Inglaterra

Sobre a Inglaterra

Ligadas hoje ao continente europeu por um túnel, ficam as ilhas britânicas, sede de um dos reinos mais antigos do Ocidente. Na Grã-Bretanha, a maior das ilhas, estão a Inglaterra, o País de Gales e a Escócia, todos eles ligados à coroa britânica.

País de forte personalidade, colonizado por romanos e povoado por celtas, normandos, bretões e saxões, a Inglaterra distingue-se do restante da Europa por seus costumes, tradições e peculiaridades.

Mapa da Inglaterra

Os volantes dos carros ficam à direita; a religião anglicana foi criada por seu rei, que rompeu com o Papa; o parlamentarismo, invenção deles, existe no país desde o século XIII; a Inglaterra, apesar de pertencer à Comunidade Européia, não adotou o euro; e sua diversidade cultural abrange de Shakespeare aos Rolling Stones. Coisas de inglês…

Durante séculos a Inglaterra foi o Império mais poderoso da terra. Dizia-se que no Império Britânico era tão vasto que nele o sol nunca se punha. Londres foi durante muito tempo uma espécide de capital do mundo, como é Nova York hoje. Assim, a capital britânica conservou-se como o mais importantes centro político, econômico e cultural do planeta e, nos últimos séculos, o destino de quem quer adquirir conhecimentos de primeira linha, trabalhar ou simplesmente se divertir.

Como resultado desse processo, a capital inglesa tornou-se um fértil caldeirão de culturas, abrigando pessoas de diferentes nacionalidades e com os mais variados interesses. Aí, talvez, resida o aspecto mais cativante de Londres: a sua incrível habilidade de ser uma metrópole que respeita a diversidade e as individualidades, mas, ao mesmo tempo, é capaz de conservar praticamente intactos os centenários costumes britânicos.

Londres A capital inglesa, com séculos de existência, fica às margens do Tâmisa (Thames). Apesar de ser conhecida como a cidade do fog, da chuva, dos pubs e do chá das cinco, isso não é privilégio seu; a Inglaterra inteira é assim! Boa parte dos lugares históricos de Londres está às margens do Tâmisa ou sobre ele, como é o caso da famosa Tower Bridge, um dos símbolos londrinos ao lado do Big Ben. De barco pode-se ver a catedral de St. Paul e a torre de Londres, misto de fortaleza e prisão dos “traidores da Coroa”. Outros pontos altos para quem curte história são o Parlamento, o palácio de Buckingham, residência real onde muita gente aprecia ver a cerimônia da troca da guarda, e a imponente abadia de Westminster, onde há séculos são coroados e enterrados os monarcas ingleses. Os museus londrinos são muitos, ricos e variados.

O British Museum tem peças arqueológicas e artísticas do mundo inteiro, além de uma imensa biblioteca que já foi utilizada por muita gente famosa para estudos e pesquisas. A National Gallery (:), por sua vez, possui um dos maiores acervos de arte da Europa. No famoso Museu Madame Tussaud (:), de outro gênero bem diferente, estão reproduzidos, em cera e em tamanho natural, personagens históricos, artistas e esportistas, como os Beatles, Churchill, Pelé e Ayrton Senna. Os belos parques da cidade (Regent’s, Hyde, St. James, Kensington etc.) são muito freqüentados pelos londrinos e pelos turistas, sobretudo no verão. Um dos lugares mais animados e procurados para lazer e diversão é o Covent Garden, onde ficava o antigo mercado da cidade, hoje ocupado por bares, lojas e restaurantes. Como toda metrópole que se preza, de teatros a discotecas, Londres tem riquíssima vida cultural e opções de diversão noturna para todos os gostos.
Cornualha Fora da agitação da capital o clima é outro, cheio de lendas e tradições. Uma das regiões outrora ocupadas pelos celtas, a Cornualha (:), no sudoeste do país, é o lugar que todos os que leram As Brumas de Avalon vão adorar. Seu litoral é ocupado por vilas de pescadores, cidades antiqüíssimas e campos floridos, o que lhe confere um ar bucólico e romântico. Em Tintagel há ruínas do castelo onde, supostamente, o rei Arthur viveu.

 Stratford-upon-Avon  Cidade natal de Shakespeare, uma das diversas vilas bucólicas do interior do país, cortada pelo rio Avon, atrai amantes de teatro do mundo todo. Importante mercado na Idade Média, Stratford-upon-Avon conserva construções de interesse histórico. Perto da cidade fica a casa onde viveu, quando solteira, Anne Hathaway, que mais tarde se casaria com Shakespeare.
York Um dos maiores tesouros arquitetônicos ingleses, York (:) conserva ainda seu traçado da Idade Média e parte de suas velhas muralhas. No centro histórico, reservado aos pedestres, há edifícios, casas e ruas medievais muito bem preservadas. Um dos destaques é a catedral gótica, repleta de vitrais. Há também a interessante escavação arqueológica de uma cidade viking, aberta a visitas.

Stonehenge Stonehenge, perto de Salisbury (:), que muita gente pensa ser da época dos druidas, é na verdade um sítio arqueológico pré-histórico, formado por imensas rochas de várias toneladas, alinhadas de tal forma que, nos solstícios, a luz do sol incide de modo particular sobre elas. O gigantesco conjunto, que há milênios atrai milhares de visitantes, tinha, aparentemente, finalidade religiosa.

Bath Por abrigar belos prédios dos séculos XVII e XVIII, uma antiga abadia do século XV, lindas pontes e termas construídas pelos romanos, que deram origem ao nome da cidade, Bath (:) é considerada Patrimônio da Humanidade.

País de Gales e Escócia O País de Gales e a Escócia (:), cada qual com seus encantos, também compõem a Grã-Bretanha. Os galeses, descendentes dos celtas, são conhecidos como um povo alegre, amante da música, e os escoceses, como os inventores da gaita de foles, das saias kilt e do whisky. Clichês à parte, sua história rica e muito antiga deixou belezas arquitetônicas e uma incrível quantidade de castelos. A região é privilegiada em paisagens, seja nas falésias que entrecortam o litoral, nas montanhas ou nos lagos, como o famoso Ness (onde, segundo dizem, vive o tal monstro…). Belos lugares históricos a serem visitados nesses países são as próprias capitais: Cardiff, no País de Gales, e Edimburgo, na Escócia, ambas com a parte antiga muito bem preservada e interessantes castelos.

Outros localidades de interesse turístico
Studley Royal Park e ruínas da abadia de Fountains; Stonehenge, Avebury e sítios associados; castelos e muralhas do rei Eduardo em Gwynedd; ilha de Santa Kilda; garganta de Ironbridge; Calçada dos Gigantes e sua costa; catedral e castelo de Durham; muro de Adriano; cidade de Bath; palácio de Blenheim; palácio e abadia de Westminster e igreja de Santa Margarida; ilha de Henderson; catedral e abadia de San Agostinho e igreja de São Martinho de Canterbury; torre de Londres; reserva de fauna selvagem da ilha de Gough; Cidade Velha e Cidade Nova de Edimburgo; conjunto de edifícios de Greenwich; monumentos neolíticos de Orkney; paisagem industrial de Blaenavon; litoral de Dorset e do leste de Devon; zona industrial do Vale de Derwent; comunidade industrial de New Lanark, Saltaire (cidade industrial do século XIX).

Outras atrações na Grã-Bretanha

Melhor época

Evite o inverno, faz frio em toda a Inglaterra. A melhor época é de maio a outubro (se você tiver sorte…)

Transportes

Como ir

Há voos diretos de São Paulo TAM e pela Bristish Airways.

Como circular: transportes internos

Avião A inglaterra tem voos iternos, mas nem todos são úteis porque o país não tem grande extensão territorial.

Carro As estradas inglesess são boas e seguras.O problema é que guia-se à inglesa e o volante do carro fica do lado direito.

Trem O meio de transporte perfeito para se percorrer a Inglaterra. Há trens diretos entre as principais cidades do país (afinal foram eles quem inventaram o trem!). Nem todos os trens, porém, são de alta velocidade. Nesse ponto os franceses e japoneses estão bem mais adiantados.

Dicas

Documentação: Passaporte válido por seis meses. Não é necessário visto para turistas brasileiros para permanência total de até 3 meses em países da Comunidade Européia. Apesar de não exigir visto, o serviço de imigração britânico é muito rigoroso: nossos turistas, principalmente os jovens, podem ser submetidos a um cansativo interrogatório. Nesse caso, as respostas às perguntas têm que ser muito coerentes. Também não é encarado com simpatia quem pretende ficar na casa de um amigo, pois isso já desperta suspeita de imigração clandestina. Quem tem meios de comprovar renda e fortes ligações com o Brasil tem menos possibilidades de ter problemas.

Uma opção econômica pra a moçada é participar de um curso ou intercâmbio na Inglaterra.

Site oficial de turismo da Grã-Bretanha

Links afins