A Argentina em uma viagem econômica

Turismo na Argentina. A Argentina econômica: dicas para quem vai viajar pela Argentina em um esquema econômico. Comer, dormir, circular, visitar.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Uma viagem econômica, ou mesmo bastante econômica, para a Argentina, passou a ser possível desde a quebradeira que acabou com a paridade peso-dólar na década de 2000. Gasta-se por lá menos do que você gastaria ao viajar nas mesmas condições pelo Brasil. Mesmo assim, existem algumas dicas para quem quer fazer uma viagem econômica.

Como ir

Para começar, há voos e pacotes de voo + hotel com preços muito acessíveis e pagamento parcelado, não para cidades mais distantes, mas para Buenos Aires. Isso é o que há de mais econômico para quem tem poucos dias e quer apenas sentir um “gostinho” de Argentina.

Aliás, não é sequer obrigatório tomar avião para ir para a Argentina. Você pode até ir de ônibus (ou até de carro a partir do Brasil), pagando pouco, desde que tenha bastante tempo disponível para a viagem. As viagens internacionais de ônibus são econômicas e os ônibus costumam ser confortáveis, sobretudo nos assentos leito-cama.

O que cansa, claro, é a distância. De São Paulo, são mais de 1.600 km até Buenos Aires.

empanadas argentinas - Foto www.flikr by Robson Gehl
A Argentina econômica: empanadas

 

 

Circular de ônibus

A Argentina é um país de grande extensão norte-sul, mas tendo tempo disponível, dá para percorrê-lo todo de ônibus, parando nas localidades turísticas. Sai mais barato do que fazê-lo de avião. (Aliás, muitos lugares turísticos não têm aeroporto). Transfers de agências de viagens, em vans, são mais caros.

Para percorrer longas distâncias entre cidades importantes como, por exemplo, Buenos Aires/Mendoza, existem ônibus noturnos (leito) muito bons. No caso de distâncias mais curtas e de viagens entre lugares menos turísticos, nem sempre os ônibus serão dos melhores, mas quem está interessando em fazer uma viagem econômica para valer precisa diminuir a exigência com conforto.

Circular de carro

Estando em grupo, em família ou, dependendo do orçamento, mesmo a dois, vale muito a pena alugar um carro para fazer circuitos dentro de uma mesma região. Por exemplo, alugar carro em Bariloche para passar uns dias em San Martín e Villa la Angostura, percorrendo a Ruta de los Siete Lagos, e retornar a Bariloche (veja o mapa). Mesmo que você acabe gastando mais com aluguel e combustível do que de ônibus, as despesas serão divididas, e você economiza tempo; consequentemente, economiza em hospedagem, porque visita tudo em menos dias do que faria se estivesse de ônibus.

Já para distâncias muito longas, viajar de carro fica cansativo e a viagem pode ser bastante monótona, pelas paisagens desoladas. Além disso, dependendo da região, é uma verdadeira aventura, pela falta de infraestrutura nas estradas. É outra história, apenas para quem está de fato disposto a encarar o desafio.

Acampar

Para se hospedar fora dos centros urbanos, acampar ou ficar em cabañas (chalés) é uma alternativa interessante, principalmente para quem está de carro. Embora no Brasil esse tipo de viagem econômica seja pouco difundido, é muito comum na Argentina. Sobretudo na região dos lagos andinos (Bariloche e arredores), há muitos campings bem equipados e situados em locais lindos. Ter uma pequena cozinha à disposição sempre ajuda a economizar. Chalés e campings costumam ter também um canto onde você pode fazer um churrasco com as reputadas carnes argentinas (las mejores del mundo!), gastando pouquíssimo. Veja mais informações sobre Hospedagem na Argentina.

Hostels

Existem em toda a Argentina, inclusive em Buenos Aires, hostels da Hostelling International (antigos “Albergues da Juventude”) onde é bem barato se hospedar em boas condições. Se você tiver a carteirinha de associado, as diárias são ainda mais baratas. Veja Hostels na Argentina.

Mesmo fora da rede Hostelling International você pode encontrar hostels (ou hostals, é a mesma coisa) decentes. Porém, não espere luxo.

Refeições

Embora os pratos mais populares do país – como filé com fritas (filet con papas ou lomo con papas ),  milanesa (bife à milanesa ou parrila (um tipo de churrasco com carnes e miúdos) – sejam bem mais baratos do que no Brasil, para fazer uma viagem econômica você pode se contentar em substituir algumas refeições por deliciosas empanadas, perfeitas para acompanhar uma garrafa de cerveja Quilmes, que não é lá é essas coisas, mas é a mais barata.

Uma opção para variar é o choripán, sanduíche de linguiça apreciado por todo o país. Entretanto, se você quer economizar fazendo uma refeição de verdade, opte por pizzas ou massas, também fáceis de encontrar.

Cadeias de fast-food são mais uma alternativa, embora só existam nas cidades maiores.

O café da manhã tradicional na Argentina, que você encontra em qualquer lugar, é barato: uma medialuna (croissant doce) com geleia ou doce de leite e café com leite.

Hotéis na Argentina

Classificação por ordem alfabética – principais localidades turísticas

Hotel em Buenos Aires • Hotel em Bariloche •  Hotel em Cafayate   •  Hotel em Córdoba •  Hotel em El Calafate •  Hotel em El Chaltén •  Hotel em Jujuy  •  Hotel em Junin de los Andes •  Hotel em Las Leñas •  Hotel em Mendoza  •  Hotel em Puerto Madryn • Hotel em Humahuaca •  Hotel em San Rafael  •  Hotel em Puerto Iguazú • Hotel em Rio Gallegos •   Hotel em Salta  •  Hotel em San Martin de los Andes •  Hotel em Tilcara • Hotel em UshuaiaHotel em Villa La Angostura

Booking.com

Mais sobre o assunto:

Receba nossa newsletter

Dicas e detalhes de quem já passou por lá!

O Manual do Turista quer te inspirar com informações que farão a diferença na sua viagem.