Arquivo da tag: mexicoecaribe

Sobre o México e o Caribe

México e Caribe, colonizados pelos espanhóis, é o berço do que os europeus chamaram de Novo Mundo, pois foi em uma ilha caribenha, a Hispaniola, onde ficam atualmente o Haiti e a República Dominicana, que Colombo desembarcou.

Mapa do Caribe

Hoje, México, Cuba e outras ilhas do Caribe são destinos ideais para quem quer encontrar belas praias e muita diversão, tendo, ao mesmo tempo, a oportunidade de conhecer importantes aspectos da história da América, que deixou suas marcas em uma rica arquitetura colonial espanhola e em um fabuloso patrimônio arqueológico pré-colombiano, só comparável ao do Peru, na América do Sul.

Pela boa infra-estrutura turística e pelas paisagens litorâneas paradisíacas, alguns recantos dessa região do planeta são bastante procurados por casais em lua-de-mel, como a ilha de St. Martin e Cancun, no litoral do México.

Mapa do Caribe e da área caribenha mexicana

Como ir

Há voos de São Paulo para o México e via Panamá plea companhia panemaenha Copa Airlines, para diversas ilhas caribenhas. Há voos também via Miami, mas o visto norte-americano pode ser necessário. Outra opção é pela Avianca, via Colômbia. Em algumas dessas conexões você terá direito a um “chá de aeroporto” de algumas horas, o que pode ser cansativo. Informe-se ao comprar sua passagem.

Compare preços de passagens aéreas para o México ou para o Caribea 

Onde se hospedar

Escolha e reserve seu hotel na Ciudad de Mexico

Dicas

Se você pretende visitar uma ou mais ilhas de Caribe informe-se sobre as ligações aéreas e marítimas entre elas. Algumas são vizinhas e têm barcos com linhas regulares entre elas. Outras não são tão cômodas de se visitar em uma mesma viagem.

Toda a região é tropical, no Caribe principalmente o calor pode ser exagerado. Protetor solar e chapéu leve são indispensáveis.

Hotel em Varadero
Hotel em Varadero

O que mais conhecer em Cuba

Como ir

Reserve voos do Brasil ou pegue uma excursão

Compare preços de passagens aéreas e faça sua reserva

Melhor época

Evitar se possível a temporada de julho a novembro, quando os tufões são frequentes

Atrações turísticas

Pinar del Rio

Não muito longe de Havana ficam Pinar del Rio, uma das mais belas regiões de Cuba, com montanhas e florestas, e o Vale de Viñales, com suas colunas rochosas naturais e várias cidadezinhas pitorescas.

Varadero

Embora fique a beira-mar, Havana não tem praias; quem quiser dar um mergulho tem que ir até Santa Maria del Mar (perto de Havana) ou a Varadero.
Varadero, famosa e lotada, não tem nada de especial além da praia, uma estreita faixa de areia. Mais do que em qualquer outro lugar de Cuba, o assédio sobre os estrangeiros de qualquer sexo é constante. É de Varadero e de Havana que partem excursões para Cayo Largo, um lugar para mergulho em praias quase desertas.

Santiago de Cuba

Outra cidade simpática é Santiago de Cuba, onde predominam casarões coloniais (infelizmente mal conservados) nas ruas que descem em direção à baía. Sua principal atração é o Castelo de San Pedro de la Roca, construído no século XVII no alto de uma falésia, em estilo renascentista italiano. Em Santiago, muitas pessoas procuram formas alternativas de conseguir alguns dólares, aceitando hóspedes estrangeiros e, dessa forma, oferecendo-nos a oportunidade de conhecer como vivem e pensam os cubanos.

Havana, Cuba
Havana, Cuba

Uma linda capital colonial, mas muito mal cuidada

É um dos exemplos mais representativos da arquitetura colonial espanhola nas Américas. A maioria dos edifícios, embora mal-cuidados (pois o governo não tem dinheiro para nada, nem os cubanos!), têm belas linhas arquitetônicas; os que chegaram a ser restaurados são lindos.

Como ir a Cuba

Avião

Há voos de São Paulo pela Cubana de Aviación ou via Ciudad de Panamá pela Copa

Veja passagens aéreas e pacotes

Melhor época

Faz calor o ano todo. Mas se puder evite a época de julho a novembro quando os tufões são mais frequentes.

Vídeo sobre Havana

Atrações turísticas

Habana Vieja (a velha Havana

Vários prédios de hotéis chamam a atenção: o Inglaterra, por exemplo, construído em 1875, é um antigo palácio que combina os estilos clássico e andaluz. Seus mosaicos e vitrais e a varanda junto da calçada lembram um cenário cinematográfico. Outros monumentos em Havana refletem a influência norte-americana no passado, como o Capitólio, uma cópia daquele de Washington.

El Malecón

 A noite o footing em Havana acontece na avenida em frente ao mar, protegida das ondas por um muro de pedra – El Malecón – onde o pessoal se encosta para aproveitar a brisa marítima, namorar, ver o movimento e paquerar. Os velhos prédios da avenida são muito bonitos, mas caindo aos pedaços, o que é uma pena. Alguns edifícios novos estão sendo construídos ali, quebrando a harmonia do conjunto.

Botecos e restaurantes famosos

Os botecos e restaurantes de Havana são conhecidos no mundo inteiro, como a Bodeguita del Medio, lugar cult que já recebeu gente como Pablo Neruda, Gabriel Garcia Márquez e Salvador Allende e continua mais ou menos com o mesmo jeitão que tinha em 1942, quando foi fundado. O mojito, espécie de caipirinha de rum, é uma das especialidades.

O restaurante Castillo de Farnés é um marco da história da ilha: foi freqüentado por Fidel e outros conspiradores durante a ditadura de Batista. Anos depois, quando Fidel entrou com seus barbudos em Havana, foi até lá com Che Guevara de madrugada, acordou o cozinheiro e mandou que lhes preparasse algo para comer. E, por falar em Fidel, na praça de la Revolución pode-se ver o tanque utilizado por ele, que comandou pessoalmente a defesa da ilha quando da frustrada tentativa de invasão comandada pela CIA, na Baía dos Porcos.

Curiosidades

Uma atração à parte são os velhos automóveis dos anos 50 que circulam pelas ruas de Havana: bel-airs, cadillacs “rabo-de-peixe”, dodges, studbakers e outras raridades ainda rodam graças ao gênio criativo cubano, funcionando com peças adaptadas ou fabricadas artesanalmente. Alguns colecionadores de automóveis antigos pagariam uma pequena fortuna aqui no Brasil por um veículo desses!

Carro antigo em Havana
Carro antigo em Havana, uma cena comum

Sobre Cuba

O país é, digamos assim, uma relíquia ideológica: continua comunista quando nem a União Soviética existe mais. Mas seu comunismo é tropical e latino e o governo tem tolerado atividades particulares, o que gera uma economia informal em grande parte alimentada pelos dólares dos turistas. Os hotéis são todos do governo e devem ser reservados no Brasil. De qualquer modo, chegando lá, é possível alugar uma casa e pagar pouco pela hospedagem. (Além de ser um bom meio de conhecer melhor o povo cubano e saber o que eles pensam do regime.)
Em alguns lugares ainda se pode cruzar com faixas com slogans, lembrando que la Revolución ainda está presente. Os cubanos sorriem enquanto turistas tiram fotos.

Não é nenhum segredo: Cuba é hoje o país do semiclandestino. Todo mundo que tem um velho carro é um pouco motorista de táxi, todo mundo é meio dono de pensão, sempre disposto a alugar sua própria casa a estrangeiros, existem restaurantes que são particulares (os paladares), e assim se vai levando…

O país, que sofre com o bloqueio comercial norte-americano (uma estupidez contra o povo cubano e um ótimo argumento para a ditadura de Fidel justificar seus fracassos!) tem diversos encantos para o turista, sobretudo cidades coloniais e belas praias. De quando em quando, porém, o governo cubano apronta alguma que deixa muita gente sem vontade de ir para lá, como o recente fuzilamento de dissidentes. É uma pena, pois o país é lindo e os cubanos, gentis.

Transportes

Como ir

Há vôos diretos do Brasil para para Cuba, pela companhia Cubana de Aviación. Outras opções para ir a Cuba de avião são a companhia panamenha COPA (com escala na Cidade do Panamá) ou uma conexão na Cidade do México.

Veja passagens aéreas e pacotes

Como circular

Circular por Cuba pode ser um grande problema. Os transportes estão sempre lotados, é complicado conseguir uma passagem, seja de ônibus, seja de trem. Se você pretende visitar Santiago de Cuba, por exemplo, reserve o avião aqui do Brasil.

Avião

Há vôos da Cubana de Aviación entre Havana e Santiago de Cuba por US$ 105.00, ida e volta. Reserve do Brasil.
(Atenção: esses preços são meras referências e estão sujeitos a variações)

Trem

Em Cuba, é complicado conseguir uma passagem e a reserva geralmente deve ser feita com grande antecedência.

Carro

Embora não existam auto-estradas, pelo menos nos roteiros turísticos, as estradas são asfaltadas. De Havana há estradas para o resto do país. Em Cuba, o carro é melhor do que o ônibus ou o trem, mas sai mais caro e só vale a pena em um pequeno grupo. Além disso, a reserva deve ser feita com o máximo de antecedência. Também é possível contratar qualquer pessoa que tenha um carro, menos talvez o próprio Fidel! Pode ser mais barato e interessante, pois o motorista servirá também de guia. O veículo provavelmente será um antigo automóvel americano, mas será divertido viajar num bel-air 56… se os freios estiverem funcionando! Já existem muitos táxis legalizados, mas se você pegar um clandestino, o dono do carro lhe dirá como se comportar caso sejam parados pelas autoridades. Você não corre risco algum; ele, talvez sim. Mas isso é absolutamente comum por lá.

Ônibus

Esqueça os ônibus locais; as reservas devem ser feitas com muita antecedência. Opte por traslados em ônibus ou vans próprios para turistas, se possível reservados aqui no Brasil. O transporte é o grande problema na ilha.

A melhor época

Em Cuba faz bastante calor o ano inteiro; não há nenhuma diferença expressiva de temperatura entre as estações. Para você ter uma idéia, no auge do inverno, no mês de janeiro, a temperatura mínima (que ocorre de madrugada) é de 18º! Mas não esqueça: de agosto a outubro, podem ocorrer tufões.

HAVANA – temperaturas médias
Primavera (abril): mínima 21ºC / máxima 29º
Verão (julho): mínima 24ºC / máxima 32ºC
Outono (outubro): mínima 23ºC / máxima 29ºC
Inverno (janeiro): mínima 18Cº / máxima 26ºC

Dicas

– Seja você homem ou mulher, não se espante com o assédio amoroso em Cuba: é o esporte nacional. Tenha você a cara que tiver, dirão que é lindo ou linda… o que, é óbvio, faz bem para o ego! Há, é claro, a curiosidade natural pelos estrangeiros, mas eventualmente também pode haver algum outro interesse. Não esqueça de que lá seus dólares valem muito. As chamadas gineteras são moças, às vezes de excelente padrão cultural e com profissão definida, que saem com turistas estrangeiros para poder freqüentar um lugar ou fazer um programa que jamais poderiam pagar com seu próprio salário. Há também rapazes que vêem nas turistas a possibilidade de um meio legal de sair do país. De qualquer forma, os cubanos são simpáticos e Cuba é um lugar onde é fácil fazer amizades.

– Produtos cubanos (inclusive charutos) são proibidos nos Estados Unidos. Se você fizer uma viagem do tipo: Havana – Cidade do México – Miami, lembre-se disso. Trazer charutos para o Brasil em grande quantidade também pode gerar problemas com a alfândega brasileira.

– Os hotéis, todos do governo, têm preços tabelados. Você reserva do Brasil e paga em torno de US$ 60,00 a diária. A maioria das agências vende pacotes que incluem o traslado e algum passeio. Também há a possibilidade de reservar hotel por duas noites (mesmo que vá ficar dez dias) enquanto encontra uma casa para alugar, se estiver disposto a ter mais contato com a população local. Antes isso era feito meio “por baixo do pano”, hoje até pela internet encontram-se quartos para alugar por preços baixos e, o que é melhor, com autorização do governo.

Sites de turismo sobre Cuba

Cuba – Portal cubano com assuntos variados. Clicar em turismo. Links para outros sites sobre a ilha.

Cubana de Aviación – Companhia aérea cubana. Voos do Brasil para Cuba e voos internos.

Copa – Companhia aérea panamenha. Voos do Brasil para Cuba via Panamá.

Sobre Saint-Martin, no Caribe: metade francesa, metade holandesa

Saint-Martin, no Caribe, durante o período colonial  foi disputada por espanhóis, ingleses, franceses e holandeses. A ilha caribenha produzia sal e tabaco. Hoje, a pequena ilha vive exclusivamente do turismo: lá tudo é importado, até a água mineral. Os únicos produtos locais são frutas, peixes e frutos do mar.

Mapa de St-Martin

Como ir para Saint-Martin

Se você não contratar um pacote em um voo fretado direto oferecido por uma operadora, deverá ir para Saint Martin via Miami (hipótese em que o visto norte-americano será necessário) ou via Panamá (trajeto mais curto, operado pela companhia panamenha COPA).Nem sempre os horários são cômodos; existem voos que partem de Guarulhos às 5h30 da manhã, por exemplo. É uma viagem cansativa. O aeroporto fica do lado holandês (Sint Marteen)

Veja passagens aéreas e pacotes

Hospedagem

Saint-Martin é pequena, tanto faz ficar instalado na área francesa, como na holandesa.

Escolha e reserve seu hotel em Saint Martin

Melhor época

Faz calor o ano todo. No verão ele chega a ser demasiado. Evite, em todo caso o período de tufões de julho a novembro. O calor é sempre intenso. É indispensável levar roupas leves, chapéu e protetor solar de fator alto. Pense, porém, em levar um pulover ou moletom para usar no avião. O ar condicionado pode ser gelado. Muito cuidado com os choques de temperatura.

Pontos turísticos em Saint-Martin

Há transporte público e táxis que servem toda a ilha, mas bom mesmo é alugar um automóvel, o que é barato. Muita atenção com as lombadas, que estão por toda parte. Não dá para correr. Um problema sério nas áreas urbanas da ilha é achar onde estacionar. Em Philipsburg, do lado holandês, é somente na terceira rua paralela ao mar que você pode parar. Em Marigot, do lado francês, evite estacionar à noite em lugares mal iluminados. A ilha é mal sinalizada: muna-se de um bom mapa. Você os consegue de graça nas locadoras ou nos hotéis.

Saint-Martin é uma ilha bem curiosa: sua parte norte pertence à França e sua parte sul (Sint Marteen) à Holanda. O inglês é falado em toda a ilha, enquanto o francês é utilizado principalmente no território francês. O dialeto utilizado pelos nativos da ilha, quase todos eles descendentes de africanos escravizados durante o período colonial, é uma mistura de inglês com creole caribenho, espanhol, e francês. Mesmo que você fale correntemente francês e inglês não conseguirá entender nada quando eles conversam entre si.

Marigot – É o principal centro urbano do lado francês, onde ficam restaurantes e lojas e belas praias.

Philipsburg – É o centro holandês, repleto de restaurantes, hotéis e lojinhas que vendem principalmente bebidas alcoólicas, perfumes, joias, charutos e aparelhos eletrônicos. Tudo sem taxas. Só não exagere para não ter problemas com a alfândega brasileira.

Dicas

Segurança

Assaltos a mão armada são raros, mas é bom ficar esperto em qualquer lugar deserto nas áreas urbanas. Ao estacionar, não deixe nada visível dentro do veículo. São comunes arrombamentos de vidros de automóveis para roubar bolsas e outros objetos.

Hospedagem

Há hotéis de todos os preços em Saint Martin / Sint Marteen, bem como resorts muito confortáveis. Os mais luxuosos do lado francês são o La Samanna e o Radisson, enquanto do lado holandês os dois estabelecimento da rede Sonesta são bastante procurados.

Restaurantes

Na Marina Royale, em Marigot, existe cerca de meia dúzia de bons restaurantes com preços honestos.
O recém inaugurado restaurante francês Le Moulin Fou, na Marina de Porto Cupecoy, perto do aeroporto, é uma ótima pedida.
Para diversão garantida em clima bem informal, escolha o Sunset Bar, em Maho Bay, numa prainha bem ao lado do aeroporto, onde você come e bebe vendo os aviões aterrissarem em um cenário que não existe em outro lugar.
Em Philipsburg, a melhor opção é o descolado Ocean Lounge, à beira-mar, no hotel Holland House.

Caribe: ilhas paradisíacas

O Caribe tem inúmeras ilhas paradisiacas, de sonho: é só escolher: as badaladas Aruba, St. Barthélémy e San Martin; o chique arquipélago das Bahamas, a pequeninha Curaçao, a República Dominicana, a Jamaica, terra do reggae… Boas opções para quem não quer ir muito longe e prefere um lugar onde se fala o espanhol são a Isla Margarita, pertencente à Venezuela, e San Andrés, que faz parte da Colômbia. Ambas são menos caras e badaladas do que maioria das ilhas caribenhas, mas têm o mesmo mar turquesa e boas praias.

Mapa do Caribe

Como ir

O Caribe é um destino incômodo, com escalas e conexões obrigatórias: na maior parte das vezes, um verdadeiro “chá de aeroporto”. Para as ilhas caribenhas, aparecem vôos diretos fretados, geralmente em pacotes que incluem também hotel e traslado, vendidos pelas grandes operadoras, ou cruzeiros (avião até Miami + navio). Fora desse esquema, há poucas alternativas. Há vôos para a República Dominicana, com escala na Cidade do Panamá, pela COPA.

Para entender melhor, olhe o mapa: para as ilhas mais ao norte (exceto Cuba) é mais prático ir via Miami. Há oscilações significativas nos preços das passagens, dependendo sobretudo da alta estação nos Estados Unidos.

Para as ilhas mais próximas à América do Sul, como Aruba e Curaçao, pode-se ir via Bogotá (Colômbia) ou via Caracas (Venezuela) e de lá tomar um vôo por uma companhia local.
Há grandes diferenças entre preços de passagens e de pacotes oferecidos por cada operadora. Nosso conselho: pesquise a fundo as ofertas vigentes antes de viajar!

Veja passagens aéreas e pacotes

Onde se hospedar

Escolha e reserve seu hotel nas ilhas do Caribe

Melhor época

Faz calor o ano todo. Entre julho e novembro pode  (não necessariamente…) ocorrer tufões.

Atrações turísticas

St. Barthélémy

É uma ilha francesa com influência sueca, visível nas casas e outras construções de Gustávia, a capital. Apesar de ser um lugar chique, com elegantes marinas e hotéis de luxo, a pequenina St. Barth, como é conhecida, é também acessível aos reles mortais. Além de ter belíssimas praias, é um dos lugares mais seguros do planeta e a melhor maneira de conhecê-la é alugando um carro.

República Dominicana

A língua oficial é o espanhol. Está começando a atrair a atenção dos turistas brasileiros em razão de seu litoral lindo, e por ser um país com boa infraestrutura para turismo e preços acessíveis. A capital, São Domingos, é uma cidade bastante agradável e de interesse histórico. Suas construções coloniais mais importantes são a Catedral Santa Maria de la Encarnación, a Casa del Príncipe (um curioso palácio do século XVI) e uma fortaleza espanhola da mesma época, o Forte de São Domingos.

Bahamas

Formadas por centenas de pequenas ilhas, são procuradas por mergulhadores por causa do mar de absoluta transparência. Os mega-hotéis de alto luxo formam um mundo artificial com pretensões a Disneyworld, num gosto que agrada em cheio aos novos-ricos americanos. Nassau, a capital, é uma boa base para explorar esse arquipélago de população negra e língua inglesa. As Bahamas são também um ponto obrigatório de todos os navios de cruzeiro que circulam pelo Caribe.

Aruba

Essa possessão holandesa, bem perto da América do Sul, é uma das ilhas favoritas do turista brasileiro no Caribe. Oranjestad, a capital, conserva uma arquitetura de influência holandesa e oferece, além das praias, cassinos. A parte central da ilha tem cavernas com desenhos pré-colombianos (repletas de morcegos!) e uma paisagem cheia de cactos. Como nas demais ilhas caribenhas, o fundo do mar é sempre uma atração para mergulhadores (pode-se ver até um navio afundado da época da Segunda Guerra).

O windsurf também é popular em Aruba. Para os menos aventureiros, há passeios em veleiros e até num pequeno submarino. Aruba também tem espaço para os que gostam de um agito diferente: uma discoteca flutuante.

De Aruba pode-se visitar Bonaire, outro lugar perfeito para os que gostam de mergulhar, e Curaçao, também nas Antilhas Holandesas. St. Martin e St. Marteen são, respectivamente, território francês e holandês de uma mesma ilha, ambos com estrutura turística de alto padrão e variedade de atrações recuperadas graças a investimentos maciços após os danos causados pela passagem de um furacão há alguns anos.

Jamaica

País de colonização inglesa, terra do reggae e dos rastafaris, oferece as mesmas paisagens: praias de areias douradas rodeadas de coqueiros… É uma ilha grande, que não vive exclusivamente do turismo e apresenta uma cultura nativa mais preservada do que as demais. Ao pé das Montanhas Azuis, fica Kingston, a capital, uma cidade suficientemente grande para fugir ao modelo dos balneários do resto da Jamaica e da maior parte das ilhas do Caribe. Há vida cosmopolita, agitos noturnos com inúmeras boates e danceterias e atrações culturais. Infelizmente não é um lugar tão tranqüilo quanto as demais ilhas caribenhas, mas se você vem de São Paulo ou do Rio, estará mais seguro por lá…

A melhor época

No Caribe faz calor o ano inteiro; não há nenhuma diferença expressiva de temperatura entre as estações. É um lugar para o qual você precisa levar apenas roupas leves e de praia. Mas atenção: de agosto a outubro, podem ocorrer tufões em algumas regiões.

Dicas

As ilhas caribenhas são geralmente pequenas e as distâncias são curtas. Só em Cuba, bem maior, roda-se mais. De modo geral, as estradas são razoáveis em praticamente todo o Caribe.

Nas ilhas, pode ser um bom negócio: as distâncias são pequenas; algumas das ilhas podem ser percorridas num só dia e há boas locadoras em todas elas. Na Jamaica e nas Bahamas, guia-se à esquerda.

Existem em todas as ilhas ônibus locais e turísticos de qualidade variável, mas via de regra satisfatórios.

Há inúmeras excursões e passeios que podem ser feitos de barco. Você pode comprar os bilhetes por lá.

México, outros pontos turísticos

O México tem outras atrações além de Cancun, patrimÔnio arqueológico e a Ciudad de México, a capital do país. É no interior do país que se pode ter um contato maior com a herança colonial espanhola. Gunajuato é uma cidade estranha, porém interessante em razão da estrutura labiríntica: ruelas estreitas, e passagens subterrâneas.

Mapa do México

Como ir

Há voos diretos do Brasil para o México e também via Panamá ou Colômbia.

Veja passagens aéreas e pacotes

Hotéis no México

Reserva pelo Booking.com

O Booking.com é um meio fácil e seguro de reservar seu hotel ou apartamento em cidades no mundo todo. Você não paga nada a mais por isso. Você pode pesquisar ofertas entre uma enorme variedade de estabelecimentos

Onde se hospedar em Acalpulco

Onde se hospedar em Cancún

Onde se hospedar na Ciudad de Mexico

Onde se hospedar em Mérida

Onde se hospedar em Oaxaca

Onde se hospedar em Puebla

Onde se hospedar em San José de los Cabos

Atrações no México

Vídeo sobre o México

Guanajuato 

Lá pode ser vista uma curiosidade um pouco macabra: as famosas múmias de Guanajuato, corpos humanos conservados naturalmente em razão do clima árido. Guanajuato

Morelia

Tem belos edifícios barrocos e Puebla, principal centro de fabricação de cerâmica, casas com paredes cobertas de azulejos. Morelia –  Puebla

Oaxaca

Ao sul, já a meio caminho do istmo de Tehuan-tepec, junto à Sierra Madre del Sur, está a cidade histórica de Oaxaca, de arquitetura colonial barroca, em um vale a 1,5 mil metros de altitude. Em Monte Albán, a 2 mil metros de altitude, bem perto de Oaxaca, fica a antiga cidade dos zapotecas, uma das mais importantes da América pré-colombiana. Oaxaca

Puerto Escondido

Perto de Oaxaca, mas no litoral do Pacífico, fica um lugarzinho delicioso, menos conhecido que Cancun, Puerto Escondido, com belas praias e água tépidas. Perfeito para quem quer descansar, depois de passar dias subindo morros ou as escadarias de pirâmides. Puerto Escondido

Cancún

Descoberta pela indústria do turismo e adorada pelos brasileiros, dentre outros,tornou-se um lugar badalado. É ótimo para não se fazer nada… apenas comer, beber, ir à praia e curtir a noite. Ao lado de Cancún fica a ilha de Cozumel lugar perfeito para mergulhos.

Costa do Pacífico

O México tem ainda vários balneários famosos. Na costa do Pacífico, ficam Acapulco, tradicional destino dos turistas americanos, hoje uma cidade grande com um centro um pouco decaído e um mar de tons incríveis, e Puerto Vallarta, mais moderna. Mais ao norte, na Baixa Califórnia, uma longa faixa desértica e cheia de cactos, San José dos Cabos, também está-se tornando uma região de balneários sofisticados.

Ídolos de Tuula, México, Foto Chico Spagnuolo
México: sítios arqueológicos, ídolos de Tula, México, Foto Chico Spagnuolo

México: sítios arqueológicos mais importantes

México, principais sítios arqueológicos: • Monte Albán • Tula • Teotihuacán • Palenque • Tulum • Chichén Itzá

Há no México vestígios de outros povos pré-colombianos, como os zapotecas: bem perto de Oaxaca, em Monte Albán, a 2 mil metros de altitude fica uma antiga cidade que atesta o grau de desenvolvimento desse povo anterior aos astecas.

Mapa do México

Tuula

Também anterior à civilização asteca é o sítio arqueológico de Tuula, a aproximadamente 65 km da Ciudad de Mexico, provável capital dos Toltescas, onde fica a pirâmide de Tlahuizcalpahtechuhtli. O que diferencia essa pirâmide são seus gigantescos ídolos de pedra, medindo 4,5 m de altura.

Vídeo sobre os sítios arqueológicos no México

Os maias

A civilização maia, por sua vez, guarda muitos mistérios: pouco se conhece desse povo, pois ao contrário do império asteca, que estava no apogeu quando da chegada dos espanhóis, as cidades maias já haviam sido abandonadas muito antes de Colombo desembarcar no Novo Mundo. Na península do Yucatan, no sudeste do país, concentram-se os sítios arqueológicos maias mais importantes do México: Palenque, uma cidade bem preservada; Uxmal, onde há um santuário dedicado a Chac, deus da chuva; Chichén Itzá, com monumentos como a pirâmide de Kukulcan, uma das mais importantes construções do período maia-tolteca); Dzibilchaltun, que data aproximadamente do ano 500 a.C.; e Tulum, a única cidadela maia construída à beira-mar “ (Riviera Maya), junto de lindas praias.

Informações práticas

Como ir

Há voos diretos do Brasil para o México e também via Panamá ou Colômbia.

Veja passagens aéreas e pacotes

Hotéis no México

Onde se hospedar em Acalpulco

Onde se hospedar em Cancún

Onde se hospedar na Ciudad de Mexico

Onde se hospedar em Mérida

Onde se hospedar em Oaxaca

Onde se hospedar em Palenque

Onde se hospedar em Puebla

Onde se hospedar na Península de Yucatan

Xochimilco, México
Ciudad de México, Xochimilco

Sobre a Ciudad de México

A Ciudad de México, situada no centro do país, a 2,3 mil metros de altitude, é uma das mais antigas da América. No século XIV, muito antes da chegada dos espanhóis, já era a grande capital do império asteca. Hoje é um dos mais populosos centros urbanos do mundo, com trânsito infernal e muita poluição.

A Ciudad de México foi construída em parte sobre um aterro. Isso fez com que construções como a Catedral literalmente afundassem no solo. Nos trabalhos de drenagem ali realizados, foram achados vestígios do Templo do Sol, do Templo Circular, do Templo Quetzalcóatl e o local onde aconteciam os juegos de pelotas praticado pelos astecas. Se todo o centro da Ciudad de México pudesse ser escavado, imaginem o que mais poderia seria descoberto!

Mapa da Ciudad de México

Como ir

Há voos diretos de São Paulo para a Ciudad de México pela Aeromexico e voos para Cancún pela companhia Copa, com escala na Ciudad de Panamá. O aeroporto da Internacional Benito Juarez, da Ciudad de México fica a apenas 6 km do centro histórico.   Há ônibus e táxis até a cidade.

Veja passagens aéreas e pacotes

Hotéis na Ciudad de México

Escolha e reserve seu hotel na Ciudad de México

Melhor época

A Ciudad do México convive com problemas de excesso de chuvas no verão e extrema secura do ar no inverno, quando a poluição crônica da cidade se faz sentir com mais força. Veja detalhes em “Melhor época no México“.

Atrações turísticas na Ciudad de México

Zócalo

Apesar do crescimento da cidade, o Zócalo (praça central), enorme e sempre agitado, conservou a arquitetura colonial. Nele ficam o Palácio Nacional (sede do governo federal) e ruínas astecas. Lá está também a Catedral, uma mistura do barroco com neoclássico. É belíssima, principalmente quando iluminada à noite. Sua construção, iniciada em 1573, só foi terminada 230 anos depois.
As ruínas existentes no Zócalo, descobertas em 1978, pertencem ao Templo Maior, destruído pelos espanhóis. Era nesse templo, o principal edifício de Tenochtitlan (a capital asteca), que se celebravam as cerimônias políticas e religiosas mais importantes. Sabia-se por relatos históricos da existência do Templo Maior, mas não a sua localização exata.

Artefatos pré-colombianos, descobertos por acaso quando trabalhadores instalavam no local cabos elétricos subterrâneos, forneceram uma pista. Os trabalhos de resgate efetuados por arqueólogos trouxeram à luz o que sobrou do enorme templo. Estima-se que o edifício teve, durante o período asteca, ao menos sete ampliações, cada uma delas realizada por um imperador. As dimensões e a rica decoração do Templo eram uma demonstração à população e aos povos conquistados do poder daqueles que governavam o império.

Ao visitar o Templo Maior e o museu anexo, que reúne peças encontradas nas escavações, o visitante poderá observar as maquetes que mostra como era, no passado, essa parte da cidade. Ilustrações sobre os trabalhos realizados no sub-solo da catedral, que também podem ser vistas no museu, indicam que em outros pontos do centro também há construções da época dos mexicas (astecas).

Há a possibilidade ainda de ver, no metrô Zócalo (a estação mais próxima do local) maquetes e fotos que mostram como era a praça antes da descoberta das ruínas e até mesmo do edifício que existia no local.

Tlatelolco

O que outrora foi o centro da antiga cidade de Tlatelolco é hoje uma praça, conhecida como “Praça das Três Culturas”, que abriga ruínas, a Igreja de Santiago e a Secretaria das Relações Exteriores. A igreja foi erguida com as pedras aproveitadas da demolição do edifício asteca que fica exatamente em frente a ela (e que, felizmente, foi parcialmente recuperado para estudo e visitação). Tlatelolco tem uma história triste: em 2 de outubro de 1968 dezenas de estudantes que protestavam foram metralhados pela polícia. Foi o maior massacre da cidade do México.

Era um costume dos espanhóis demolir templos astecas para aproveitar as pedras como material de construção em seus edifícios e igrejas. Em outras zonas arqueológicas espalhadas pelo país, isso também aconteceu, fazendo com que a maior parte da herança pré-hispânica se perdesse.
Tlatelolco foi fundada 13 anos depois de Tenochtitlan, em 1338 d.C.,quando parte da população desta última resolveu criar uma nova cidade: México-Tlatelolco. Hoje, os dois centros astecas, distintos no passado, estão a apenas algumas estações de metrô um do outro, uma distância que os mais decididos podem encarar a pé.

Tenochtitlan

Militarmente poderosa, Tenochtitlan, era a capital do império asteca e expandiu seu domínio sobre uma ampla extensão do território mexicano. Tlatelolco, por sua vez, foi um grande centro comercial, que atraía compradores e vendedores de todos os cantos do México. Este foi o último lugar (na região ocupada hoje pela Ciudad de México) conquistado pelos espanhóis, em 13 de agosto de 1521. Como diz a inscrição na Praça das Três Culturas, “o dia em que Tlatelolco caiu em poder de Hernán Cortés, não foi nem triunfo nem derrota, mas sim um doloroso nascimento do povo mestiço, que é o México dos dias atuais”. Site:  Tenochtitlan

Praça das Três Culturas

É  famosa por ter sido palco de um terrível massacre de estudantes durante uma manifestação reprimida a bala pelo Exército Mexicano, em 2 de outubro de 1968. Em 1985, um terremoto causou graves danos às construções vizinhas.
Para visitar a área arqueológica: : Eje Central Lázaro Cárdenas.

Coyoacán

Zona privilegiada dentro da grande cidade, foi onde Hernán Cortés instalou-se quando se preparava para conquistar Tenochitlan. Foi também onde permaneceu entre 1521 e 1523, transformando o lugar na primeira capital da Nova Espanha. A igreja principal, dedicada a São João Batista, foi erguida em meados do século XVI.

O bairro esbanja charme em suas ruas, casas coloniais, praças e igrejas. Em razão do ambiente tranqüilo de Coyoacán e de seu jeitão meio provinciano, o visitante se sente como se estivesse em outra cidade. Essas características atraíram personagens famosos como Frida Kahlo, Diego Rivera, Octavio Paz, Leon Trotski, Dolores Del Rio e Salvador Novo, que se fixaram no bairro, que só foi incorporado à Ciudad de México em 1940.

Hoje, a região é bastante procurada por intelectuais, artistas e… turistas! As casas de Frida Khalo, de Diego Rivera e de Trotski foram transformadas em museus. Em Coyoacán também estão instalados os museus de Culturas Populares, das Intervenções e o Centro Cultural San Angel, entre outros. Nos fins de semana sua praça principal atrai numerosos visitantes. Nela espalham-se quiosques que vendem tradicionais sorvetes de fruta e saborosos elotes (espigas de milho inteiras) e esquites (milho servido em um potinho, com bastante limão, pimenta em pó e queijo ralado). Formam-se filas até para tomar um simples cafezinho nas cafeterias locais. Pequenas tiendas de artesanato vendem bonecas de trapo feitas na hora pelas índias.

Informações práticas

Como ir

Há voos diretos do Brasil para o México e também via Panamá ou Colômbia.

Veja passagens aéreas e pacotes

Onde se hospedar no México

Onde se hospedar em Acalpulco

Onde se hospedar em Cancún

Onde se hospedar na Ciudad de Mexico

Onde se hospedar em Mérida

Onde se hospedar em Oaxaca

Onde se hospedar em Palenque

Onde se hospedar em Puebla

Onde se hospedar na Península de Yucatan

México_avião

México, transportes: como ir e circular

Transportes internos no México

Avião

O México é um país grande e algumas distâncias são longas; tomar avião pode valer a pena. A Aeromexico vende passes para vários destinos, que podem ser interessantes. A representação da companhia no Brasil tem sede em São Paulo (Tel. 11 3253 3888).

Trem

Há ligações ferroviárias entre a Cidade do México e Oaxaca, Monterrey, Veracruz, Puebla, Guadalaraja e Uruapan. Existem trens noturnos com cabines.

Existe também uma ferrovia turística no México, conhecida como El Chepe, que vai de Chihuahua (capital do estado do mesmo nome) a Topolobampo, na costa do Pacífico. O trem atravessa a Sierra Madre Ocidental, no norte do país, com espetaculares paisagens de montanha, túneis, e canyons. Essa é uma das mais belas viagens de trem que se pode fazer em todo o mundo. O trem tem bar e restaurante.

Carro

No México, há boas estradas e mesmo auto-estradas de pista dupla (quase sempre melhores que as brasileiras!). É necessário um pouco de atenção, pois os mexicanos guiam tão bem quanto nós.

Combustível-  No México, a gasolina não é cara; um automóvel pode valer a pena para visitar as cidades coloniais próximas à capital mexicana (mas é desaconselhável para circular dentro da Cidade do México, com seu trânsito louco!). Para ir até a península de Yucatán, prefira o avião. É longe demais! Chegando lá, você pode alugar um carro para visitar as ruínas.

Onibus

No México existem ônibus de primeira e de segunda classe. Os de primeira têm ar-condicionado e serviço de bordo. A diferença de preço entre eles e os de segunda classe é pequena. Todos os ônibus são rápidos e há linhas por todo o país. Da cidade do México, os ônibus saem da rodoviária central Terminal Central de Autobuses do Norte, ligada à rede de metrô. No site do terminal, você encontrará todo tipo de informação sobre as linhas.

Mapa do México

Distâncias rodoviárias a partir da Cidade do México:
Acapulco: 400 km
Guadalajara: 600 km
Guanajuato: 380 km
Mérida: 1.500 km
Oaxaca: 535 km
Poza Rica: 298 km
Puebla: 130 km
Vera Cruz: 440 km

Como ir

Há voos diretos do Brasil para o México e também via Panamá ou Colômbia.

Veja passagens aéreas e pacotes

Onde se hospedar no México

Onde se hospedar em Cancún

Onde se hospedar na Ciudad de Mexico

Onde se hospedar em Mérida

Onde se hospedar em Palenque

Onde se hospedar na Península de Yucatan

Mexicanas com roupas típicas
Oaxaca, mexicanas com roupas típicas

Sobre Oaxaca: uma das cidades mais interessantes do México

Por Tatiana Vilhena
Fotos gentilmente cedidas pelo Conselho de Promoção Turística do México (CPTM)

Localizada a 442 km da Ciudad de México, Oaxaca destaca-se pela beleza da arquitetura colonial das igrejas e edifícios de seu centro histórico. Com temperatura amena o ano todo, a cidade recebe turistas de várias partes do mundo. As atrações são próximas ao centro e o visitante pode conhecer os principais pontos de Oaxaca a pé.

Mapa de Oaxaca

Como ir

Avião

A viagem toma aproximadamente uma hora. O  o aeroporto fica situado a 12 km do centro. O tel. é 951 511 5088

Veja passagens aéreas e pacotes

Ônibus

Há diretos da Ciudad de México para Oaxaca, mas é uma viagem que pode tomar, em alguns casos, mais de 8h.

Hotéis em Oaxaca

Procure hospedar-se no centro colonial, a área mais simpática da cidade.

Escolha e reserve seu hotel em Oaxaca

Melhor época

Evite o auge do verão. O calor pode incomodar.

Vídeo sobre Oaxaca

Pontos turísticos em Oaxaca

A Praça da Constituição, ou Zócalo

Existe desde 1529 e é palco de festas e reivindicações populares. Fazem parte do conjunto de Santo Domingo de Guzmán, a igreja de mesmo nome, considerada um dos mais belos exemplos da arquitetura barroca mexicana; um Centro Cultural; o Convento de Santo Domingo; a Biblioteca Francisco de Burgoa (com um acervo de mais de 20 mil volumes do século XIV até o atual); o Museu de Cultura Oaxaqueña; e o Jardim Etnobotânico.

Artesanato local

Para adquirir produtos e objetos típicos da região, uma dica é passar pelo Mercado “Benito Juárez”, onde é possível encontrar artefatos indígenas, xales, mantas, cerâmica negra e curiosas bonecas de pano.

Produtos típicos

O Mercado “20 de Novembro” oferece o tradicional mole oaxaqueño, em sete variedades (de acordo com o tipo de pimenta utilizada no preparo dos pratos!); os típicos tamales (bolinhos de massa de milho cozidos no vapor), as tlayudas (espécie de tortillas) e sucos de horchata (água de arroz com leite e mel) e de tuna (fruto do cacto). A fabricação do mescal, a principal bebida alcóolica de Oaxaca, tornou-se uma indústria muito importante na região. Produzida por famílias locais, o aguardente é famoso em razão do “verme”, o guzano, que vem dentro da garrafa e que, segundo a lenda, deve ser comido quando você ingerir a bebida. (Arrrrrgggghhh!)

Pontos turísticos nos arredores de Oaxaca

Monte Albán

A apenas 10km da cidade de Oaxaca, Monte Albán, a antiga capital zapoteca, uma das primeiras cidades da Mesoamérica, foi fundada por volta de 500 a.C. Com uma população de 25 mil habitantes, o centro zapoteca estendeu seu poder político e econômico e sua influência cultural a outras comunidades da região. A zona arqueológica onde está situada, bem como o centro histórico de Oaxaca, foi declarada pela UNESCO “Patrimônio Cultural da Humanidade”, em 1987. Site: Monte Albán

De Monte Albán, situado a 400m sobre um vale, tem-se uma linda vista panorâmica dos arredores. Dá também para perceber que há outras ruínas cobertas pela vegetação. Apenas uns 30% foram resgatados em razão da falta de recursos, principal entrave para a exploração desse sítio arqueológico que, isolado numa elevação mais afastada, não foi destruído pelos espanhóis.

Mitla

Seu nome significa “lugar dos mortos” ou “inframundo” na língua zapoteca. Essa zona arqueológica tem como principal atrativo, em comparação com outras ruínas pré-hispânicas, a ornamentação de suas construções. O local servia como centro cerimonial e residência da classe sacerdotal zapoteca e era habitada desde a época clássica de Monte Albán (100 a 650 d.C.), tendo alcançado seu auge no período pós-clássico (750 a 1512 d. C.)

Dicas

Há por toda cidade de Oaxaca escritórios que agendam visitas guiadas para as zonas arqueológicas, com pacotes de preços variados. É possível, entretanto, ir por conta própria e gastar bem menos. Há ônibus a cada meia hora do Hotel Rivera del Angel para Monte Albán. Os ônibus que vão para Mitla param perto da Central de Abastecimento, na Avenida Periferico. Eles o deixarão a uns 500m das ruínas, mas a caminhada vale a pena. É também uma oportunidade para experimentar o mescal numa das diversas bodegas no caminho.

Como ir

Há voos diretos do Brasil para o México e também via Panamá ou Colômbia.

Veja passagens aéreas e pacotes

Onde se hospedar no México

Onde se hospedar em Acalpulco

Onde se hospedar em Cancún

Onde se hospedar na Ciudad de Mexico

Onde se hospedar em Mérida

Onde se hospedar em Puebla

Onde se hospedar em San José de los Cabos

Sobre o México

Apesar de pertencer geograficamente à América do Norte, o México identifica-se muito mais, histórica e culturalmente, com o Caribe. O país consegue reunir em seu território uma gama de atrações, como belas praias, deslumbrantes paisagens de montanhas, cidades coloniais e grande quantidade de ruínas arqueológicas.

A história do México é muito rica e interessante: foi lá que floresceram duas das mais importantes civilizações das Américas, a asteca (destruída pelos espanhóis) e a maia. No passado recente, o país foi cenário de revoluções e guerras; quando o país perdeu uma gigantesca área que acabou sendo anexada aos Estados Unidos.

Mapa do México

Como ir

Há voos diretos do Brasil para o México e também via Panamá ou Colômbia.

Compare preços de passagens aéreas e faça sua reserva

Onde se hospedar no México

Onde se hospedar em Acalpulco

Onde se hospedar em Cancún

Onde se hospedar na Ciudad de Mexico

Onde se hospedar em Mérida

Onde se hospedar em Oaxaca

Onde se hospedar em Puebla

Onde se hospedar em San José de los Cabos

Principais pontos turísticos no México

Vídeo sobre o México

A Cidade de México (ou Ciudad de México, Distrito Federal)

É interessantíssima. Além da arquitetura barroca espanhola existem espalhado por toda a Ciudad de México inúmero ruínas pré-colombianas. É uma cidade que tem igualmente uma vida noturna animadíssima, e uma infra-estrutura tuística bem adequadas, com inúmeros restaurantes e hotéis e diversas opções de hospedagem, das mais sofisticas às mais simples.

Da Ciudad de México há vôos diretos para Cancún, uma preferência dos brasileiros. Além de belíssimas praias, Cancún tem excelentes hotéis e bons restaurantes, além de espetaculares ruínas pre-hispânicas. A hospedagem em Cancún, por ser um lugar muito turístico é um pouco mais cara do que em lugares como Puerto Escondido e outros, que estão sendo incluídos apenas recentemente nos roteiros de turismo no México.

Para outras cidades do México, como Puebla, Guanajuato e Oaxaca é fácil ir de ônibus. São cidades históricas, particularmente interessantes por sua arquitetura colonial. Em todas essas cidades há boas opções de hospedagem, pensões e hotéis de todos os tipos. (Os custos de hospedagem no México regulam com os do Brasil, talvez um pouco mais caros.)
Saiba mais sobre a Ciudad de México.

Puerto Escondido

Perto de Oaxaca, no litoral do Pacífico, fica um lugarzinho delicioso, menos conhecido que Cancun: Puerto Escondido, com belas praias e água tépidas. Perfeito para quem quer descansar depois de passar dias subindo morros e escadarias de pirâmides.

Yucatán

Na península de Yucatán, além de cidades coloniais muito bonitas, como Mérida, concentram-se os sítios arqueológicos maias mais importantes do país: Palenque, uma cidade bem preservada; Uxmal, onde há um santuário dedicado a Chac, deus da chuva; Chichén Itzá, com monumentos como a pirâmide de Kukulcan, construção do período maia-tolteca; Dzibilchaltun, pertinho de Mérida, que data aproximadamente do ano 500 a.C.; e Tulum, a única cidadela maia construída à beira-mar, junto de lindas praias. A civilização maia ainda guarda muitos mistérios: pouco se conhece desse povo pois, diferentemente do que ocorreu com o império asteca, que estava no apogeu quando da chegada dos espanhóis, as cidades maias tinham sido abandonadas muito antes de Colombo desembarcar no Novo Mundo.

Cancún

Na mesma península fica Cancún que, descoberta pela indústria do turismo e adorada pelos brasileiros, dentre outros, tornou-se um lugar conhecido. É ótimo para não se fazer nada… apenas comer, beber, ir à praia e curtir a noite. Por isso é o destino favorito de casais em lua-de-mel e daqueles que desejam descansar e se curtir. Ao lado de Cancún fica a ilha de Cozumel, lugar perfeito para mergulhos.

Costa do Pacífico

Na costa do Pacífico, à beira de um mar de tons incríveis, fica Acapulco, tradicional destino dos turistas americanos, uma cidade grande que teve seus momentos glória nos anos 1970, quando nomes famosos de Hollywood desfilavam por sua avenida litorânea. Perto dali está Puerto Vallarta, mais moderna e na moda. A Baixa Califórnia, ao norte, uma longa faixa desértica e cheia de cactos, está se tornando uma região de balneários sofisticados e um dos importantes destinos turísticos do país. É lá que fica a badalada cidadezinha de San José de los Cabos

A melhor época para ir ao México

CIDADE DO MÉXICO – temperaturas médias
Primavera (abril): mínima 11ºC / máxima 25ºC
Verão (julho): mínima 12ºC / máxima 23ºC
Outono (outubro): mínima 10 ºC / máxima 21ºC
Inverno (janeiro): mínima 6ºC / máxima 19ºC

ACAPULCO – temperaturas médias
Primavera (outubro): mínima 24ºC / máxima 32ºC
Verão (julho): mínima 25ºC / máxima 32ºC
Outono (abril): mínima 23 ºC / máxima 32ºC
Inverno (janeiro): mínima 22ºC / máxima 31ºC

Algumas regiões do México, inclusive sua capital, Ciudad de México, não tem um clima fácil. Faça o possível para viajar na melhor época.

Dicas de viagem sobre o México

– Cuidado com a comida, que é bem apimentada e condimentada. Leve medicamentos para o aparelho digestivo.
– Se for às compras, não hesite em barganhar. É o costume!
– A rede de metrô da Ciudad de México funciona muito bem e é bastante prática. Fique atento porém com sua carteira: nesse ponto é como se você estivesse no metrô de São Paulo ou do Rio.
– Clicando em LINKS, você terá acesso a sites selecionados, que contêm grande quantidade e variedade de informações importantes para o planejamento de sua viagem