Tunísia
Teatro de Dougga, Tunísia - Foto Bernard Gagnon CCBY SA
Teatro de Dougga, Tunísia – Foto Bernard Gagnon CCBY SA

   Sobre a Tunísia

A Tunísia tem sítios arqueológicos importantes, lindas praias de mar verde-safira e um povo acolhedor: o estrangeiro não sofre o intenso assédio que ocorre no Marrocos. A infra-estrutura turística do país, por vezes precária, tem melhorado nos últimos anos. A Tunísia é bem servida de meios de transportes e o país pode ser percorrido facilmente de ônibus, trem ou carro, não sendo necessário pegar uma excursão.

Mapa da Tunísia

Como ir

Pode-se chegar a Tunísia por qualquer companhia que voe para a Europa, fazendo conexão em Madri, Roma ou qualquer outra capital européia. Em todo caso, pesquise antes de comprar seu bilhete e veja um mapa para comparar as distâncias. Os períodos de alta e baixa estação nos vôos para a Tunísia correspondem aos europeus. Se você estive na Itália pode atravessar de ferry da Sicília para Tunis.

Veja passagens aéreas e pacotes

Hospedagem

Procure se instalar na Ville Nouvelle, cortada por uma larga avenida, com restaurantes, cafés e lojas finas.

Escolha e reserve seu hotel em Tunis

Melhor época

Evite o auge do verão (julho e agosto). Essa época só vale a pena para quem quer mergulhar ou ir à praia e não liga para multidões e calor excessivo. Primavera e outono são as estações ideais, embora o inverno também não seja muito rigoroso. As chuvas na Tunísia não chegam a incomodar em nenhuma estação do ano; pelo contrário, o clima é seco.

TUNIS – temperaturas médias
Primavera (abril): mínima11ºC / máxima 21º
Verão (julho): mínima 20ºC / máxima 32ºC
Outono (outubro): mínima 15ºC / máxima 25ºC
Inverno (janeiro): mínima 6ºC / máxima 14ºC

Importante: Agora que você sabe o clima que o espera, veja que roupas e sapatos que deve colocar na sua bagagem

Atrações na Tunísia

Tunis  A capital da Tunísia, Tunis, construída no século XII, foi uma das cidades muçulmanas mais ricas e importantes da Idade Média. Na Ville Nouvelle (cidade nova) estão grandes bulevares com construções de estilo colonial francês, a catedral de St. Vincent de Paul, e o Museu Bardo, com coleções de peças arqueológicas de diferentes épocas, desde o apogeu de Cartago até o Período Islâmico.

As maiores atrações turísticas estão na sua medina, que abriga dezenas de monumentos, palácios, fontes, mesquitas (Zituna, uma das mais antigas, Youssef Dey, em estilo otomano, por exemplo) e o soukh El Attarine, no qual se vendem mil bugigangas, desde essências aromáticas até cerâmicas e tapeçarias.

Dougga – Há ruínas e sítios arqueológicos por todo o país: as ruínas romanas de Dougga são as mais bem preservadas da Tunísia.

El Jem – Na localidade de El Jem, fica um gigantesco e belo anfiteatro do século III, quase tão grande quanto o Coliseu de Roma. Em Cartago, fundada no século IX a.C. e destruída pelos romanos, restam vestígios desse período: um anfiteatro, os banhos de Antonino e um bairro residencial recentemente descoberto.

Monastir – Cidade histórica fundada em 796 d.C. por ordem do califa de Bagdá, é uma das mais bonitas da Tunísia, com muralhas, minaretes e antigas construções.

Kairouan -Também vale a pena conhecer Kairouan, fundada em 670 d.C., importante cidade santa do Islã. Os muçulmanos que forem a Kairouan pelo menos sete vezes ficam dispensados de visitar Meca. Muito prático para quem mora nas cidades vizinhas… Interessante pelo patrimônio arquitetônico, a cidade possui duas antigas e importantes mesquitas: a Grande Mesquita e a das Três Portas.

Hammamet – O litoral tunisiano também tem deliciosas cidades como Hammamet, com construções todas brancas, junto a um mar azulíssimo com boas surpresas, como a ilha de Djerba, no sul do país, famosa por sua sinagoga – a mais antiga do mundo, dizem – e por suas cerâmicas.

Sahara – Um dos programas que mais interessam ao turista é a visita ao deserto do Sahara, com regiões de pedras e rochedos, outras de areia, além de um verdadeiro deserto de sal que de longe parece neve ou um lago branco. Embora seja um programa cansativo, é uma boa oportunidade para se conhecer os povos do deserto, que ainda vivem em tendas. Há passeios de camelo pelo deserto, mas… é claro que são turísticos!

Matmata -A 600 metros de altitude, é uma aldeia troglodita. Seu povo, os berberes, vive em cavernas cavadas nas rochas em volta de uma pequena cratera, na qual se chega por túneis, formando um cenário de outro planeta. Algumas tomadas do filme “Guerra nas Estrelas” foram feitas nessa aldeia. Certas casas-cavernas podem ser alugadas para turistas.

Dicas de viagem pela Tunísia

A Tunísia, destino favorito de muitos europeus que viajam a turismo, tem uma rede de hotéis adequada para receber o turista – desde estabelecimentos simples, a hotéis de luxo, além de resorts espalhados ao longo de seu litoral de águas de tons verde-esmeralda e turquesa. O país tem se modernizado, a qualidade dos serviços muito melhorada, mas os preços, naturalmente subiram. Mesmo assim a Tunísia é um país onde fazer turismo não custa caro e a há boas opções de hospedagem econômica.

Como circular: transportes internos na Tunísia

Avião 

A empresa Tuninter tem vôos para os principais destinos no território tunisiano: Djerba, Sfax, Tozeur e Tabarka. As reservas podem ser feitas no Brasil por meio de seu agente de viagem.

Carro

Pode ser prático para se percorrer as cidades costeiras tunisianas. Ocorre que a maioria das estradas é razoável, mas muitos motoristas não o são. Não se aventure pelo deserto sem um guia em nenhuma hipótese.

Ônibus

Linhas de ônibus ligam as principais cidades do país. Das estações rodoviárias (“Gare des autobus”) de Tunis – Bab el Fellah ou Bab Alioua partem ônibus para o sul e da estação Bab Saadoun os que vão rumo ao norte do país.

Trem

Linhas de trem da ferroviária estatal tunisiana SNCFT cortam o país da fronteira do Marrocos até a fronteira da Argélia. A estação central de Tunis fica na praça Barcelona, de onde partem os trens para o resto do país. Existe um tipo de passe chamado de Blue Card, com validade de uma, duas ou três semanas. Ele pode ser comprados nas estações. Esse passe não garante que você consiga lugar nos trens se eles estiverem lotados. A reserva é necessária, principalmente na alta estação.

Guias de viagem: para que servem?

Guias de viagem são livros com informações específicas sobre determinado país, região ou cidade. Existem guias de diversos tipos: os que dão maior ênfase aos aspectos históricos e culturais, os que ressaltam a indicação de hotéis e restaurantes, os que privilegiam as opções econômicas (querendo ensinar você a viajar durante 15 dias com US$ 10 ou coisa parecida), os que são mais indicados para quem quer viajar de automóvel num determinado país…

Conheça os títulos

Nossos guias on-line oferecem gratuitamente o conteúdo total dos títulos impressos, vendidos durante os últimos dez anos nas melhores livrarias. Esse conteúdo é, inclusive, superior ao dos guias impressos, pois foi atualizado, enriquecido com mais informações e um grande número de imagens. Bastar acessar este site em qualquer lugar onde haja wi-fi disponível. Você pode fazer isso utilizando seu tablet, lap-top ou mesmo do celular. 

Argentina • Bahia • Chile • Itália • New York •  Nova York • PeruPortugal •    

O que falam sobre os guias de viagem GTB

Opiniões  sobre os guias da série GTB (Guia do Turista Brasileiro)

Links afins