Hungria
Budapeste, Hungria, Parlamento
Hungria. Parlamento húngaro em Budapeste

 Sobre a Hungria, um dos mais antigos países europeus

A Hungria (em húngaro, Magyarország), um das mais antigos países europeus, existe como nação desde o ano 1.000 da Era Cristã. Durante sua longa história muitos povos ocuparam o território onde fica a Hungria atual. Os romanos estabeleceram o Danúbio como fronteira oriental de seu império. Ruínas desse período existem em alguns sítios da Hungria, como o anfiteatro e banhos de Aquincum.

Como ir

Escolha e reserve seu pacote ou passagem aérea para a Hungria

Mapa da Hungria

A invasão dos magiares

O grande acontecimento que marcou a identidade húngara foi a invasão dos magiares, povo bárbaro que dominou a população eslava que habitava a região. Cristianizada por volta do ano mil, a Hungria foi invadida pelos mongóis em 1241, que devastaram e saquearam o país, que tem hoje poucas construções medievais que sobreviveram à devastação. Após um período de apogeu, no século XV, a Hungria caiu sob domínio turco. Com a expulsão dos turcos pelos Habsburgos, a casa real da Áustria, a Hungria passou a integrar o Império Austro-Húngaro.

A Hungria passou novamente por um período de grande prosperidade na segunda metade do século XIX e, até a Primeira Guerra foi uma das grandes nações europeias. Sua língua, o húngaro (a língua dos magiares), tem mais afinidades com finlandês do que com as demais idiomas eslavos.

Vídeo de turismo sobre a Hungria

Situada em plena Europa Central, a Hungria não tem acesso ao mar. Budapeste, a capital, é também a maior cidade do país. Após o fim da Primeira Guerra a Hungria, que apoiara a Alemanha, estava entre os vencidos. O país, que se estendia dos Cárpatos ao Mar Adriatico, perdeu em consequência do Tratado de Trianon, dois terços de seu território e aproximadamente um terço de sua população. Depois, em 1947, com um governo comunista tendo tomado o poder, a Hungria caiu sobre influência soviética. Dos países aliados da ex-União Soviética, os húngaros foram sempre os mais rebeldes, tendo se levantado contra os russos em 1956, revolta esmagada pelos tanques do Pacto de Varsóvia.

O mais ocidentalizado dos países da Europa Oriental

A Hungria é hoje o mais ocidentalizado dos antigos países da Cortina de Ferro e um destino turístico em ascensão. Sua capital, Budapeste, é uma belíssima cidade que, com a abertura após o final do comunismo, parece estar entrando com toda força no mundo capitalista: as multinacionais estão em toda parte e certos húngaros parecem mais americanizados do que os próprios norte-americanos… A infra-estrutura turística do país é muito melhor do que a de outras ex-repúblicas comunistas e é mais fácil encontrar por lá pessoas que falem inglês.

Como ir

Não há voos diretos do Brasil. Você será obrigado a pegar uma conexão em outro capital europeia.

Veja passagens aéreas e pacotes

Transportes internos, como circular pela Hungria

Avião

Esqueça esse meio de transporte. A Hungria é um país pequeno.

Trem

É o meio mais prático e barato de se viajar por lá. Os trens são lentos para os padrões europeus, mas funcionam e chegam aos principais lugares turísticos. Há passes regionais da Eurail que podem ser utilizados na Hungria. Podem ser usados de 5 a 10 dias, num período de um mês. Eles devem ser adquiridos no Brasil, o que pode ser feito em qualquer boa agência de viagens. Para informar-se sobre os diferentes tipos de passes, períodos de validade e preços, consulte o site da CIT Brasil, representante da Eurail no Brasil.

Ônibus

A linhas de ônibus para todos os cantos da Hungria e são úteis principalmente para se chegar às localidades não servidas pela ferrovia.

Carro

Alugar um carro pode ser uma ótima ideia para se percorrer o interior da Hungria. Porém, evite utilizar automóvel nas cidades maiores, como Budapeste. Na capital húngara o metrô funciona muito bem e quebra um grande galho.

Hotéis na Hungria

O Booking.com é um meio fácil e seguro de reservar seu hotel ou apartamento em cidades no mundo todo. Você não paga nada a mais por isso. Você pode pesquisar ofertas entre uma enorme variedade de estabelecimentos. Frequentemente paga menos do que tratando diretamente com o hotel.

Escolha e reserva seu hotel em Budapeste

A melhor época

A época ideal é do começo de maio até o final de setembro. Evite o inverno.

BUDAPESTE – temperaturas médias
Primavera (abril): mínima 4ºC / máxima 17º
Verão (julho): mínima 16ºC / máxima 28ºC
Outono (outubro): mínima 7ºC / máxima 16ºC
Inverno (janeiro): mínima – 4ºC / máxima 1ºC

O período de prosperidade no século XIX

As principais atrações

A Hungria, tem três importantes atrações turísticas. Em primeiro lugar, Budapeste, a capital do país, situada na Curva do Danúbio, uma das mais belas capitais do Leste Europeu, uma cidade onde há muito a se ver ou fazer, animada e com lindos parques.

Outra atração turística é o lago Ballaton, o maior da Europa Central, com líndas paisagens. Finalmente, o interior da Hungria é repleta de pequenas cidades que conservam sua antiga arquietura e muitos dos costumes tradicionais magiares. É o caso de Gyor com seu centro barroco, de Fertod, que abriga um palácio também barroco, da segunda metade do século XVIII, de Koszeg, perto da fronteira austríaca, Sopron e sua Cidade Antiga, de Siklos, onde existe um castelo medieval do século XIII, Eger, de Hollóko, incluída no Patrimônio da Humanidade da Unesco, e outros lugares.

Alugar um carro e viajar pelo país é uma ótima experiência. Isso, sem falar da culinária húngara, que é bem especial e de seus vinhos e cervejas, muito bons.

O Lago Ballaton, com suas praias, o mar dos húngaros, é um lago raso com uma profundidade média de 3m e, por isso mesmo tem águas relativamente quentes. Ao mesmo tempo, no inverno, em razão de sua profundida congela-se rapidamente. O Lago Ballaton, que tem 77km de comprimento, é cortado por ferries, uma viagem com direito a vistas privilegiadas das margens.

O turismo expandiu-se muito depois que a Hungria ingressou na União Européia. A infra-estrutura turística húngara é muito melhor do que a de outras ex-repúblicas comunistas e é mais fácil encontrar por lá pessoas que falem inglês.