Viagem de moto na Argentina

René Miragaia, Terra do Fogo

Viagem de moto na Argentina: uma grande aventura

Há quem acaba se embalando ao ver o filme Diários de Motocicleta sobre as aventuras de Che Guevara e seu amigo Alberto Granado e acha que subir numa velha moto e “rodar a América do Sul” é bico. Mas viajar de moto na Argentina, mesmo pra os amantes de aventuras, é um desafio e tanto.

Mapa da Argentina

Algumas dicas importantes

Nossa primeira recomendação neste tópico, paradoxalmente, não é dirigida aos motoqueiros mais experientes, mas aos que não o são: é perfeitamente possível e seguramente emocionante uma viagem assim, mas experiência é indispensável. Não interessa há quanto tempo você tem a moto, se você a utiliza raramente. O conselho é rodar o suficiente pelo Brasil primeiro, para ganhar confiança (e, principalmente, sabedoria!).

Claro que isso varia de pessoa para pessoa, mas é possível que uns 5.000 km de estrada lhe proporcionem experiência para saber reagir a imprevistos, familiaridade com a moto (se você a tiver comprado recentemente) e a noção de quantas horas por dia você consegue rodar com ela numa boa. Quem viu o filme Diário de Motocicleta, ou leu o livro, sabe muito bem que a moto da dupla pifou no Chile, mais ou menos no início da viagem.

O Che não “percorreu a América do Sul de moto” e sim de carona, de ônibus e em boléias de caminhões. Portanto, moto velha e mal conservada não serve. O ideal é partir do Brasil com uma moto nova, mas se isso não for possível, ela deve pelo menos estar em ótimas condições e ter sido muito bem revisada. Moto nova ou bem conservada, ao contrário do que alguns imaginam, não “vive quebrando”. Se você não for mecânico de moto, é inútil levar um monte de peças de reposição. Caso seja necessário algum conserto, leve sua Poderosa num bom mecânico e pronto.Na Argentina, você encontra o que precisar para todas as marcas de motos. Veja no final deste tópico os sites das principais fabricantes de motos e anote os endereços e telefones das concessionárias e serviços autorizados na Argentina.

Teoricamente, até com uma 125 CC você pode viajar pela América do Sul, mas será em um ritmo mais lento, pois terá que respeitar os limites da máquina. Motoqueiros experientes consideram que uma 650 ou 750 CC “fora de estrada” (off-road) é uma boa escolha. Se um pneu furar (o que é raro acontecer com pneus novos), um inflador de pneu pode quebrar um galho, permitindo-lhe chegar a um borracharia (gomería). Embora qualquer borracheiro conserte um pneu de moto, é bom você saber retirar a roda e recolocá-la, pois nem sempre, sobretudo em pequenas borracharias de beira de estrada, os muchachos sabem tirá-la e, o que é mais importante, montá-la de novo corretamente.

O que você precisa é ter roupas adequadas, capa de chuva, um bom mapa, um roteiro bem bolado e pouca bagagem, mas que inclua algum agasalho para frio, óculos escuros e kit de primeiros socorros. Mantenha o tanque cheio e fique atento com relação à autonomia da motocicleta: na Patagônia você pode viajar mais de 300 km sem encontrar combustível. Uma mangueira para puxar gasolina em caso de pane também é uma boa, mas evite viajar sobrecarregado com galões extra de combustível, algo que pode ser perigoso.

O que você levará consigo depende um pouco do que pretende de sua viagem. Você pode tanto rodar apenas no asfalto e só ficar em bons hotéis como preferir roteiros de aventura, percorrendo estradas de cascalho e indo para lugares mais desertos, de soberbas paisagens (lembrando que é mais fácil derrapar nesse tipo de estrada). Uma pequena barraca pode quebrar o galho se você quiser acampar e dormir em algum lugar pelo caminho; a Argentina é, nesse ponto, um país bastante seguro. Melhor parar e passar uma noite em uma barraca do que pegar estrada à noite. Viagens notunas devem ser evitadas por vários motivos: o farol de uma moto não é condizente com a velocidade da máquina; a 100km/h, você pode ter surpresas com animais na pista; nem todas as estradas são bem sinalizadas; e, em regiões desérticas, é fácil se perder. Além disso, à noite você deixa de curtir a paisagem, um dos grandes prazeres da viagem.

Veja no tópico Transportes, como ir, os roteiros rodoviários para ir do Brasil à Argentina.

Assistência técnica

HondaYamahaSuzuki

Colaborou conosco neste tópico René Miragaia Angelino, que escreveu a matéria especial  Patagônia de Moto (Gaia), escritor e jornalista que já percorreu quase todo o mundo de moto, autor dos livros Yukon, a última fronteira e Minha moto, eu e a América (veja em BAGAGEM CULTURAL o resumo de um dos capítulos do livro). Saiba mais sobre Gaia em www.miragaia.com.br.

A Argentina em imagens
Maquina fotografica

Álbum fotográfico com dezenas de fotos da
Argentina separadas em slide-shows
 sobre a as regiões mais interessantes do país.