Arredores de Évora, Alentejo
Arraiolos - Foto Nelson Alexandre Rocha CCBY
Arraiolos – Foto Nelson Alexandre Rocha CCBY

 

Arredores de Évora

Mapa de Évora e arredores

Arraiolos

A 23 km de Évora pela N 370. 3.500 hab. A graciosa cidadezinha é conhecida por seus tapetes cuja técnica de tecelagem passa de pais para filhos há muitas gerações. Você os verá na ornamentação dos mais elegantes palácios e hotéis em Portugal. A cidade é também conhecida por seu castelo, no alto de uma colina, com uma vista privilegiada da região. Visite a pousada que funciona no antigo convento de Nossa Senhora da Assunção: sua igreja revestida de azulejos é espetacular.

Montemor-o-Novo

A 30 km de Évora pela N 114, direção Montemor-o-Novo, até a aldeia de Gadelupes. 10.000 hab. É uma cidadezinha típica alentejana, simpática, mas sem nada de especial, exceto as ruínas de seu castelo do século XII no topo de uma colina. Vale a pena dar uma olhada se for seu caminho.

Um vídeo curioso e interessante sobre o Alentejo

Cromeleque dos Almendres

A 13 km de Évora pela N 114, direção Montemor-o-Novo, até a aldeia de Gadelupes. Este impressionante conjunto de dezenas de monolitos pré-históricos, provavelmente de 4.000 a.C. ou até antes, é o “Stonehenge” português. Os grandes menires estão em pé, formando um desenho de forma oval. Em cada um deles você verá inscrições rupestres cujo significado ainda não é conhecido. Peça um mapinha no escritório de turismo e solicite explicação de como chegar, já que o sítio arqueológico fica em plena zona rural, em uma fazenda. O passeio em si é agradável e uma oportunidade de conhecer os campos alentejanos.

Anta do Zambujeiro

A 500 m do povoado de Valverde. Além do nome engraçado, a Anta do Zambujeiro tem em comum com o Cromeleque dos Alendres o fato de ser um importantíssimo vestígio da Pré-história. Durante cerca de 3.000 anos, esse dólmen ou anta (monumento fúnebre coletivo, feito em pedra) passou despercebido, encoberto por terra. Trazido à luz no século XX, revelou ser uma preciosa fonte de peças arqueológicas e informações sobre os primeiros habitantes da região. Apesar de a anta não estar tão bem cuidada como merece, visitá-la é um experiência emocionante. Construída com imensos blocos de pedra, certamente com grande dispêndio de tempo e esforço físico por parte de muitos, ela revela o respeito do homem pelos mortos e a força do culto aos antepassados desde os mais primitivos tempos.

Redondo

A 37 km de Évora, em direção a Vila Viçosa. A aldeia possui um velho castelo em ruínas, uma igreja barroca decorada com azulejos e um pequeno museu do vinho. Vale dar uma paradinha somente en passant, se você estiver indo para Elvas.

Monsaraz

A 55 km a leste de Évora, em direção à fronteira espanhola. Monsaraz é quase um museu vivo. A cidade-fortaleza reconquistada aos mouros em 1167 parece esquecida no tempo. Conserva uma homogeneidade arquitetônica ímpar, com casas imaculadamente brancas. Situada em uma colina junto ao rio Guadiana, teve importância estratégica. Hoje seu castelo no pico da colina parece vigiar a fronteira espanhola, como se algo mais preocupante pudesse vir da outra margem do rio além de ônibus lotados de turistas espanhóis. O acesso à cidade se dá pela Porta da Vila. Ao entrar você irá se deparar com duas vias paralelas que cortam o burgo: a rua de Santiago e a rua Direita. Esta, ladeada por belas mansões dos séculos XVI e XVII, conduzem ao castelo do século XIII cuja construção foi iniciada por Dom Afonso III. Do alto das muralhas a vista do vale abaixo é sensacional. A cidade abriga ainda um pequeno museu de arte sacra e uma igreja gótica do século XIV. Reserve pelo menos uma tarde inteira para visitá-la ou mesmo um dia inteiro.

Mourão

Aproveite sua visita a Monsaraz para dar uma paradinha em Mourão, 9 km ao sul. A cidade, caracterizada por pequenas casinhas brancas, com enormes e curiosas chaminés, possui um castelo do século XIV. A caminho você atravessará o maior lago artificial europeu, a barragem de Alqueva. Fora dos muros na ida ou na volta para Évora dê uma paradinha para conhecer o Menir do Outeiro, a 10 km da cidade e o sítio megalítico de Xarez de Baixo (4 km, em direção a Reguengos) erguido provavelmente em 4.000. a.C.