Bolívia

Bolívia

Como ir para a Bolívia

Para ir Bolívia atualmente as coisas ficam mais complicadas.

Avião

Há voos de São Paulo para Santa Cruz de la Sierra pela Gol e Tam. Em Santa Cruz de la Sierra você terá que tomar uma conexão numa companhia local para La Paz, ou um ônibus. O Llyd Aéreo Bolíviano e A Aerosul faliram. Os transportes Aéreos no país estão caóticos.

Veja passagens aéreas e pacotes

Trem

A ferrovia Oiental parte de Puerto Suares na fronteira do Brasil para Santa Cruz de la Sierra. A melhor opção é a litorina, evite o tren de la muerte, sobretudo em segunda classe.

Listagem das principais agências de viagem e operadoras de turismo

Onde se hospedar na Bolívia

Escolha e reserve seu hotel em La Paz

Escolha e reserve seu hotel em Copacabana

Escolha e reserve seu hotel em Sucre

Escolha e reserve seu hotel em Santa Cruz de la Sierra

Escolha e reserve seu hotel em Potosí

Escolha e reserve seu hotel em Cochabamba

Melhor época na Bolívia

O que influencia o clima boliviano é mais a altitude do que a latitude. No Altiplano, onde estão as principais atrações, faz frio. O verão  também é frio e chove muito mais do que no inverno, a época seca. Portanto se puder evitar dezembro, janeiro e fevereiro, melhor. As melhores épocas são o outono (abril e maio) e à primavera (setembro a novembro).

Agora que você sabe o clima que o espere, veja que tipo de roupas e calçados deve levar na sua bagagem

O país possui uma vasta região andina que ocupa quase um terço de seu território, formada por picos nevados e pelo Altiplano, onde fica La Paz.
A Bolívia é desprovida de litoral: a pequena faixa costeira que lhe pertencia foi perdida para o Chile em 1879, após uma guerra e longas negociações.

El Oriente, as terras baixas e férteis

Nos llanos ou El Oriente, onde fica Santa Cruz de la Sierra, a segunda principal cidade do país, o clima é quente e bastante úmido. Nessa zona de terras férteis, é mais visível a presença de pessoas de origem européia. A Bolívia possui também uma região intermediária entre a serra e os llanos, igualmente fértil, formada por vales de clima agradável e altitudes médias que variam em torno de 2.500m. É onde estão Cochabamba, Sucre e outros centros. Finalmente, existe o chaco, área de produção de petróleo, que se estende até o Paraguai (país com o qual a Bolívia teve um conflito impulsionado pelos interesses de multinacionais inglesas e americanas na disputa pelo ouro negro).

El Altiplano Corresponde às terras altas e planas em torno de 4.000 ms (um planalto de altitude), onde fica a capital administrativa , La Paz, principal cidade do país e Potosí, que no passado foi riquíssima. É também no altiplano que fica uma das mais importantes atrações turísticas da Bolívia, o Salar de Uyuni, ao lado da cidadezinha de mesmo nome. Já na fronteira com o Peru, às margens do Titicaca, fica Copacabana.

A composição étnica da população boliviana é muito semelhante à do Peru: 55% de índios, que vivem principalmente na região andina, 30% de mestiços e 15% de brancos. Como no caso do Peru, a elite boliviana é formada principalmente por brancos ou mestiços de ascendência européia. A população índia, que vive em condições ainda mais difíceis do que no Peru, trabalha na agricultura e na mineração.
A Bolívia tem como uma de suas maiores riquezas o gás natural que é, em boa parte, exportado para o Brasil.

As semelhanças com o Peru não impedem que se observe que seu desenvolvimento econômico é visivelmente inferior ao de seu vizinho: a renda per capita boliviana é de menos da metade da peruana. Essa situação poderia melhorar com um aproveitamento mais rentável das riquezas naturais e com a reconquista de uma faixa litorânea – o que está sempre em pauta nas relações diplomáticas com o Chile.