis e objetos de decoração não obedecem a um estilo único.  Há peças japonesas, uma cômoda de madeira marquetada Luís XV, escrivaninha Luís XV e tapeçarias de Aubusson.

Jardin d’hiver et escaliers

Jardin d’hiver

Inspirado nos jardins de inverno ingleses, muito em voga na época, o jardim de inverno, pavimentado com piso frio de mármore, é envidraçado, luminoso e decorado com plantas, algumas, de espécies exóticas, tornando-o um lugar fresco, preferido do casal no auge do verão.

Escalier

As escadarias de pedra, mármore, bronze e ferro, normalmente no centro da construção, foram construídas no fundo do edifício e decoradas com um grande afresco do mestre Giambattista Tiepolo. Espelhos, que chegam a confundir o visitante, completam a escadaria. O teto, pintado, é também obra Tiepolo.

Le musée Italien

 Salle de sculptures

A intenção inicial era transformar o salão em um atelier por Nélie, mas esta, motivada por sua paixão pela Renascença italiana, acabou por abandonar a pintura e arrastar seu marido para seguidas viagens à Itália, país que ambos adoravam. Voltavam, naturalmente, carregados das mais diferentes obras de arte, boa parte delas adquiridas em Florença. Após a morte de Édouard,  Nélie transformou o salão numa sala de esculturas, restrita aos íntimos.

Salle Fiorentine

Enamorada pela cidade de Florença, Nélie, tranformou esse salão salão em uma galeria de arte fiorentina. As obras trazidas de Florença, geralmente de inspiração religiosa, têm destaque nesse salão, que abriga a obra-prima de Paolo Uccello Saint Georges terrassant le dragon,  além de telas de  Sandro Botticelli e Le Pérugin.

Salle Venetienne

A Sala Veneziana retrata mais as preferência de Édouard, que de sua mulher. O Salão acolhe obras de  Mantegna, Bellini, Crivelli,  Vittore Carpaccio e Schiavone. As pinturas do teto misturam temas religiosos e profanos.

 Appartements privés

Chambre de Madame

Os apartamentos do casal ficavam no andar térreo do palacete. Cada um tinha seu quarto. Nélie mandou construir em seu aposento um atelier de trabalho envidraçado. A decoração do quarto foi inspirada nossa salões de Luís XV,  e abrigava painéis de madeira esculpida, e belos móveis.

L’Antichambre

A Antichambre, decorada com retratos da família,  entre eles  uma pintura de Édouard, obra que Nélie pintou em  1872, fica entre os quartos do casal. L’ Antichambre era o lugar preferido por eles no imenso e elegante palacete, e também o lugar onde os  tomavam juntos seu café da manhã. Objetos pessoais completam o ambiente.

Chambre de Monsieur

O quarto de dormir de Edouard André e seu banheiro foram reformados após seu falecimento. Um busto de gesso ali instalado após sua morte foi uma homenagem de Nélie ao seu marido.

Mais informações, horários e dias de abertura, imagens, consulte o site do museu:
Musée Jacquemart-André

Localização do Musée Jacquemart-André

Veja outros museus parisienses que merecem uma visita: “Melhores Museus de Paris

Veja outras atrações no bairro de Champs-Elysées