Arquivo da tag: dicas

Bagagem de compartimento: a sua mala

O que levar na mala

Na bagagem de compartimento, também chamada de bagagem de porão, você vai levar tudo que não pode levar na bagagem de mão, seja porque não cabe, seja porque é proibido levar com você dentro do avião.

Seja razoável. Mala grande ou pesada demais é um transtorno. Na mala que será sua bagagem de compartimento, leve só o que for usar durante a viagem. Para as mulheres, por vários motivos, isso costuma ser mais difícil do que para os homens. Como eu, mulher, faço: separo tudo o que acho que preciso. No dia seguinte, tiro a metade e, na véspera do embarque, tiro mais algumas coisas.

Roupas e calçados

Mesmo que vá passar um mês viajando, leve apenas roupas suficientes para 1 semana ou, no máximo, 10 dias. É para isso que servem as lavanderias! Peças íntimas e até uma ou outra camiseta você pode lavar no banheiro do hotel mesmo, sem constrangimento.

Para climas temperados; nem calor nem frio

  • 6 “partes de cima” informais de usar por baixo de outras (camisetas, camisas, o que for mais apropriado de acordo com o grau de “chiqueza” da sua viagem)
  • 2 ou 3 “partes de cima” menos informais
  • 2 “partes de cima” mais quentinhas para usar por cima (pulôveres, moletons, malhas, o que for mais apropriado)
  • 3 calças – ou 2 calças e 1 saia – ou 1 calça e 2 saias (sendo que um desses itens, de preferência uma calça, será a que você usará no avião)
  • 5 peças íntimas (calcinhas ou cuecas)
  • Se for o caso, 3 sutiãs (sendo um o que você usará no avião)
  • 5 pares de meias
  • 2 camisetões que possam ser usados tanto para dormir como para improvisar uma saída de praia/piscina
  • 1 casaco resistente, não muito pesado nem justo; de couro é o ideal; a ser levado com você dentro do avião
  • 1 calçado fechado informal resistente, de sola não-derrapante e extremamente confortável; pode ser um tênis (você viajará usando ele)
  • 1 calçado fechado menos informal com as outras características daquele acima (mas não um tênis!)
  • 1 par de havaianas
  • 1 maiô ou calção de banho (porque você nunca sabe o que pode acontecer; vai que dá vontade de fazer uma sauna ou tomar sol?)

Para climas quentes

  • 6 “partes de cima” leves e informais de usar por baixo de outras (camisetas)
  • 2 ou 3 “partes de cima” leves menos informais
  • 1 “parte de cima” de manga comprida mas não muito quente para usar por cima (a ser levado com você dentro do avião)
  • 1 calças e 2 bermudas – ou 1 calça, 1 saia e 1 bermuda (sendo que um desses itens, de preferência uma calça, será a que você usará no avião)
  • Mulheres podem trocar a saia por 2 vestidos
  • 5 peças íntimas (calcinhas ou cuecas)
  • Se for o caso, 3 sutiãs (sendo um o que você usará no avião)
  • 2 pares de meias
  • 2 camisetões (ou camisolas, para mulheres) para dormir
  • 1 saída de praia (para mulheres)
  • 1 calçado fechado informal resistente, de sola não-derrapante e extremamente confortável; pode ser um tênis (você viajará usando ele)
  • 1 calçado menos informal com as outras características daquele acima (mas não um tênis)
  • 1 par de havaianas
  • 2 maiôs ou calções de banho
  • 1 chapéu ou boné que proteja o rosto do sol

Para climas frios, mas não gelados

  • 6 “partes de cima” que sirvam como “primeira pele”,  justas e confortáveis, tais como camisetas de algodão de mangas compridas ou aquelas vendidas como first layers em lojas especializadas em roupas esportivas
  • 2 “partes de cima” que sirvam como “segunda pele” tais como pulôveres, moletons ou malhas leves ou aquelas vendidas como second layers em lojas especializadas em roupas esportivas
  • 2 “partes de cima” quentes que possam ser usadas por cima da “segunda pele” (pulôveres, moletons, malhas, o que for mais apropriado)
  • 3 calças, de preferência de tecido quente (uma delas será a que você usará no avião)
  • 5 peças íntimas (calcinhas ou cuecas)
  • Se for o caso, 3 sutiãs (sendo um o que você usará no avião)
  • 5 pares de meias de lã
  • Caso não tenha calças de tecido quente, meia-calça de lã (mulheres) ou calça térmica de usar por baixo, encontrada em lojas esportivas (homens/mulheres)
  • 2 camisetões que possam ser usados tanto para dormir como para improvisar uma saída de praia/piscina
  • 1 casaco resistente, quente, leve e largo o suficiente para caber tudo o que você irá usar por baixo dele
  • 1 calçado fechado informal resistente, de sola não-derrapante e extremamente confortável; pode ser um tênis (você viajará usando ele)
  • 1 calçado fechado menos informal com as outras características daquele acima (mas não um tênis)
  • 1 par de havaianas
  • 1 maiô ou calção de banho (porque você nunca sabe o que pode acontecer; vai que dá vontade de fazer uma sauna ou tomar sol?)
  • 1 gorro
  • 1 par de luvas
  • 1 cachecol

Para climas gelados e esportes de inverno

Tudo o que recomendamos para os climas frios, mais os itens específicos adequados ao esporte que você praticará e aqueles que lhe serão recomendados em lojas de artigos esportivos.

Produtos de higiene e outros itens para todas as viagens

  • 1 necéssaire com 1 tesourinha; agulha e linhas de cores básicas; 1 rolo pequeno de durex; 1 caneta baratinha, tipo Bic; 1 bloquinho de papel; 1 rolo pequeno de barbante; 1 pinça.
  • 1 nécessaire com 1 escova de dentes; 1 tubo de pasta de dentes; 1 fio dental; 1 desodorante; 1 sabonete; 1 pente ou escova de cabelos.
  • 1 protetor solar.
  • 1 extensão de fio elétrico (Pode parecer estranho agora, mas você compreenderá quando quiser ver mensagens à noite no seu smartphone na cama do hotel enquanto recarrega a bateria naquela tomada distante)
  • 1 guarda-chuva muito leve (exceto se você for para um deserto!)
  • 2 cabides, para secar roupas em hoteis que não tenham cabides com gancho.
  • OPCIONAIS: gilete; lixa de unhas; hidratante; loção para limpar o rosto; algodão; creme para o rosto; xampu; condicionador; batom; pó, base, BB Cream ou similar; rímel; absorventes; preservativos; removedor de esmaltes.

Que tipo de mala é melhor?

Malas com 4 rodinhas são, sem dúvida, as melhores opções disponíveis com facilidade por enquanto. Nem pense duas vezes.

A mala também deve ser leve e resistente.

Às vezes alguém pergunta: “– Mas e as mochilas?” Bem, mochilas são adequadas para quem vai fazer um esquema realmente “mochileiro”, carregando “a casa” nas costas por diversos lugares; para quem vai fazer um passeio que exige mochila, como a Trilha Inca; ou para masoquistas que, apesar de não se enquadrarem em nenhuma das opções anteriores, gostam de levar peso nas costas.

Pont des Arts, Paris
Pont des Arts, Paris

Como pesquisar sobre turismo na internet?

A internet está se tornando cada vez mais uma aliada de turistas e viajantes. Sabendo pesquisar, você encontra o que quiser, compara preços, reserva hotel ou pousada, compra passagens, descobre descontos e promoções.

Afine sua pesquisa

Quando for pesquisar sobre um lugar, país ou cidade que pretende visitar, deixe claro para o mecanismo de busca que você quer informações sobre turismo. Não adiante escrever, por exemplo “Buenos Aires” apenas. Se o fizer cairá em postagens de sites de todos os tipos, na página da prefeitura da capital argentina, no post de uma oficina mecânica, da Pizzaria Buenos Aires etc. Procure, portanto, sempre utilizar as palavras chaves mais utilizadas pelos profissionais do turismo.

Utilize as palavras-chave adequadas à pesquisa pela inernet

A primeira, além do destino (Itália, Paris, Buenos Aires etc) é a mais óbvia: “Turismo“. Outras palavras também são importantes para quem está pesquisando sobre turismo. Anote: “dicas“,  “dicas de viagem“, “viagem” “viagens“, “dica” “dicas“. Ela podem também podem ser utilizadas conjugadas com “turismo“.  Se procura por dicas, escreva “Buenos Aires + turismo + dicas de viagem“.

Se quiser saber sobre transportes em Buenos Aires, escreva “Buenos Aires + turismo + transportes urbanos“. Explica-se. Quanto mais você direcionar sua pesquisa, mas fácil será achar o que deseja. Por exemplo, a palavra “turismo + transportes” o levará a passes de metrô e ônibus direcionados aos turistas. Ou mesmo a dicas específicas para turistas, cuja realidade é diferente da vivenciada pelo parisiense que toma o metrô todo dia e faz sempre o mesmo trajeto para ir trabalhar e voltar para casa. Agindo assim, você foca sua busca no que que realmente lhe interessa.

Quem procura por hotel pode escrever “Buenos Aires + turismo + hotel“. Ou se procura por dicas sobre hotéis, escreva “Buenos Aires + hotel + dicas”.

O mesmo vale para sua pesquisa sobre a melhor época para se visitar uma cidade ou país. Digite no Google: “Melhor época + turismo + Argentina“, por exemplo, ou então “Melhor época + viagem + Argentina“.  A palavra “turismo” associada ao nome da cidade o levará normalmente à informação.

É claro que, aqueles escolados em pesquisar sobre turismo pela internet já conhecem esses macetes que mencionamos. Essas dicas de pesquisa são destinadas principalmente, aqueles que não têm muita experiência em pesquisa turística.

O que pesquisar quando vai fazer uma viagem de turismo

Dicas importantes na compra da passagem aérea

Se pretende comprar passagem aérea, pesquise de preferência na madrugada de sexta-feira para sábado, onde você encontra promoções inacreditáveis. As passagens para voos matinais e, à tarde, até às 16h são geralmente mais baratas.

Saiba que o preço das passagens também varia segundo o dia que você vai embarcar. Terças, quartas e sábados são dias com boas promoções.  Vôos com conexões ou que partem naqueles horários “impossíveis”, também são mais baratos. Alguns são bem incômodos. Veja se a diferença de preço compensa o sacrifício.

Pesquise com o máximo de antecedência tanto os voos como reservas de hotéis. Passagens compradas em cima da hora são sempre mais caras..

Hotel

Vale a pena reservar hotel, nem que seja para a primeira noite apenas. Depois, no dia seguinte, se não gostar você procura outro. Mas desembarcar numa cidade sem saber onde vai dormir não é uma boa. Temos no site Manual do Turista sistema de reserva online de hotel pelo Booking.com, com opções de hospedagem em cada destino. Você não paga nada a mais por isso. Pelo contrário, essa reserva pela internet têm frequentemente preços mais em conta do que as tarifas de balcão. A reserva de automóvel e outros serviços igualmente.

Atrações

No sites oficiais de turismo e em grandes sites como o Manual do Turista, você encontra informações,  fotos e dicas sobre os lugares mais interessantes, museus, passeios e lugares de interesse turístico.

Fotos

Imagens são importantes: você olha algumas fotos e já sabe se vale conhecer o lugar. No site do Manual do Turista e outros, há imagens ou slide-shows de centenas de destinos no mundo. Quer fazer uma experiência? Então, comece sua viagem! É o mundo em imagens:

Américas
Argentina – ChilePeru –  Patagônia

Europa
Sul da ItáliaNorte da ItáliaCentro da Itália – Alberobello

Portugal – França – Paris – CórsegaPaises Bálticos – Países Nórdicos

Ásia
Índia Tailândia

É mais caro viajar no Brasil ou no exterior?

por Lúcio Martins Rodrigues

Compare custos

Muita gente, com a crise econômica e o dólar e euro relativamente altos, têm optado em viajar pelo Brasil. Houve, portanto, um aumento da demanda interna sem um correspondente investimento na área hoteleira e os preços subiram. O fato é que o Brasil está mais caro também em dólar, o nordeste, sobretudo. Lugares como Canoa Quebrada, Jericoacora, Trancoso e outras praias atraem muitos turistas estrangeiros, preocupados com a insegurança no Rio e outras grandes cidades brasileiras. Como chegam com a carteira recheada de moeda forte, para eles tudo é festa. Não é o caso de brasileiros, com seus reais, corroídos pela inflação. Portanto, dependendo do destino no Brasil, viajar para fora acaba saindo mais barato. Aliás, no Brasil, no Réveillon, Carnaval e feriados prolongados, pousadas e hotéis têm o costume de só aceitar pacotes de vários dias, por preços absurdos, bem superiores a estabelecimentos da mesma categoria na Europa. Notem, as passagens para o nordeste e mesmo para ouros destinos no Brasil também estão bem caras, sobretudo se você não comprar seu bilhete com muita antecedência ou não acompanhar as promoções. Por outro lado, hoje em dia, pesquisando bem, você encontra passagem para a Europa pagando 550 ou 600 dólares por um passagem ida e volta, com parcelamento em reais em dez vezes.

Quais destinos no exterior são interessantes e baratos?

América do Sul

Poderíamos começar pelo Peru e a Argentina, Chile, na América do Sul. Inclusive a Bolívia, que não desperta tanto interesse nos brasileiros, mas tem lugares super interessantes, como as paisagens extra-terrestres do Salar de Uyuni, e cidade coloniais bem bonitinhas, como Potosi, ou ainda sítios arqueológicos como Tiwanaku. Os preços são bem melhores do que no Brasil. O Chile é um pouco mais caro apenas, mas nada de arrepiar.

Europa

Mesmo na Europa, Portugal, Espanha, o sul da França e sul da Itália são destinos interessantíssimos e, principalmente fora de estação, surpreendentemente baratos. Outra opção é a Grécia. Infelizmente, as ilhas gregas no inverno não têm graça. Uma solução é pegar o começo ou o final da estação, quando os preços são interessantes, e as temperaturas ainda bem agradáveis  – final de maio e começo de junho, final de setembro e começo de outubro. São destinos relativamente baratos, talvez mais em conta do que alguns lugares no Brasil. E você está numa ilha grega!

Outros destinos

Temos ainda, destinos como África do Sul, onde os preços podem ser mais baratos do que no Brasil. Existem igualmente, outros países onde a vida é barata, mas a passagem pode ser mais cara. Vale muito a pena, se você pegar uma promoção. Refiro-me à Índia, Nepal, Tailândia, ou para quem prefere destinos menos exóticos, a Nova Zelândia. Mesmo que a passagem seja um mais cara, ela geralmente pode ser paga em parcelas sem juros, em reais. Claro, são lugares distantes. Sai proporcionalmente mais barato para quem vai ficar pelo menos três semanas ou um mês, para compensar o preço da passagem aérea.

Quais destinos são caros ?

Há países realmente caros. Ou mais exatamente, cidades caras, como Londres, Tóquio, Amsterdã, Berlim, Milão e as capitais nórdicas. Ou ainda paraísos como Bora-Bora, caríssimos. Paris, surpreendentemente, não é tão cara. Uma viagem a Paris sai cara apenas se você comer em restaurantes todos os dias, acompanhar o menu com bons vinhos etc.

Dicas para gastar menos numa viagem internacional

Passagem aérea

Pesquise (dois, ou três meses ante da data que pretende embarcar), e fique de olho nas promoções. No site  Manual do Turista há sempre várias ofertas tentadoras.

Alimentação

Se o seu orçamento de viagem for limitado, evite comer todos os dias em restaurantes. Faça como os franceses, e, sem frescura, compre um faláfel, um croque monsieur, ou uma crepe e coma numa pracinha qualquer ou na beira do Sena. Você verá muitos parisienses engravatados e senhoras bem vestidas fazendo seus lanches nessas pracinhas ou junto do Sena, sem o menor constrangimento.

Hospedagem

Pelo site do Manual do Turista você pode também achar ótimas ofertas de hotel por meio do Booking.com. Frequentemente essas promoções você só encontra na Internet.

Transportes

Reservar automóvel pela internet geralmente sai mais em conta. Veja as promoções de locação no site do Manual do Turista, acima linkado. Passagens de trem igualmente, se compradas com antecedência pelo site oficial das ferrovias, têm descontos.

Viajar na baixa estação

Se você puder viajar na baixa estação pode gastar muito menos do que imagina. Saiba mais sobre viajar na baixa estação.

Central Park, New York, inverno
Central Park, New York, inverno 

Sua primeira viagem ao exterior

Mesmo que você já conheça relativamente bem o Brasil, a primeira viagem para o exterior é uma experiência única e inesquecível. Até quem já visitou dezenas de países lembra-se da primeira vez em que pisou solo estrangeiro, mesmo que tenha sido em países vizinhos e culturalmente próximos do nosso, como o Uruguai ou a Argentina. Na verdade, o simples fato de estar em um país onde se fala outra língua já é algo novo. Você sabe que se quiser parar para um lanche não poderá simplesmente entrar em uma lanchonete e dizer: “Por favor, uma empadinha e um guaraná”. De alguma forma você conhecerá outro povo. E, naturalmente, quanto mais esse povo for diferente de nós, mais você se sentirá, pela primeira vez na sua vida, um “estrangeiro”. Dá um friozinho na barriga, misturado com toda uma gama de sentimentos. Quando voltar, terá muita coisa para contar aos amigos e começará a se tornar alguém “viajado”… Nunca mais terá que escutar, numa festa, um metido lhe perguntar: “Você nunca saiu do Brasil?”.

Conviver com outros povos, conhecer lugares completamente diferentes de tudo o que já viu, estar em meio a novas paisagens – e até mesmo experimentar a culinária de outros países – tudo isso, além de nos enriquecer culturalmente, é muito divertido. Não é por outra razão que quase todo mundo quer aproveitar as férias viajando, e não assistindo TV no sofá da sala.

A realidade é que, com raríssimas exceções, temos apenas um mês de férias por ano, e uma viagem ao exterior custa dinheiro. Já que você estará fazendo um investimento importante em si mesmo, é melhor fazer as coisas direito, sem desperdiçar seu tempo nem seu dinheiro. Você não sabe nem por onde começar? Não faz mal; como tudo na vida, viajar é algo que se aprende. Vamos, então, organizar a primeira grande aventura de sua vida? 

Documentação

Passaporte

Para ir à Argentina, ao Uruguai, ao Paraguai,  ao Chile,, você não precisa levar passaporte, mas apenas sua carteira de identidade brasileira (RG) original (não serve xerox, nem mesmo autenticada), desde que ela esteja em bom estado e permita a sua identificação; não serve aquela que você tirou aos 15 anos de idade com cabelos pelos ombros se hoje você tem mais de 40 e está calvo… Também não é válida para sair do Brasil e entrar nesses países a carteira profissional (OAB, CRM, CREA etc.).

Para entrar em todos os demais países do mundo, você precisa ter um passaporte, que apresentará na saída e na entrada de cada país para onde for e servirá como “carteira de identidade” enquanto você estiver no exterior. O passaporte é fornecido pelo Departamento de Polícia Marítima, Aérea e de Fronteiras (DPMAF) da Polícia Federal de seu Estado. Não vale a pena contratar um despachante para cuidar de sua papelada; ele apenas preencherá um formulário, mas lhe cobrará (às vezes bem caro!) pelo serviço. Você mesmo pode cuidar de tudo e agendar sua visita pela Internet  num posto da DPMAF. Apresente-se já com todos os documentos e fotos exigidos, o formulário preenchido e a taxa paga; é muito simples. O endereço dos postos da DPMAF em todo o país e a relação da documentação necessária para obter seu passaporte está no site www.dpf.gov.br (clicar em Serviços). Se não for época de muita demanda, o passaporte pode ficar pronto em até um dia, mas não conte com a sorte; nos períodos que antecedem as férias, os pedidos de emissão de passaporte aumentam, e as filas também. Peça o seu com a maior antecedência possível, principalmente se você tiver que tirar algum visto. Quem tem bastante tempo pela frente pode usar o serviço de emissão de passaporte dos Correios, que é mais demorado; basta comprar, em qualquer de suas agências, o “kit-passaporte”. 

Vistos

Para entrar no território de determinados países e viajar por eles, você precisa ter um visto de turista. Visto é a autorização fornecida pelo consulado de determinado país permitindo-lhe ingressar no seu território e lá permanecer durante um dado período. O visto é carimbado no seu passaporte; é preciso providenciar este primeiro.

É importante lembrar que a autorização representada pelo visto não garante incondicionalmente a sua entrada no país. Se houver algum fato subseqüente que transforme você em uma persona non grata ou mesmo se os policiais do serviço de imigração tiverem suspeitas – fundadas ou não – de que há algo errado com você, principalmente indícios de que esteja querendo entrar no país para morar e trabalhar e não como turista, sua entrada será negada. Isso acontece principalmente nos Estados Unidos. A Inglaterra não exige visto, mas o serviço de imigração por lá, muitas vezes sem um bom motivo, barra pessoas cujas histórias não convençam.

As exigências para se tirar um visto de turismo

As exigências para a obtenção de um visto são mais ou menos as mesmas para  a maioria dos países: passaporte válido (geralmente com validade mínima de seis meses), fotos, preenchimento de um formulário e pagamento de uma taxa. Para alguns países, a apresentação do Certificado Internacional de Vacinação contra Febre Amarela é necessária para se obter o visto. Você pode requerer seu visto por meio de uma agência de viagem (mediante o pagamento de uma taxa, já que nesse caso a agência entrega o trabalho a um despachante) ou pedi-lo você mesmo, principalmente se na sua cidade existir um consulado do país que você vai visitar.

O visto norte-americano

Alguns consulados fornecem o visto no mesmo dia, outros em alguns dias. O visto norte-americano é um caso à parte: você deve comparecer pessoalmente ao consulado e passar por uma entrevista, na qual deverá provar que tem “sólidos vínculos no Brasil”, que possui meios para sobreviver por lá e que não é membro do Estado Islâmico. Depois disso tem que esperar ainda vários dias e entrar em outra fila para buscar seu passaporte. E com Trump no poer, as coisas só vão piorar.

Como saber se o país para onde você vai exige visto de turista dos brasileiros? As boas agências de viagem têm essas informações, mas como a legislação pode mudar do dia para a noite, o mais seguro a fazer é confirmar por telefone com o próprio consulado do país.

Vacina contra febre amarela

Em uns poucos países, sobretudo na América do Sul, Ásia e África, a vacina contra a febre amarela é exigida para quem entra em seu território. Informe-se junto ao consulado. A vacina contra febre amarela tem validade de dez anos e deve ser tomada no mínimo dez dias antes de sua viagem para garantir sua imunização.

O certificado internacional de vacinação contra febre amarela é fornecido pelos postos da ANVISA, existentes na maioria do portos e aeroportos do país.

Dinheiro

Não leve todo o seu dinheiro em espécie. Procure levar pelo menos um cartão de crédito ou cartão pré-pago (que você carrega com uma determinada soma em seu banco). Fale com seu gerente. É recomendável levar também um cartão de crédito com validade internacional, caso o possua. Saiba mais sobre como lidar com dinheiro em viagem.

Viaje na época certa do ano

Antes de se decidir a visitar um determinado país, informe-se sobre o clima que estará fazendo quando você desembarcar. Temperaturas muito altas, muito baixas, excesso de chuvas ou de ventos ou mesmo risco de eventos meteorológicos de maior gravidade, como tufões ou tempestades, podem literalmente acabar com uma viagem que teria sido perfeita se tivesse sido feita na estação adequada. Você pode, por exemplo, estar morrendo de vontade de conhecer o Canadá, só que fazê-lo no inverno deles (de dezembro a março) pode ser literalmente uma fria! Mesmo em Paris ou em Nova York, onde faz menos frio, a única coisa que vai querer, depois de caminhar uma hora ao ar livre em pleno inverno, é entrar em uma loja ou restaurante (qualquer lugar que tenha calefação…) ou até voltar para o hotel. Sem contar que diversas atrações fecham nessa época do ano. O calor tem o mesmo efeito: Roma, Sevilha ou Marrakech no verão são muito piores do que o Rio de Janeiro, porque no Rio pelo menos tem o mar… Tão importante quanto a temperatura é também importante evitar viajar para um país em suas épocas mais chuvosas. Tem graça ir para a Índia ou a Tailândia e ficar trancado no hotel em razão das inundações, comuns durante as monções? Anote isso: chuva e viagem não combinam!

Porém não é só com o clima que você deve se preocupar. No mundo todo, nas épocas de férias e de feriados, os lugares turísticos são sempre mais cheios e normalmente mais caros. Por exemplo, o mês de agosto é horrível em Veneza, não por causa do clima, mas porque está tudo insuportavelmente entupido de gente. Para sermos mais exatos, em quase qualquer lugar do mundo, agosto é um mês em que tudo está lotado, por uma razão muito simples: é a época de férias de verão no hemisfério norte e todo mundo está viajando – americanos, canadenses, europeus, japoneses… Obviamente, os preços disparam. E há filas até para se fotografar a Torre Eiffel. Além das férias, a realização de feiras, congressos ou mega-shows também lota as cidades. Informe-se sempre sobre a melhor época para sua viagem.

Como você vai viajar ?

Você precisa tomar uma decisão importante: vai viajar por conta própria, comprar um pacote ou pegar uma excursão?

Independentemente da alternativa de sua preferência, escolha uma agência de viagens ou operadora confiável, se possível recomendada por pessoas que já utilizaram seus serviços, e exija, por escrito, recibo e a discriminação de todos os serviços contratados, com o máximo detalhamento. Guarde até o anúncio; assim, se eles não cumprirem o que prometeram, você terá como reclamar.

Pacotes

Algumas pessoas acham que organizar uma viagem é complicado, que dá muito trabalho ou não se sentem seguras em fazê-lo. Nesse caso, uma das opções é a aquisição de um pacote turístico, que normalmente inclui, por um preço fixo, passagens, hospedagem e traslados, sendo que em alguns casos, inclui também algum passeio. Porém, antes de optar por um pacote, você deve lembrar que “hospedagem em apartamento duplo” anunciado pelas agências não significa que o preço inclua hospedagem para duas pessoas, mas sim que esse é o preço individual num quarto para dois. Para saber se o pacote vale a pena, do ponto de vista financeiro, compare o preço dos itens que ele inclui com a estimativa de preço da viagem por conta própria, fazendo o cálculo por pessoa.

Independentemente do preço, que terá de ser analisado caso a caso, as vantagens de um pacote são: praticidade (já está tudo organizado, reservado etc., sem você precisar se mexer) e segurança para quem não está acostumado a viajar para o exterior.

A principal desvantagem é a relativa falta de liberdade: comprando um pacote, se você não estiver contente com o hotel, não é possível mudar para outro, nem alterar as datas de partida e retorno. Saiba mais sobre pacotes de viagem

Excursões organizadas

São viagens em grupo, cujo preço inclui tudo que um pacote oferece e, além disso, refeições, passeios e toda a programação da viagem, sempre acompanhada por um ou mais guias. Todo mundo sai de manhã para um passeio; na hora do almoço, o grupo é levado para um determinado restaurante; à tarde, todos seguem com o guia para outro passeio etc.

As vantagens da excursão são, além da praticidade e da segurança, o acompanhamento constante por alguém que – presume-se – conhece bem o lugar e saberá levá-lo para onde interessa, além de o preço ser fixo. Esta é, aliás, uma grande vantagem para quem quer saber exatamente quanto vai gastar, pois a excursão inclui tudo (ou quase) e geralmente pode ser paga em parcelas.

Por quais motivos alguém deve optar por uma excursão?

  Não dominar nenhum idioma falado no país ou compreendido por lá.

  Não se sentir seguro em viajar sem um guia.

  Não gostar de viajar sozinho, mas não ter companhia.

  Gostar de ter tudo organizado de antemão: horários, refeições, passeios, tempo de permanência em cada lugar etc.

  Querer fazer amizades, gostar de viajar em grupo.

E por quais motivos alguém deve evitar uma excursão?

  Não gostar de convivência social “forçada” (que é inevitável ao tomar café da manhã, passear, almoçar, passear de novo e jantar todo dia com as mesmas pessoas).

  Querer ter liberdade para definir seu roteiro, horários, tempo de permanência em cada lugar, refeições etc.

  Sentir-se seguro para viajar sem guia nem “assessoria”.

  Ter “alergia” a visitas guiadas.

Viagem por conta própria

Desde que você pelo menos arranhe um pouco o inglês ou a língua do país que pretende visitar (mesmo um “portunhol” básico serve para os países de língua espanhola), viajar por conta própria não é nenhum bicho de sete cabeças. Tendo um mínimo de capacidade de planejamento e de auto-confiança, é muito fácil. As vantagens são várias: você cria seu próprio roteiro, visita o que quer, come onde tem vontade, acorda na hora que deseja. Para organizar você mesmo sua viagem, anote estas dicas:

Olhe o mapa – Há uma regra da qual não se deve tentar escapar: em primeiro lugar, abra um mapa. Freqüentemente não se tem idéia de distância ou de onde fica cada cidade que se pretende visitar. Isso pode causar problemas, principalmente para quem pensa em viajar por terra e acaba traçando planos absurdos. O exame do mapa permite que você faça um roteiro realista.

Planeje sua viagem: roteiro e cronograma – Organizar um roteiro de viagem dá trabalho mas, acredite, compensa. Se você vai apenas para uma cidade, tudo é mais fácil. As dificuldades começam quando seus planos incluem diversas cidades ou países. Anote os dias de ida e de volta ao Brasil, os locais a serem visitados e o tempo desejado de permanência em cada um deles. O ideal é sempre deixar uns dias livres, como “coringas”, de modo a poder ficar um pouco mais em um lugar que você tenha adorado, sem bagunçar todos os seus planos. Um erro comum dos turistas, principalmente dos principiantes, é querer conhecer lugares demais, sem ter o tempo suficiente para tal. O resultado é que acabam tomando o café da manhã em Paris, almoçando em Bruxelas e jantando em Amsterdã, sem ter conhecido nada. Informe-se também sobre os meios de transporte entre as cidades que pretende visitar e, se for o caso, já reserve sua passagem. Saiba que o dia de viagem de uma cidade para outra é muito mal aproveitado, em razão do tempo perdido no deslocamento, fazer e desfazer malas, instalar-se num hotel etc. O tempo que sobrar antes de embarcar ou depois de chegar ao seu destino é lucro.

Com quem você vai viajar? – Viajar sozinho não é muito agradável. Mas pior do que isso é viajar com alguém reclamão, encrenqueiro, desanimado ou chato a ponto de você pensar seriamente em empurrá-lo do alto de um canyon nos Estados Unidos ou para dentro do Sena, em Paris. Também é recomendável viajar com pessoas que tenham orçamentos de viagem compatíveis com o seu. Você certamente não vai querer ficar no Espelunca Palace só porque seu amigo é um duro, nem no Waldorf Astoria de Nova York porque ele é um milionário. Quando se viaja bem acompanhado, a viagem, além de mais divertida, torna-se também bem mais econômica para ambos, pois muitas despesas podem ser divididas.

Passagem aérea – Ao contrário do que alguns pensam, comprar uma passagem numa agência de viagem ou numa operadora é mais barato do que adquiri-la na própria companhia aérea, em razão de descontos que as empresas não podem repassar diretamente ao passageiro. Mistérios da aviação! Passagens aéreas cujos preços assustam à primeira vista podem quase sempre ser financiadas no cartão, às vezes em até 4 ou 5 vezes sem juros ou em mais vezes, com juros baixos. Lembre-se de que, se puder viajar nos períodos de baixa estação, você pagará muito menos por sua passagem. Esses períodos variam segundo os destinos e de ano para ano. Veja mais dicas e informações sobre passagens aéreas.

Mais dicas sobre viajar por conta própria

Dica importante

Se pudéssemos dar apenas um conselho aos viajantes novatos, diríamos: leia um bom guia de viagem sobre o país que você pensa em visitar. Mesmo que você pretenda fazer uma viagem econômica, cortar despesas deixando de comprar um guia é a pior coisa que pode fazer, pois acabará, por falta de informação, gastando várias vezes o valor do livro. Procure ler o guia não apenas durante a viagem mas, principalmente, antes de viajar. Leia também livros sobre os lugares para onde você vai, reportagens de revistas especializadas e as seções de turismo de grandes jornais. A internet também é uma preciosa fonte de informações para o viajante; navegar é preciso! A propósito, temos o conteúdo gratuito online de nossos guias impressos. Basta acessar o site “Manual do Turista” e clicar na capinha do destino (Paris, Itália, Argentina etc). Veja opiniões sobre os Guias de Viagem GTB

Embarcar e desembarcar

É particularmente importante

Veja postagem específica sobre o tema.

Use e abuse dos escritórios oficiai de turismo

Chamados, em inglês, tourism offices; em francês, offices de tourisme; em espanhol, oficinas de turismo (não confundir com agências de turismo ou de viagem), os escritórios oficiais de turismo são postos de informação dos orgãos governamentais de turismo do país que existem em praticamente qualquer lugar do mundo que receba turistas. Eles são situados nos aeroportos, estações de trem e nos centros das cidades; é sempre fácil encontrá-los. Geralmente os funcionários falam, além da língua do país, inglês e eventualmente espanhol ou francês.

Embora seus serviços não substituam um bom guia de viagem, nesses escritórios você pode conseguir mapas da cidade, folhetos sobre as principais atrações turísticas, informações sobre horários de funcionamento de museus, shows, meios de transporte na cidade e até reservas de hotéis e locação de imóveis. No caso de algum problema, os escritórios de turismo também poderão orientá-lo.

Dica

Veja vantagens e desvantagens de viajar na baixa temporada

Lugares lotados... cuidado!
Segurança, situações particulares

Cuidados com sua segurança

Para as mulheres

• Cada vez mais mulheres têm viajado sozinhas. A princípio, a Itália não apresenta problemas, mas a fama de galanteadores que têm os italianos é merecida. Você pode conhecer italianos que virão a ser excelentes amigos ou até algo mais; nunca se sabe!
• Procure, entretanto, não confiar no primeiro bello que aparecer. Há, principalmente em Roma e em Nápoles, grupos especializados na abordagem de turistas estrangeiras do sexo feminino, compostos por “malandros boa pinta”. Por que eles só abordam as turistas? Ora, porque as italianas não costumam andar por aí com um monte de dólares, euros, cartões de crédito… E também não caem na conversa deles! Se você passar conversando com uma amiga, eles imediatamente identificarão seu sotaque. O papo é invariavelmente o mesmo: “Ciao, brasiliana… Come stai?” Depois começam os elogios: “Come sono belle, le brasiliane…” Não se impressione com galanteios, pois eles falarão tudo o que for necessário para atrai-la. Aproveite a viagem, mas não se envolva com a pessoa errada se existe tanto italiano buona gente!
• Gostemos ou não, é uma realidade: influenciados por imagens do carnaval carioca e por clichês preconceituosos, muitos homens italianos (como outros estrangeiros) consideram a mulher brasileira “liberal”. Vestir-se e portar-se discretamente pode minimizar aborrecimentos.
• Mulheres desacompanhadas devem evitar tomar trens noturnos. Caso isso não seja possível, devem procurar ficar numa cabine em que haja outras mulheres ou gastar um pouco mais por uma cabine privativa – e manter a porta trancada.
• Cuidado ao escolher onde vai se hospedar. Não estamos falando do estabelecimento, e sim das redondezas. Opte por um bairro que ofereça segurança para você chegar e sair, sobretudo à noite.
• Não aproveite a viagem à Itália para levar suas joias para passear. Isso chama a atenção e é um risco desnecessário. Se não for frequentar lugares realmente chiques e seguros, é melhor deixá-las em casa.
Para aqueles que viajam sozinhos
• Considere com atenção redobrada todas as dicas anteriores: você só poderá contar com você mesmo para garantir sua segurança!
• Cuidado com novas “amizades” e amáveis convites de estranhos.
• Não ande a pé tarde da noite ou mesmo durante o dia em lugares desertos ou por bairros suspeitos.
• Tenha consigo os endereços e telefones dos consulados brasileiros.

Para aqueles que viajam com crianças ou adolescentes

• Nada mais assustador que perder uma criança – mesmo que por alguns minutos ou horas – em um país estrangeiro. As crianças menores devem sempre estar ao alcance de seus olhos, e as maiorzinhas, já com alguma compreensão, devem ser instruídas a não se afastar de você em hipótese nenhuma, muito menos conversar com estranhos longe de suas vistas.
• As crianças que já entendem alguma coisa devem ser instruídas a permanecer no lugar onde estão caso se percam de você. Se vocês estão em um museu, por exemplo, diga-lhes que não saiam de dentro dele e aguardem por você.
• Procure deixar no bolso da calça de cada criança ou adolescente um cartão do hotel onde vocês estão hospedados. No verso, escreva o nome deles e: Mi sono perso. Cerco mia madre (ou mio padre), que quer dizer: “Estou perdido. Procuro minha mãe (ou meu pai)”. Os mais velhos e independentes vão chiar, mas o cartão pode ser muito útil em caso de uma real emergência.
• Os que já têm mais discernimento devem ser orientados a não só não saírem de onde estão como, também, a procurar alguém idôneo que esteja por perto: um guarda, um vigia, um bilheteiro, e caso não falem inglês, a mostrarem o verso do cartãozinho.
• Se você é daquele tipo de pai mais tranquilo, que deixa os filhos adolescentes darem uma volta sozinhos, enfie, além do cartão, um mapa da cidade no bolso deles. Muitas cidades italianas são verdadeiros labirintos de ruelas medievais, mas se seus filhos curtem aqueles jogos complicadíssimos de computador, que também têm mil labirintos, então relaxe, porque é provável que acabem voltando para o hotel, se quiserem, mais rápido que você!

Dicas sobre alimentação em viagens

Se você tiver dinheiro suficiente, experimentar a culinária de um país em um restaurante sofisticado pode ser um excelente experiência. O problema é que esse privilégio, principalmente com nossa moeda hoje desvalorizada, é reservada a poucos.

É certo que boa comida e bebida podem ter sua importância como um dos prazeres de viajar. Porém, não achamos que se deve deixar de viajar por falta de condições de frequentar restaurantes caros.

Quanto custa a alimentação durante uma viagem ao exterior?

Muita gente se pergunta: “Quanto eu gastaria por dia para comer na Tailândia?” ou “Sai caro passar quinze dias no leste da Europa?”. Sempre procuramos dar uma ideia do custo. Muitas vezes ouvimos coisas do tipo: “Puxa, que caro! Um amigo meu gastou muito menos…” (ele se hospedou em hostel dos Albergues da Juventude e só comia sanduíches…). Outros franzem a testa: “Mas só isso? Eu vou passar fome!”.

O fato é que cada um tem seu nível de exigência – e sua disponinibilidade financeira! Certas pessoas fazem questão de almoçar e jantar “bem”. Outras almoçam e à noite tomam um lanche. Há ainda aquelas que não dão bola nenhuma para isso e comem qualquer coisa na rua na hora que lhes dá vontade. Isso acaba fazendo uma diferença enorme no total das despesas.

Por isso mesmo, dependendo mais de suas escolhas do que do lugar onde está, você poderá gastar quase nada – ou centenas de dólares.

Uma coisa é certa: a preocupação com o preço da alimentação não deve ser um impedimento para você viajar para nenhum lugar do mundo!

As opções quebra-galho: práticas e econômicas

Muitos países, principalmente na Europa, têm restaurantes simples com menus fixos a preços módicos (entrada, prato principal, sobremesa, às vezes vinho). Outra opção que pode quebrar um galho, embora não seja indicada para substituir todas as suas refeições, é a comida de rua: lanches vendidos em quiosques, refeições ligeiras podem ser encontradas em qualquer lugar. Aliás, você vê em muitos países pessoas comendo na rua. Não tem nada demais. É só uma questão de costume.

Uma boa ideia é fazer compras e comer no hotel. E não apenas para economizar. É a oportunidade que temos de experimentar certas especialidades incomuns nos menus de restaurantes, como terrines, frios diferentes, queijos saborosos, pães deliciosos, saborear vinhos e boas frutas.  O mesmo vale para o café da manhã, que é proporcionalmente muito caro na Europa. Às vezes é melhor comprar pão, manteiga, queijo, suco, nescafé e leite em pó no mercado vizinho. A água, na Europa em particular, além de potável, sai da torneira tão quente que queima a mão. É o suficiente para você preparar um bom café com leite. Além disso, tomar o café da manhã no quarto permite que você acorde a hora que quiser. Faça sua primeira refeição de pijama, e sem perigo de perder o horário do café da manhã.

As precauções

Sobretudo em países “exóticos” da Ásia ou África, a mudança de seus costumes alimentares, de clima e principalmente a água, podem causar problemas para o aparelho digestivo. Portanto, mesmo que você aprecie temperos diferentes e seja um apreciador da culinária exótica, vá com calma. Não dê uma de valente. Comidas muito gordurosas, temperadas ou apimentadas devem ser evitadas.

Sua preocupação com alimentação e bebidas têm igualmente a ver com o lugar onde você está hospedado.  Em qualquer país, em um hotel de 5 estrelas, dificilmente você terá problemas gastrointestinais por causa da água ou dos pratos servidos no restaurante do hotel. Em estabelecimentos baratos, isso pode não ser verdade.

Até mesmo quanto à comida de rua é bom ficar esperto. Comer uma crepe na rua em Paris não é a mesma coisa que um churrasquinho num mercado de Ahamedagbad.

Em lugares “duvidosos” não coma frutas e verduras cruas. Se comprar frutas no mercado, descasque-as e lave tudo muito bem.

Só coma peixes e mariscos se tiver confiança de que são frescos. E é melhor só fazê-lo em cidades  litorâneas.

Cuidados com a água

Vale sempre lembrar: em muitos países, beber água da torneira pode lhe causar graves problemas. Essa é a maior ameaça para sua saúde nos países mais pobres. Beba apenas água mineral, sobretudo na América Latina, na Ásia e na África, tendo sempre a certeza de que a garrafa foi aberta na sua frente. Se não conseguir água mineral, dissolva uma pastilha de cloro num cantil metálico e só beba essa água depois.
A água servida à mesa em pequenos hotéis e restaurantes nos países menos desenvolvidos pode não fazer mal para a população local, que está habituada e tem todos os anticorpos contra os microorganismos nela contidos; mas, para você, o resultado pode ser uma memorável diarréia ou algo muito mais grave.
Não tendo opção de água “confiável”, tome refrigerante. O chá, costume no Oriente Médio e na Ásia, não oferece perigo, desde que seja feito com água realmente fervida. Idem para o café. Não tome sucos, que geralmente levam água, nem aceite bebidas com cubinhos de gelo aparentemente inofensivos, também feitos com água da torneira. São um enorme perigo.

Alimentação e diversidade cultural

Certos povos têm restrições religiosas no que se refere à alimentação.  Por exemplo, você muçulmanos não consomem carne suína; judeus ortodoxos, além de não comerem carne de porco, não misturam carne com leite ou derivados; hindus não consomem carne bovina etc. (A título de curiosidade: a Índia tem Mc Donalds e outras cadeias de fast-food que servem hambúrgueres – mas são de carne de carneiro.)

Restrições religiosas à parte, cada povo tem seus costumes alimentares, que integram sua cultura. Antes de criticar os costumes alheios, lembre que, para a maior parte dos estrangeiros, a aparência e descrição de uma feijoada, um vatapá ou um sarapatel brasileiros devem parecer um filme de terror!

Para não fazer papel feio, evite preconceitos. Observe e informe-se sobre a cultura e os costumes alimentares do lugar que está visitando.

Dica Durante viagens, saímos da rotina. É comum "comer bem" sem, contudo, se alimentar de modo saudável. Tomar diariamente um suplemento de fibras e um complexo vitamínico (com atenção especial à vitamina C ) pode ajudar bastante.

 Matérias Especiais

A história dos transportes em Paris | Paris e os parisienses
Praga de templário pega | O homem que vendeu a Tour Eiffel
Voo de balão sobre o santuário medieval de Rocamadour

Saúde em viagem

Alimentação

A mudança de alimentação, de clima e até da água podem causar problemas para o aparelho digestivo. Portanto, mesmo que você aprecie temperos diferentes e seja um curioso da gastronomia exótica, vá devagar.

O seu grau de preocupação com o que come e bebe deve ser proporcional ao grau de “luxo” e de desenvolvimento de onde está… Em qualquer lugar do mundo, em um hotel de 5 estrelas, dificilmente você terá problemas, a não ser que abuse dos temperos; já se você optar por comer em um lugar “descuidado”, a higiene e cuidado com a preparação dos alimentos tenderão a ser menores. Comer um hot-dog na rua em Nova York não é a mesma coisa que comer um espetinho num mercado de Ahamedagbad…

Nos países da Europa, da América do Norte e da Oceania, os riscos são menores. Nas outras partes do mundo, evite frutas e verduras cruas. Se comprar frutas no mercado, retire a casca. Só coma peixes e frutos do mar se tiver certeza de que são frescos; de preferência, faça-o apenas nas regiões litorâneas.

Veja as fotos: Todas estão voltadas para a questão da alimentação em mercados populares e para o problema da altitude. Nem sempre essas comidas são saudáveis, principalmente na Índia. A higiene é também duvidosa. Na Tailândia a higiene é melhor. Mas mesmo frutas compradas na rua devem ser lavadas. Mostramos também lugares de altitude onde é bom tomar um comprimido contra “el soroche”o mal de altitude.

Água

É o principal risco para sua saúde nos países em desenvolvimento. Procure beber apenas água mineral, sobretudo na América Latina, na Ásia e na África, tendo sempre a certeza de que a garrafa foi aberta na sua frente. Ou então, se não conseguir água mineral, dissolva uma pastilha de cloro num cantil metálico e só beba essa água após uma hora de repouso.

Desconfie da água servida em pequenos hotéis e restaurantes, mesmo que a população local a beba. Pode não fazer mal para eles, que estão acostumados; mas, para você, o resultado pode ser uma memorável diarréia ou, se seu anjo da guarda for muito devagar, uma hepatite.

Não tendo opção de água “confiável”, tome refrigerante. O chá, costume no Oriente Médio e na Ásia, não oferece perigo, desde que seja feito com água realmente fervida. Idem para o café. Cuidado com os sucos, que geralmente levam água, e com cubinhos de gelo aparentemente inofensivos, também feitos com água da torneira.

Como já dissemos, no “Primeiro Mundo” a coisa muda de figura: em Paris você pode tomar água da torneira, se for preciso.

Exposição ao sol

Frio não significa ausência de sol. Para locais de muito sol (mesmo em montanhas geladas!), protetor solar é indispensável e também um bom chapéu ou boné, além de óculos escuros.  Não estrague sua viagem com queimaduras, bolhas ou, pior ainda, com uma forte insolação!

Altitudes

A partir de 2.500m (Andes, Alpes, Pirineus, Himalaia…), é bom ficar atento com relação ao chamado “mal de altitude”, a hipofixia, (baixa oxigenação do sangue). Esse problema é freqüente entre turistas nos países andinos, onde o mal de altitude é conhecido como soroche. Os principais sintomas são uma forte (e inesquecível!) dor de cabeça, falta de ar, inquietude, atordoamento, náuseas, diarréia, taquicardia, cansaço e falta de apetite. A maioria das pessoas se adapta rapidamente, superando os sintomas em 1 ou 2 dias, desde que tome certos cuidados. O mais importante deles é evitar esforços e caminhar devagar, sobretudo ao subir ladeiras ou escadas.
Existe um comprimido à base de acetozalamida (nome genérico), utilizado para prevenir a hipofixia (vendido em todo canto nos países andinos onde, às vezes, o próprio hotel o tem em estoque para seus clientes). Em princípio, deve ser tomados 8h antes do embarque e durante os primeiros dias de sua estada.
Em todo caso, fale com seu médico antes de ir para lugares muito altos, principalmente se você tiver problemas de pressão. Xe

Higiene

Os padrões de higiene que se encontram em uma viagem podem ser muito diferentes daqueles a que estamos acostumados. Um banheiro mal desinfetado pode transmitir uma micose para seus pés: use sandálias de borracha. Antes de usar uma banheira, desinfete-a com álcool.

Vacinas

Quem viaja para destinos na Ásia, África, América do Sul, América Central e mesmo para algumas regiões do Brasil deve estar atento para a necessidade de vacinas específicas. Alguns países exigem que o visitante estrangeiro tenha tomado vacina contra a febre amarela para ingressar em seu território, apresentando o respectivo certificado; em outros casos as vacinas saõ recomendadas, mas não exigidas.

Para se informar a respeito da exigência de vacina, contate o consulado do país para onde vai.

Para recomendações sobre vacinas, consulte seu médico.

Você tem problemas de pressão arterial? Veja dicas sobre o tema “Pressão em viagem“.

CAMBIO

Câmbio em viagens

• Via de regra, chegando a um país estrangeiro, você precisa de imediato de dinheiro em moeda local para pagar um táxi, tomar um lanche ou para alguma outra despesa, embora em certos países você possa pagar tudo em dólares.

• O ideal é já sair do Brasil com pelo menos um pouco da moeda local, mas nem sempre isso é viável, o que vai obrigar você a trocar dólares pela moeda local no aeroporto ou sacar dinheiro de um caixa eletrônico (ATM) se estiver com um cartão de débito Travel Money ou similar.

• O câmbio nos aeroportos não costuma ser bom: troque o mínimo necessário para as despesas iniciais e deixe para trocar mais depois que você, com calma, tiver se informado sobre os locais que oferecem as melhores taxas.

• Normalmente, é melhor trocar seu dinheiro em um banco. Se você chegou ao país no final de semana, troque o suficiente só para as despesas que terá até segunda-feira, porque nas poucas casas de câmbio abertas a taxa provavelmente será desfavorável: os espertalhões aproveitam o aperto dos turistas.

• Evite trocar grandes somas de uma só vez: você pode virar a esquina e encontrar uma taxa melhor. Nos países de inflação alta, você sempre perderá, pois no dia seguinte seus dólares já estarão valendo mais.

• Não troque dinheiro com cambistas nas ruas! Muitos deles são golpistas ou simplesmente ladrões. Caso tenha dúvida de onde pode trocar seu dinheiro com segurança, pergunte no escritório de turismo oficial da cidade ou na recepção de seu hotel, se estiver hospedaddo em um estabelecimento de padrão razoável.

• Tome cuidado com a propaganda enganosa de certas casas de câmbio, que alardeiam taxas muito boas, mas cobram comissões elevadas. Existem também anúncios que levam o turista a crer que a taxa proposta é a de compra (o valor que eles pagam pelo seu dólar), quando na verdade é a de venda (o valor pelo qual eles vendem o dólar). “Abra os olhos” e pergunte sempre, antes de efetuar qualquer troca, qual a taxa e qual a comissão. Pode haver diferença entre a troca de dinheiro vivo e a de cheques de viagem.

• Enquanto as divisas fortes são facilmente aceitas e trocadas em qualquer parte do mundo, as moedas latino-americanas, asiáticas e africanas não gozam das mesmas facilidades. Elas devem, portanto, ser esgotadas até o último centavo antes de você deixar esses países. Procure levar algumas notas de um, cinco e dez dólares e, no finalzinho da viagem, troque apenas o mínimo necessário. Isso evitará que você fique com uma bolada de micos “introcáveis”.

• Em muitos países da América Latina, da Ásia e da África, principalmente, não é fácil trocar moeda estrangeira fora dos grandes centros turísticos. Por isso, se for visitar pequenas localidades, leve moeda local em quantidade suficiente e, se possível, ao menos uma parte em notas miúdas.

• Em alguns países, notas com alguma mancha insignificante ou que não estejam em perfeito estado não são aceitas. Ao comprar dólares ou outra moeda no Brasil, fique atento ao estado de conservação das notas que recebe.

ALFANDEGA

 Alfândega no exterior

Alfândega, passo obrigatório

Sua condição de turista estrangeiro não o livra da alfândega de outros países. Na maioria dos aeroportos do mundo, quando você desembarca, há duas saídas na alfândega: “nada a declarar” (verde) e “bens a declarar” (vermelho). Em inglês, nothing to declare e goods to declare. Você escolhe. Porém, nada impede que, se você optar pelo “nada a declarar”, um fiscal resolva abrir sua bagagem ou você seja escolhido por amostragem pela fiscalização… E lá se vai um tempo perdido na sua viagem!

O importante é ficar tranquilo, ter paciência e em nenhuma hipótese desrespeitar o funcionário que pedir para você abrir sua mala. Ele tem o direito de examiná-la e em geral quer fazer isso o mais rápido possível para não gerar filas nem confusão.

As restrições mais comuns

A legislação de cada país é diferente com relação ao que se pode trazer e com o que se pode sair de seu território na qualidade de turista. São comuns restrições a valores altos em dinheiro vivo e grandes quantidades de bebidas alcoólicas e tabaco. A exportação de peças de arte, antiguidades ou imagens sagradas é proibida em certos países.

Cuidado com produtos fakes

Muitos fiscais da alfândega são severos ao encontrar relógios, bebidas, camisas e perfumes falsificados nas compras de turistas provenientes de países que toleram a cópia de marcas famosas. Normalmente todas as mercadorias são apreendidas e o turista, no mínimo, leva uma “bronca”. Se a quantidade for expressiva, denotando intenção de revenda, é problema na certa.

Havendo dúvida, informe-se antes junto ao respectivo consulado sobre a legislação do país para o qual você vai.

Dica importante

Alguns países, como Chile, Estados Unidos e Nova Zelândia, entre outros, proíbem terminantemente a entrada no país de qualquer produto fresco vegetal ou animal. Esses países têm verdadeiro pavor de pragas agrícolas: uma simples maçã pode lhe causar um problemão! Se entrar na Flórida, por exemplo, com uma mera laranja brasileira, isso será considerado quase um ato de terrorismo ecológico…

 

Extravio de bagagem: cadê minha mala?

Extravio de bagagem faz parte da vida de quem viaja muito. É uma questão de estatística: quanto mais você viaja, maiores as chances de, um dia, acontecer com você. Na maioria das vezes, a mala é encontrada e devolvida depois de alguns dias. Mas você passa por aborrecimentos e pode recebê-la de volta arrombada pelo serviço de segurança de algum dos aeroportos pelos quais a danada passou.

O pesadelo começa assim: você desembarcou, passou pelo serviço de imigração e está esperando sua mala passar pela esteira. As malas vão passando, cada um vai pegando a sua. Quando vê, só sobrou você.  Atento, você continua esperando… Mas a sua mala não aparece!

O que fazer se sua mala se extraviar?

A primeira coisa – e a mais importante – é reclamar sobre o extravio no guichê da companhia aérea, ali mesmo na área de entrega das bagagens. Isso deve ser feito imediatamente.

Ajuda muitíssimo na localização você poder descrever sua mala fujona. De que cor ela é? De que marca? Tem uma etiqueta com seu nome nela? Tem alguma coisa nela que ajude a distingui-la das outras?

Peça algo por escrito que comprove que você fez a queixa.

Na maior parte das vezes, em dois ou três dias a mala será entregue onde você estiver hospedado. Se isso não acontecer, entre em contato com a companhia aérea para reclamar e acione o seu seguro de viagem.

Como diminuir o risco de extravio

Chegando ao hotel ou antes de uma conexão, arranque o tíquete “velho” que está na sua bagagem com o código de barras que indica o destino, para evitar confusão quando for tomar o próximo voo.

Evite conexões com intervalos curtos. Extravios de bagagem são mais frequentes quando se faz uma conexão aérea. Quanto menor o tempo entre a chegada de um voo e a partida do outro, maiores são as chances de o extravio ocorrer.

Não despache malas abarrotadas, quase “estourando”, nem malas sem identificação. Essas são as prediletas dos serviços de segurança, que irão abri-las e revistá-las, aumentando o risco de não embarcarem no seu avião.

Como minimizar os aborrecimentos pelo extravio de sua mala

Evite a todo custo transportar itens de valor na bagagem de compartimento. Se precisar mesmo fazê-lo,  vale a pena se informar antes sobre a abrangência do seu seguro-viagem e das responsabilidades da companhia aérea, que variam de país para país.

Como já orientamos no post sobre bagagem de mão, coloque na sua bagagem de mão (a que você leva para dentro do avião) tudo que possa ser realmente necessário até sua mala ser recuperada. Tudo o que for de valor ou importante para você deve ficar ao seu alcance, nunca na mala que é a bagagem de compartimento.

Tenha consigo sempre uma muda de roupa. Desembarcar cansado sem ter roupa limpa para trocar é uma experiência desagradável.

Como facilitar a localização de sua mala

Ao despachar a mala, guarde o comprovante de entrega da bagagem em um lugar seguro. Em geral, o funcionário cola o comprovante no verso do cartão de embarque. Lembre pelo menos em que bolso o guardou.

Identifique sua mala com uma etiqueta resistente da qual constem seu nome, telefone e e-mail.

Além da etiqueta do lado de fora, coloque outra dentro da mala com os mesmos dados. Essa providência é útil no caso de extravio, porque malas cujas etiquetas se perderam são arrombadas pela segurança dos aeroportos; se pelo menos seu nome estiver dentro dela, saberão que é sua.

E se minha mala não aparecer?

 

Caso, por absoluta falta de sorte, sua bagagem não seja recuperada, a companhia aérea deverá indenizar, mas o valor do reembolso normalmente não cobre o prejuízo.

Em geral, seu seguro viagem também poderá ser acionado.

Avião

Jet lag

Jet lag é o mal-estar causado pela diferença de fuso horário entre o local de origem e o local de destino quando você viaja uma grande distância no sentido leste-oeste ou vice-versa, bagunçando seu relógio biológico, somado ao desconforto da estada prolongada dentro de um avião.

Onde é mais cedo e onde é mais tarde do que no Brasil

Países a oeste do Brasil

É mais cedo nos países situados a oeste do Brasil, como Peru, Chile, Estados Unidos, etc. e mais tarde nos países localizados a leste, como os da Europa, do Oriente Médio, da África etc. Ou seja, ao aterrissar em Paris, por exemplo, que fica a milhares de quilômetros a leste do Brasil, seu relógio de pulso com horário brasileiro estará marcando 5h da manhã, mas já serão 10h. Nesse caso você não sentirá vontade de almoçar a não ser lá pelas 17h (quando a maioria dos restaurantes não estará mais servindo almoço); só conseguirá pegar no sono às 5h da manhã; e, caso não recorra a um despertador, terá um choque ao acordar e ver que é mais de meio-dia e a manhã foi perdida…

Países a leste do Brasil

Quando se viaja para o oeste, onde é mais cedo do que no Brasil, nos primeiros dias se passa o contrário: você pode sentir vontade de almoçar às 8h da manhã, cair de sono às 8h da noite e acordar de madrugada, querendo tomar seu café da manhã, quando a cozinha do hotel ainda sequer estará aberta.

Como abreviar a adaptação

Dependendo da pessoa e da diferença horária, a adaptação pode levar alguns dias, prejudicando suas férias. Ao viajar para um lugar com mais de quatro horas de diferença de fuso horário, seja a mais, seja a menos, o ideal é ficar por lá no mínimo uma semana.

Existem artifícios para ajudar a adaptar mais rapidamente seu relógio biológico ao horário do país de destino. Um deles é tomar medicamento para dormir durante o voo, que o fará pegar no sono no horário adequado np local de destino, quando viajar para leste (converse com seu médico). Outro é e tomar café ou guaraná em pó para não dormir antes da hora, quando viajar rumo ao oeste.

Sabemos que não é fácil, mas é importante fazer um pequeno esforço para se habituar ao horário do destino. Indo para oeste, não vá dormir cedo demais, resista! Se for para o leste, use despertador e procure acordar em um horário razoável para o horário local, sem exagero no primeiro dia.

Lembre que, do segundo dia em diante, tudo será melhor!

Ruta de los Siete Lagos, Patagônia, Argentina
Com quem você vai viajar?

As vantagens de se viajar acompanhado

Essa dica é, talvez, a principal para fazer uma viagem com pouco dinheiro: viajar a dois ou com mais pessoas sai mais barato. Uma diária de hotel para uma pessoa custa quase a mesma coisa do que para duas; a corrida de táxi não custa mais caro se forem duas pessoas no lugar de uma. O mesmo vale para aluguel ou leasing de carros. Mesmo os transportes ferroviários oferecem descontos vantajosos para casais e grupos. Acompanhado, você talvez possa viajar por lugares mais caros, onde não poderia ir sozinho.

Acompanhado, mas com quem mesmo?

O importante é escolher bem as pessoas com quem você vai viajar. Será que o destino escolhido corresponde às expectativas de todos? Os passeios serão todos feitos em conjunto? A que horas se pretende acordar? Como serão divididas as despesas? Quanto tempo cada um dispõe para sua viagem? Tudo isso deve ser bem discutido antes, pois as relações humanas são colocadas à prova numa viagem, quando se convive com as mesmas pessoas quase 24 horas por dia durante muitos dias seguidos… o que não acontece nem na maioria dos casamentos! Viajar acompanhado exige boa educação e paciência. Egoísmo e mau-humor são proibidos.

Casais

A maioria das pessoas viaja com seu companheiro ou companheira, com a namorada, ou com a esposa… Essa opção de de viagem pode ser a mais agradável. Para isso o casal precisa se entender. Briga em viagem não tem cabimento. Podem brigar por aqui mesmo, que sai muito mais barato. O ideal é, a partir do dia do embarque, não discutir assuntos polêmicos durante toda a viagem.

Que tipo de viagem cada um pombinho está querendo?

É igualmente recomendável se colocaram de acordo sobre o tipo de viagem que pretendem: econômica, ou com mais dinheiro no bolso? Vão ficar num B&B, ou hotel mais elegante? Precisam também discutir itinerário, programas, cronogramas. Isso deve começar com a escolha do destino. Comecem por continente que fica mais fácil. Europa, América do Sul, Estados Unidos ou Ásia? Ver foto pode ajudar o casal tomar a decisão acertada. Interesses culturais comuns ajudam muito. Se os dois curtem os impressionistas é muito fácil, de comum acordo, selecionar lugares que ambos vão curtir: Musée d’Orsay, Geverny, Auvers-sur-Oise… assim todo mundo fica contente. Se curtem aventura, e o sonho de ambos é conhecer Machu Picchu, não tem o que errar. Deem uma olhada nesta página, um verdadeiro cardápio de viagens: Turismo  para todos

Orçamentos equilibrados ajuda

Um outro ponto importante: os participantes da viagem devem ter orçamentos semelhantes. Se um tem pouquíssimo dinheiro e o outro muito mais, esse será um mau começo. Quando se trata apenas de compras pessoais, tudo bem, mas quando você se vê obrigado a dormir numa espelunca porque seu amigo está sem dinheiro ou a ir, contra a sua vontade, a um restaurante caríssimo porque tem vergonha de dizer aos demais que está duro, a coisa complica. Isso também deve ser discutido com toda franqueza antes da viagem.

Dicas

Em uma viagem é melhor que, quando não se tratar de casais que querem viajar com outros casais, que o grupo seja apenas de amigos, sem rolos afetivos entre si…

Assuntos polêmicos, como religião e política, talvez devam ser evitados para que amizades não se desfaçam durante a viagem. Use seu bom senso.

Veja os bons lugares para um casal

Alguns lugares parecem especiais para uma lua-e-mel ou para casais que querem um canto especial para se curtirem. Turismo para casais

Escolheu seu destino?

Compare o preço de pacotes e passagens aéreas

 

Manual10grayDesembarcando

Serviço de imigração

Todo passageiro que chega a um país qualquer passa pelo serviço de imigração, que em cada lugar é controlado por um órgão diferente. Aqui no Brasil, por exemplo, é a Polícia Federal que cuida disso.

Em muitos países, o serviço de imigração é lento; normalmente, para ganhar tempo, já lhe será entregue durante o vôo um formulário a ser preenchido com seus dados. Ao desembarcar, deixe-o à mão, junto com o passaporte. A burocracia varia de um lugar para outro, mas em geral esse formulário será carimbado e uma via lhe será entregue. Guarde-a com cuidado, pois deverá devolvê-la quando sair do país.

Dicas

Lembre-se de que o fato de você ter um visto não lhe assegura a entrada no país. Quem vai dar a palavra final, deixando você entrar ou não, é o serviço de imigração.  Ao passar por ele, seja discreto, na roupa e no comportamento.

Na Europa e nos Estados Unidos, principalmente, mulheres jovens vestidas de forma “provocante” podem ter sua entrada barrada. Também os que se vestem de modo pouco convencional podem ter problemas. Portanto, mesmo que você seja um new hippie ou um old punk, faça um esforço e vista-se discretamente, com roupas e sapatos limpos e em bom estado. Os realmente mal vestidos darão a impressão de serem imigrantes clandestinos, e não turistas. Portanto, indesejáveis! Eventualmente você terá que mostrar sua passagem de volta para o Brasil e dinheiro suficiente para se manter durante a estada no país.

Havendo problema, responda com franqueza o que lhe for perguntado, mantenha a calma e sobretudo não entre em “bate-boca” nem desacate os funcionários. Se necessário, peça ajuda ao consulado brasileiro: você tem direito a isso.

Sites oficiais de turismo estrangeiros, sua utilidade

Quanto mais turístico e rico o lugar a que se refere, a tendência é que o site de turismo seja mais completo e bem bolado. As informações que esses sites contêm são, em princípio, as mais confiáveis que você pode encontrar, pois é o próprio órgão de turismo do governo que as fornece. Eles costumam ter versões em diferentes línguas. As iniciais IN (inglês); FR (francês); IT (italiano; Al (alemão); ES (espanhol); e PT (Português… raramente!), indicacom eles é um certo “oficialismo”, uma vez que, por serem governamentais, precisam manter neutralidade e não podem melindrar ninguém. Não têm como falar, como faz um guia de viagem, que tal lugar tem interesse turístico relativo ou que determinada cidade é a mais bela de uma região. Esse enfoque meio burocrático pode confundir um pouco o visitante do site. Por isso mesmo, preste atenção às imagens de cada lugar, que dão uma boa idéia do real interesse de cada atração para você.

ÁFRICA DO SUL www.southafrica.net – Site oficial de turismo. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. IN, FR, AL,

ALEMANHA www.visitealemanha.com – Oficial de turismo da Alemanha, completo e ilustrado. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. Também em PT.

ARGENTINA www.turismo.gov.ar – Site oficial de turismo da Argentina. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. ES, IN, PT

ARUBA www.interknowledge.com/aruba – Oficial do escritório de Turismo de Aruba. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes.IN

ÁUSTRIA www.austria-tourism.at – Oficial de turismo da Áustria. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes.. Abertura especial em português.

AUSTRÁLIA www.australia.com – Site oficial de turismo. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. Em várias línguas, inclusive PT

BAHAMAS www.bahamas.com – Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. Oficial das Bahamas. IN

BÉLGICA www.visitbelgium.com – Site oficial de turismo da Bélgica. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes.IN BOLÍVIA www.bolivia.com – Portal boliviano. Clique: Turismo. ES

BRASIL www.turismo.gov.br – Portal oficial brasileiro de turismo. Pois é, existe e tem muito mais informações do que você pode imaginar! Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes.

CANADÁ www.travelcanada.ca – Oficial de turismo do Canadá. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. Em várias línguas, inclusive PT.

CHILE www.sernatur.cl – Oficial de turismo do Chile. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes.ES

CUBA www.cubatrip.com – Aluguel de quartos em casas de famílias cubanas com autorização do governo. ES, IN,

DINAMARCA www.dt.dk – Site oficial de turismo da Dinamarca, fácil de navegar: as informações são divididas por região. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. IN, FR, AL, ES, IT

EGITO www.egypttourism.org – Site do governo egípcio. Clicar em “Tourism”. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. IN

ESPANHA www.tourspain.es – Oficial de turismo espanhol. Muito bom. ES, IN, FR, AL

ESTÔNIA www.visitestonia.com – Site oficial de turismo da Estônia. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes.IN, AL

ESTADOS UNIDOS www.theus50.com – Links para sites de 50 estados norte-americanos. IN

FINLÂNDIA www.finland-tourism.com – Site de turismo bem completo. Lindas fotos da Lapônia. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. IN, FR, AL, IT, ES, PT

FRANÇA www.franceguide.com – Site oficial da Maison de la France, órgão oficial de turismo do governo francês. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. Em diversos idiomas, inclusive PT

GRÃ-BRETANHA www.visitbritain.com – Oficial de turismo da Grã-Bretanha. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. Também em PT

GRÉCIA www.gnto.gr – Oficial nacional grego de turismo. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. GR, IN,ES

HOLANDA (PAÍSES BAIXOS) www.visitholland.com – Site oficial holandês de turismo. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. HO, IN, AL, ES, IT

HUNGRIA www.hungarytourism.hu – Site oficial de turismo da Hungria. IN, AL

ÍNDIA www.tourisminindia.com – Oficial de turismo do governo indiano. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. IN

IRLANDA www.shamrock.org – Oficial de turismo da Irlanda. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. IN

ITÁLIA www.enit.it – Site governamental italiano de turismo. Completíssimo. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes.Também em PT

JAPÃO www.jnto.go.jp – Site oficial da Organização Nacional de Turismo do Japão. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. IN, FR, AL

LETÔNIA www.latviatravel.com – Site oficial de turismo da Letônia. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. IN, FR, AL, ES

LITUÂNIA www.tourism.lt – Site oficial de turismo. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes.IN

MARROCOS www.tourisme-marocain.com – Oficial de turismo do Marrocos. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. Também em PT

MÉXICO www.visitmexico.com – Site oficial do Conselho de Promoção Turística do governo mexicano. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. ES, IN

NEPAL www.welcomenepal.com – Site oficial do Nepal Tourism Board. Completo. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes.IN, FR, AL, ES

NOVA ZELÂNDIA www.purenz.com – Site neozelandês de turismo. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. IN

NORUEGA www.tourist.no – Site oficial de turismo. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. IN, FR, ES

PERU www.peru.org.pe – Oficial. Super completo, com informações, links e dicas práticas para a organização de uma viagem pelo país. No item Servicios turisticos, links para agências de viagens, hotéis, transportes, vida noturna etc. ES, IN, AL

POLÔNIA www.travel-poland.pl – Informações turísticas em geral sobre a Polônia. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. IN

PORTUGAL www.visitportugal.com Oficial de turismo do país. Super completo.

REPÚBLICA DOMINICANA www.webdominicana.com – Portal de turismo da República Dominicana. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. ES, IN, FR

REPÚBLICA TCHECA www.czech.cz – Oficial do país, com seção dedicada ao turismo. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. IN

RÚSSIA www.russia-travel.com – Oficial de turismo do consulado russo nos EUA. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. IN

ST-BARTHÉLÉMY www.st-barths.com – Site de turismo de St-Barthélémy. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes.FR, IN

ST-MARTEEN www.st-maarten.com – Site oficial de turismo de St. Maarten. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. IN

SUÉCIA www.visitsweden.com – Oficial de turismo da Suécia. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. IN, FR, AL, ES

SUIÇA www.myswitzerland.com – Site oficial de turismo da Suíça. Todo tipo de informação. Muito bom, coisa de suíço! Diversos idiomas, inclusive AL, FR, IN, ES

TAILÂNDIA www.tourismthailand.org – Site oficial de turismo da Tailândia. Atrações turísticas, hospedagem, dicas úteis, transportes. Também em PT

TUNÍSIA www.tunisietourisme.com.tn – Oficial de turismo. IN, FR, AL

TURQUIA www.turkey.org – Oficial do país, com geografia, história, informações turísticas e fotos. IN

O que compensa comprar

• Artigos muito especiais: um vestido de formatura, um relógio para a vida toda, uma bolsa de grife, um livro antigo.
• Suvenires leves e inquebráveis para os amigos.
• O que é difícil de ser encontrado ou é muito mais caro no Brasil.
• Uma roupa ou sapato com um design pelo qual você se apaixonou.

O que não compensa comprar

• O que pode se quebrar ou estragar durante a viagem: produtos perecíveis e peças frágeis que não forem convenientemente embaladas.
• Artigos fabricados fora da União Europeia.
• O que puder ser encontrado a preço igual ou menor nos free-shops dos aeroportos brasileiros (consulte o site www.dutyfreedufry.com.br)
• Artigos com similares no Brasil com preços semelhantes.

Détaxe (devolução de imposto)

Sob certas condições, o viajante pode obter a devolução do imposto incidente sobre suas compras, o TVA (grosso modo, uma mistura de ICMS com IPI). O procedimento é meio burocrático, mas pode compensar muito, dependendo do valor gasto.

Os requisitos são os seguintes: ter pelo menos 15 anos de idade; não residir em país da União Europeia; não ter permanecido mais de seis meses consecutivos na União Europeia; sair da União Europeia, levando consigo a mercadoria, no máximo três meses depois da data da compra; e fazer compras no valor mínimo total de 175 € em um só dia na mesma loja. Há exceções: não podem ser computados nesse valor, por exemplo, alimentos e serviços (como consertos ou revelação de fotos). Nem todas as lojas oferecem devolução de impostos: pergunte antes de comprar ou procure por aquelas que anunciam “Détaxe” ou “Tax free”. Deixe claro, ao efetuar a compra, que você deseja obter esse benefício. Será necessário apresentar seu passaporte na loja.

Em geral, os grandes lojas têm setor especial de atendimento para quem quer requerer a détaxe. Apresentando seu recibo de compras e o passaporte, você recebe um borderô em três vias (rosa, amarela e verde), que deve ser guardado com cuidado.

Como o détaxe é utilizado nas diferentes lojas

Existem três diferentes diferentes de détaxe utilizados pelas lojas:
1) A loja já lhe devolve na hora (ou deduz do total da compra) o valor pago em impostos, mas fica com o número de seu cartão de crédito. No aeroporto, após carimbar o borderô, você deve colocar a via rosa num envelope e enviá-lo à loja pelo correio (não se preocupe, há caixas de correio nos aeroportos justamente para isso). Se você não mandar a via rosa carimbada para a loja, o valor dos impostos que lhe foram devolvidos será debitado em seu cartão de crédito.
2) Você paga o valor integral da compra e a loja posteriormente credita o valor do imposto no seu cartão de crédito, desde que você lhe envie pelo correio a via rosa devidamente carimbada.
3) Na Europa: você paga o valor integral da compra e recebe de volta os impostos no último aeroporto da União Europeia pelo qual passar.
Qualquer que seja o sistema utilizado pela loja onde você fez suas compras, chegue cedo ao aeroporto, pois as formalidades podem ser demoradas, principalmente em razão de filas. O borderô e as mercadorias correspondentes deverão ser apresentados na seção de détaxe (alfândega) do aeroporto (no caso da União Européia, no aeroporto onde você tomará seu avião para o Brasil.

Dicas

Se as mercadorias correspondentes ao borderô estiverem na mala que vai para o bagageiro do avião, lembre-se de passar pela détaxe antes de fazer o check-in. Deixe o borderô à mão e leve as mercadorias correspondentes a ele, se possível, na bagagem de mão, ou em um lugar bem acessível da bagagem de compartimento (o que evitará tirar quilos de roupa suja da mala para mostrar ao fiscal o relógio que está levando de presente para seu pai).

Se você estiver voltando de países do Oriente para a Europa com marcas europeias falsificadas (Bolsas Luiz Vitão ou camisas Lacosty por exemplo…) a alfândega do país onde você irá desembarcar poderá apreender a mercadoria. Fora a bronca, ou consequência mais grave.

Se você for a Cuba, comprar charutos ou rum e em seguida entrar em território americano, as compras serão apreendidas.

Dinheiro em viagem

Por Gisele Bruhns Libutti

Dinheiro em viagem: como transportar sua moeda cash?

Com quanto dinheiro você pode sair do Brasil ?

Qualquer turista brasileiro tem direito a levar consigo numa viagem até R$ 10.000 (dez mil reais) em dinheiro vivo ou em cheques de viagem sem precisar declarar à Receita Federal; acima desse valor, a declaração é necessária. Ao entrar em muitos países, você deverá declarar qualquer soma em moeda estrangeira acima de um determinado valor.

Dinheiro vivo ou cash

• Transportar dinheiro vivo tem suas vantagens: é muito mais fácil trocar uma nota de dólar do que um cheque de viagem, principalmente em pequenas cidades ou num final de semana, quando os bancos estão fechados.

• Por outro lado, andar com dinheiro vivo significa que você terá que tomar muito cuidado com eventuais furtos ou roubos. Se levarem seu dinheiro, levaram, e você não o recupera mais. De qualquer forma, nunca leve todo (nem a maior parte) de seu dinheiro em espécie; leve apenas o necessário, considerando para onde você vai e quais as facilidades para trocar cheques de viagem.

Cartão de crédito internacional

• São cada vez mais utilizados por todo mundo. Hoje, quase todos os cartões de crédito brasileiros são internacionais, ou seja, aceitos no exterior. A primeira grande utilidade do cartão de crédito na sua viagem é que ele é o modo mais fácil de se financiar a passagem, alugar automóvel e fazer reserva em hotéis, tudo com um mínimo de burocracia.

• Tenha sempre anotados o telefone da administradora e o número do cartão para o caso de extravio ou roubo. Não é demais recomendar que você confira tudo o que está assinando e se o cartão que estão lhe devolvendo é mesmo o seu.

• O cartão não dispensa a necessidade de levar dinheiro vivo ou cheques de viagem, pois nem tudo pode ser pago com ele.

Verifique a validade do seu e anote o telefone de contato com a operadora para casao de roubo ou extravio.

Cartão Pré-Pago

Você “carrega” o cartão em seu banco dom uma determinada soma em euros ou dólar e pode sacar no exterior ou pagar contas com ele.

Advertência: A crise econômica resultado do saque dos cofres públicos, somado à incompetência, quebrou o país. Com isso tentam arrancar dinheiro de onde podem. As taxas para uso de cartões internacionais dispararam de modo absurdo. Fale com seu gerente.

Cheques de viagem

• Os cheques de viagem antigamente muito usados, foram superados pelo cartão de crédito. Os cheques de viagem podem ser comprados nos principais bancos brasileiros (porém não em todas as agências) – em alguns deles, até mesmo pela internet! Eles podem ser emitidos em dólar, em euro ou mesmo em outra moeda.

• Se o pior acontecer (perda, furto, roubo), vá depressa até a Delegacia de Polícia mais próxima, registre a ocorrência e peça uma cópia da declaração. Depois informe a agência mais próxima da instituição que emitiu os cheques, que fornecerá novos cheques em substituição aos extraviados.

Cagliari, Itália
Cagliari, Itália

Dicas sobre a melhor época para a sua viagem: quando você vai se dar melhor

Que temperaturas, chuvas e tipo de clima o aguarda quando você irá desembarcar?

• Antes de se decidir a visitar um determinado país, informe-se sobre o clima que estará fazendo quando você desembarcar.

Viajar na época errada acaba com qualquer viagem

•Temperaturas muito altas, muito baixas, excesso de chuvas ou de ventos ou mesmo risco de eventos meteorológicos de maior gravidade, como tufões ou tempestades, podem literalmente acabar com uma viagem que teria sido perfeita se tivesse sido feita na estação adequada.

• Você pode, por exemplo, estar morrendo de vontade de conhecer o Canadá, só que fazê-lo no inverno deles (de dezembro a março) pode ser literalmente uma fria! Mesmo em Paris ou em Nova York, onde faz menos frio, a única coisa que vai querer, depois de caminhar uma hora ao ar livre em pleno inverno, é entrar em uma loja ou restaurante (qualquer lugar que tenha calefação…) ou até voltar para o hotel. Sem contar que diversas atrações fecham nessa época do ano.

• O calor tem o mesmo efeito: Roma, Sevilha ou Marrakech no verão são muito piores do que o Rio de Janeiro, porque no Rio pelo menos tem o mar…

Evite a todo custo viajar na época chuvosa

• Tão importante quanto a temperatura é também importante evitar viajar para um país em suas épocas mais chuvosas. Tem graça ir para a Índia ou a Tailândia e ficar trancado no hotel em razão das inundações, comuns durante as monções? Anote isso: chuva e viagem não combinam!

Alta estação: tudo caro e lotado

• Porém não é só com o clima que você deve se preocupar. No mundo todo, nas épocas de férias e de feriados, os lugares turísticos são sempre mais cheios e normalmente mais caros. Por exemplo, o mês de agosto é horrível em Veneza, não por causa do clima, mas porque está tudo insuportavelmente entupido de gente. Para sermos mais exatos, em quase qualquer lugar do mundo, agosto é um mês em que tudo está lotado, por uma razão muito simples: é a época de férias de verão no hemisfério norte e todo mundo está viajando – americanos, canadenses, europeus, japoneses… Obviamente, os preços disparam. E há filas até para se fotografar a Torre Eiffel. Além das férias, a realização de feiras, congressos ou mega-shows também lota as cidades. Informe-se sempre.

Importante: a época do ano em que você vai viajar tem muito a ver com a bagagem e tipo de roupas que vai levar consigo.

Veja a melhor época em diferentes destinos

América do Sul

Argentina: ArgentinaBariloche | Buenos Aires | Mendonza | Terra do Fogo |  Ushuaia

Brasil:  Bahia

Chile: Chile | Patagônia Chilena | Puerto Natales | Santiago |  Torres del Paine | Atacama

Peru: Peru | Arequipa | Cusco |  Machu Picchu | Vale Sagrado | Lima

América do Norte

Canadá: CanadáVancouver | Toronto | Québec | Montreal

Estados Unidos: Nova York

México: Ciudad de México  | México |

Ásia

Índia: Índia

Japão: Japão

Europa

Alemanha: Alemanha

Austria:  Áustria | Viena

Espanha: EspanhaSevilha | Barcelona | Madri

França: França | Alsácia | Normandia | Mont Saint-Michel | Paris | Vale do Loire | Bretanha |

Grécia: Grécia

Holanda: Amsterdã

Inglaterra: Londres

Itália: Itália | Costa Amalfitana | Florença |  Milão |  | RomaSicília |  Veneza |
Riviera italianaToscana |

Portugal: PortugalLisboa

Suécia: Suécia | Estocolmo |

Suíça: Suíça | Genebra | Zurich |

Oceania

Nova Zelândia: Nova Zelândia

Decidiu seu destino?

Veja sempre promoções de passagens aéreas e pacotes

Telefone em Londres

Telefonar do exterior e para o exterior

Telefonar do exterior para o Brasil

Telefonar do hotel é sempre muito caro. Dê preferência às centrais da companhia telefônica ou aos telefones públicos. Em diversos países existem cartões telefônicos internacionais, vendidos em bancas de jornal ou tabacarias. Certifique-se de comprar um específico para o Brasil ou para a América do Sul. Você deve raspar o cartão para que apareça uma senha a ser digitada em cada ligação. As demais instruções estão escritas nesses cartões, que são a opção mais barata que existe: com um só cartão, você fala, fala…e ainda tem muito tempo para falar!

Se você estiver no hotel ou usando cartões telefônicos comuns ou moedas, disque 00 (código mundial para ligações internacionais) + 55 (código do Brasil) + código de sua cidade no Brasil + o número do telefone desejado. Por exemplo, para ligar o número 234-5678, em São Paulo, disque 00 55 11 234 5678.

Telefonar a cobrar

O sistema Brasil Direto tem códigos específicos para cada país onde você possa estar. A chamada pode ser feita de qualquer telefone; às vezes é necessário colocar uma moedinha para obter linha e ser atendido por um operador brasileiro que fará a ligação para o telefone desejado. Lembre-se de que você está numa ligação internacional… não arruine sua namorada com declarações de amor!

Em inglês, ligações a cobrar chamam-se collect call e, em francês, appeller en PCV.

Códigos telefônicos de acesso da Embratel (do exterior para o Brasil a cobrar)

África do Sul – código telefônico: 0800990055
Alemanha – código telefônico: 08000800055
Argentina – código telefônico: 08005555500 | 08009995500 | 08009995503 | 08003217886
Austrália – código telefônico: 1800881550
Áustria – código telefônico: 0800200255
Bélgica – código telefônico: 080010055
Bolívia – código telefônico: 800100055
Canadá – código telefônico: 18004636656
Chile – código telefônico: 800360220 | 800800272
China – código telefônico: 108550
Colômbia – código telefônico: 9805551221 | 9809550010
Dinamarca – código telefônico: 80010055
Equador – código telefônico: 999177
Espanha – código telefônico: (1) 900990055
EUA (2) – código telefônico: 18002831055
Finlândia – código telefônico: 0800110550
França – código telefônico: (3) 0800990055
Grécia – código telefônico: 008005511
Holanda – código telefônico: 08000220655
Hungria – código telefônico: 0680005511
Israel – código telefônico: 18009205555
Itália (4) 1721055
Japão 00539551 | 006655055 |004411551
Luxemburgo – código telefônico: 08000055
México – código telefônico: 018001230221 (5) | 008005521000 (6)
Noruega – código telefônico: 80019550
Nova Zelândia – código telefônico: 000955
Panamá – código telefônico: 008000055175
Paraguai – código telefônico: 00855800
Peru – código telefônico: 080050190
Polônia – código telefônico: 008005511100 (depois do primeiro 0, aguarde o tom de chamada)
Portugal – código telefônico: (7) 800800550
Reino Unido – código telefônico: 0800890055 | 08000567442
Rússia – código telefônico: 8108001101055
Suécia – código telefônico: 020799055
Suíça – código telefônico: 0800555251
Uruguai – código telefônico: 000455
Venezuela – código telefônico: 08001001550

Avião

Aeroportos brasileiros por cidade e estado da federação

ACRE
RIO BRANCO

Aeroporto Internacional de Cruzeiro do Sul A 18 quilômetrosdo centro.  (68) 3322-4343

Aeroporto Internacional de Rio Branco  A 7 km do centro. (68) 211-1003/1110/5479

AMAPÁ
MACAPÁ
Aeroporto Internacional de Amapá
A 3 km do centro.  (96) 3223-4087

AMAZONAS
MANAUS
Aeroporto Internacional Eduardo Gomes
A14 km do centro.  (92) 3652-1210

ALAGOAS
MACEIÓ

Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares. 25 km do centro. (82) 3214-4000

BAHIA
SALVADOR

Aeroporto Internacional Dep. Luiz Eduardo Magalhães 28 km do centro. <tel/> (71) 3204-1010

ILHEUS
Aeroporto Jorge Amado
Recebe vôos charters de São Paulo, Brasília, Belo Horizonte e Rio de Janeiro, além de vôos internacionais da Argentina. É a principal porta de entrada de turistas que visitam as praias do sul da Bahia. A 3 km do centro (73) 3231-4000

CEARÁ
FORTALEZA
Aeroporto Internacional Pinto Martins
6 km DO CENTRO. (85) 3477-1200

ESPÍRITO SANTO
VITÓRIA
Aeroporto Eurico de Aguiar Salles (Vitória) -A 10 km do centro.  (27) 3083-6300

DISTRITO FEDERAL
BRASÍLIA
Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek
A 11 km do centro.  (61) 3214-9000/3214-6036/6224

GOIÁS
GOIÂNIA
Aeroporto de Goiânia
A 8 km do centro.(62) 3265-1500

MINAS GERAIS
BELO HORIZONTE
Aeroporto Internacional Tancredo Neves

Rodovia MG 10 – km 39;  (31) 3689-2700

Pampulha Opera apenas vôos regionais para o interior do Estado de Minhas e mantém, temporariamente, sete vôos diários com destino a São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.  (31 (11) 6445-2945

MARANHÃO
SÃO LUÍS
Aerporto Internacional Marechal Cunha Machado
A 15 km do centro. (98) 3217-6100/3217-6105

MATO GROSSO
VARZEA GRANDE
Aeroporto Internacional Marechal Rondon
A 10 km do centro.  (65) 614-2500

MATO GROSSO DO SUL
CAMPO GRANDE
Aeroporto Internacional de Campo Grande
A 7 km do centro.  (67) 3368-6010

CORUMBÁ
Aeroporto Internacional de Corumbá A 3 km do centro.  (67) 3231-3322

PARAÍBA
JOÃO PESSOA
Aerporto Internacional Presidente Castro Pinto
10 km do centro.  (83) 3232-1200

PARÁ
BELÉM
Aeroporto Internacional de Belém
A 12 km do centro.  (91) 3210-6000.

PARANÁ
CURITIBA
Aeroporto Internacional Afonso Pena
A 18 km do centro.  (91) 3210-6000

FOZ DO IGUAÇU
Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçú  A 12 km do centro.  (45) 3521-4200

PERNAMBUCO
RECIFE
Aeroporto Internacional Guararapes
Fica a 11 km do centro.  (81) 3464-4188

PIAUÍ
TEREZINA
Aeroporto Senador Petrônio Portella
Fica a 11 km do centro.  (86) 3225-2947/2600

RIO DE JANEIRO
RIO DE JANEIRO
Aeroporto Internacional do Galeão
(Aeroporto Antonio Carlos Jobim) Fica na Ilha do Governador a 20 km do centro.   (21) 3398-5050

Aeroporto Santos Dumont – Opera somente a ponte aérea- Rio-São Paulo.  (21) 3814-7070

RIO GRANDE DO NORTE
NATAL
Aeroporto Internacional Augusto Severo
A18 km do centro.  (84) 3644-1070/3644-

RIO GRANDE DO SUL
PORTO ALEGRE

Aeroporto Internacional Salgado Filho  A 10 km do centro. –  (51) 3358-2000

RONDONIA
Porto Velho

Aeroporto Internacional Governador Jorge Teixeira de Oliveira A 7 km do centro. (69) 3025-7450

RORAIMA
BOA VISTA
Aeroporto Internacional de Boa Vista.

A 3,5 km do centro.  (95) 3623-9394/6629

SANTA CATARINA
FLORIANÓPOLIS

Aeroporto Internacional de Florianópolis A 12 km do centro. (48) 3331-4000


SÃO PAULO
Aeroporto Internacional de Guarulhos (Gov. André Franco Montoro)
Principal aeroporto brasileiro, opera vôos nacionais e para dstinos em todo o mundo. A 25 km do centro   (11) 6445-2945

Aeroporto Internacional de Viracopos
( Campinas)
Localizado a 14 quilômetros do centro de Campinas e a 99 quilômetros de São Paulo, o Aeroporto Internacional de Viracopos tem acesso pelas rodovias Santos Dumont, Bandeirantes e Anhanguera.  (19) 3725-5000
Congonhas (São Paulo) Av. Washigton Luís s/n – <tel/>  (11) 5090-9000. Situado em área urbana.

SERGIPE
ARACAJÚ

Aeroporto de Aracajú12 km do centro  (79) 3212-8500/8502

TOCANTINS
Palmas
20 km do centro.  (63) 3219-3700

Dicas gerais de viagem: nossas dicas

Dicas variadas

• Peça um ou mesmo vários cartões do hotel onde você se hospedar com o endereço e telefone. Isso é particularmente útil nos países em que até a escrita é diferente da nossa (Índia, China, Tailândia, etc.) e pouca gente fala inglês. Geralmente esses cartões vêm com o endereço escrito em inglês de um lado e no idioma local de outro.

• Claro, depende de quem lhe pede e do que for pedido… mas evite sempre que possível aceitar encomendas de “amigos”: “A pecinha que quebrou nesse aparelhinho deve custar super barato por lá. Compra que na volta a gente acerta…”. Você acaba passando os dias que reservou para visitar as atrações da cidade tentando achar a tal pecinha, procurando atender a lista de pedidos de objetos exóticos que lhe encomendaram e gastando uma fortuna em táxi.

• Normalmente você vai precisar delas para usar banheiros públicos. Alguns são limpos e quebram o galho numa emergência. Outros, mesmo pagos, principalmente nos países mais pobres, são bem sujos. Não importa o país, uma boa idéia é utilizar os banheiros de lojas de departamento e shopping centers, normalmente mais limpos. Lembre-se de que, sobretudo na Europa, os banheiros de bares e lanchonetes são de uso privativo dos clientes. Você terá que pedir um café ou uma água mineral se quiser utilizá-los.

• Evite gestos como o nosso “tudo bem” (o dedão para cima) ou outro qualquer que, inocente para nós, pode ser um insulto no exterior. Nada daqueles tradicionais tapinhas nas costas tipicamente brasileiros ou beijinhos no rosto, a não ser que você tenha certeza do que está fazendo, pois em diversos países esses modos poderão parecer muito estranhos. Por outro lado, na Rússia, um marmanjo barbudo poderá beijar outro na boca; não estranhe, é o costume local.

• Anote em lugar visível, se possível no passaporte, seu tipo sangüíneo.

• Leve com você cópia de documentos importantes: o passaporte (página com sua foto e identificação e páginas com vistos dos países que você vai visitar), a passagem e o Certificado de Vacinação. Uma cópia autenticada do CPF e do RG pode ser útil em caso de extravio de passaporte.

• Ao mudar de fuso horário, acerte seu relógio na hora local. Quando é diferença é grande, como nos vôos para Europa, você naturalmente cuidará disso. Mas quando se trata de uma pequena diferença, você tem a tendência de esquecer desse detalhe, o que poderá fazê-lo perder o vôo ou o trem.

• Para quem se hospeda em hotéis simples, pode ser mais gostoso e barato tomar café da manhã em algum bar próximo ao hotel ou no próprio quarto (se ele tiver um frigobar e houver um bom mercado por perto). Existe um pequeno apetrecho elétrico, que quase não ocupa espaço na bagagem, para ferver água.

Dicas sobre passagens aéreas e embarque

• Quando for feita a emissão de sua passagem no Brasil, verifique se o seu nome está redigido corretamente e procure verificar se também está certo na listagem da companhia aérea. Como tudo é informatizado, o fato de o seu sobrenome Silva estar escrito Zilva é suficiente para que ele não seja localizado no computador da companhia. Você poderá se ver diante de um funcionário com uns neurônios a menos, que simplesmente dirá que seu nome foi “cancelado” (grrrr!) da lista, apesar de você ter, na sua mão, o papel de confirmação do vôo com o status “ok”. Tem solução, é claro, mas é uma dor de cabeça.

• Um dos segredos de se viajar barato é ficar, meses antes da viagem, de olho nas promoções de passagens e pacotes anunciadas em jornais e revistas de turismo.

• Fique atento a conexões muito apertadas em que você tenha que fazer os cem metros rasos de um avião para outro. Ou mesmo de um aeroporto para outro. É no mínimo desgastante.

• Sempre que você fizer um vôo com conexão, confirme em que aeroporto ela será feita, pois muitas cidades têm dois (ou até mais) aeroportos, um, às vezes, bem distante do outro. Nas grandes cidades, no caso de você chegar num vôo internacional e pegar um vôo doméstico, é bem provável que precise trocar de aeroporto. Não despreze o tempo de deslocamento: você já pensou quanto tempo leva, em São Paulo, para ir de Cumbica a Congonhas?

Dicas sobre compras

• Quando você faz uma compra em qualquer lugar do mundo, paga um imposto que pode estar incluído ou não no preço da mercadoria adquirida. Os turistas, contudo, podem obter, em diversos países, a restituição desse imposto. Para isso é preciso apresentar no caixa da loja o passaporte e preencher um formulário próprio que deverá ser apresentado na alfândega do aeroporto. A nota fiscal de compra também é necessária; solicite-a. Em alguns países o valor do imposto pago é restituído ainda no aeroporto e em outros, encaminhado pelo correio. Quem pretende obter essa restituição deve chegar mais cedo ao aeroporto, pois os procedimentos podem tomar algum tempo. A restituição do imposto é possível em diversos países europeus, no Canadá e na Argentina, dentre outros.

Dicas sobre gastronomia

• Vários povos têm restrições alimentares que devem ser respeitadas, pois decorrem de suas religiões: por exemplo, você já deve saber que muçulmanos não comem carne de porco; os judeus mais ortodoxos, além de não comerem carne de porco, não misturam carne com leite ou derivados; na Índia não se come carne bovina etc. Portanto, para não passar por ignorante ou mal-educado, fique de olho nos costumes do país onde está e… adapte-se aos cardápios locais!

• Se você se preocupa com o tipo de culinária que o espera, saiba que se pode comer bem em praticamente qualquer país do mundo. Existem restaurantes franceses em Hong Kong, gregos no Nepal, italianos em Cuba, mexicanos na Noruega… Sempre há escolhas.

• Não é em todo lugar que adoçantes artificiais são consumidos corriqueiramente como no Brasil. Leve o seu.

Dicas sobre segurança

• Em alguns países, o assédio sobre os turistas de ambos os sexos é grande. Mesmo que isso alimente o seu ego, não seja ingênuo (a) a ponto de pensar que todas as cantadas que você recebe são desinteressadas. Pode haver segundas, terceiras e até quartas intenções.

Dicas sobre saúde

• Se você passou dos quarenta anos ou tem problemas de pressão e for para lugares altos (o Altiplano no Peru, por exemplo), converse com seu médico. Talvez seja bom ter consigo um medicamento sobre o mal de altitude (“el soroche”).

• Tenha consigo uma pequena caixa de medicamentos com aqueles remédios de uso contínuo, além de aspirina, um protetor hepático tipo engov ou plasil. A mudança de alimentação também pode provocar problemas gastro-intestinais. Previna-se. Leve também esparadrapo, gaze, mertiolato ou similar.

Dicas sobre dinheiro

• Tenha sempre dinheiro trocado e muitas moedas com você. Motoristas de táxi, por exemplo, nunca têm troco.

• Mesmo tendo cartão de crédito ou cartão do tipo pré-pago, leve uma quantia cash numa bolsa de cintura dentro da roupa, para alguma emergência. Só não ponha na meia… certos políticos têm abusado desse expediente!

Dicas econômicas

• Você não precisa almoçar e jantar todo dia em restaurantes, principalmente se não estiver nadando em dinheiro. Há lanches servidos em quiosques que são muito bons: crepes deliciosas na França, pizza em pedaços na Itália, churrascos gregos no pão pitta (não só na Grécia), batatas fritas e salsichas na Bélgica, fish and chips na Inglaterra, etc. Fast-foods são baratos, geralmente não mais de cinco ou seis dólares. Para os estudantes há ainda restaurantes universitários em diversos países onde a Carteira Internacional de Estudante é aceita (sai um pouco mais caro do que para estudantes locais, mas ainda assim compensa).

Dicas sobre comunicação com o Brasil em viagem

• Leve com você os códigos para chamar o Brasil diretamente ou a cobrar. Lá fora será muito mais difícil obtê-los.

• Leve também os telefones de parentes ou amigos de confiança no Brasil a quem você possa recorrer em caso de algum problema mais sério, do consulado brasileiro, da sua seguradora e de seu cartão de crédito.

Dicas sobre as atrações turísticas

• Nunca vá a um museu, castelo, palácio, parque etc. sem antes confirmar não só o seu horário de funcionamento, como também se ele estará aberto naquele dia. Isso vale especialmente para lugares distantes dos centros urbanos. Os horários de visita ou de funcionamento de muitas atrações turísticas podem variar conforme a estação do ano (por exemplo, fecham mais cedo ou simplesmente não abrem durante o inverno). Muitas fecham um ou mais dias por semana (o que ocorre com quase todos os museus) e podem eventualmente estar fechadas para reformas. Nesse ponto, nunca confie cegamente nos guias de viagem; telefone antes, fale com a recepção do hotel ou com o escritório de turismo.

• Procurando companhia para viajar? Tente o mural de nosso site ou do www.albergues.com.br.

Veja preços de pacotes e passagens aéreas

Café no bairro de Marais, Paris
Café no bairro do Marais

Segurança em viagens : nossas dicas

As novidades na Europa – Importante!

Fique muito atento em Paris e outras cidades ricas da Europa Ocidental. Meninas bem jovens da Europa Oriental – que, pelas leis francesas, por exemplo, não podem ser presas por furtos – estão agindo em grupo, em verdadeiras gangues. Elas nunca têm documento de identidade e sempre declaram ter 13 anos. Vestem-se muito bem. Portanto, vamos repetir: NUNCA coloque sua carteira no bolo de trás da calça. Guarde seu passaporte, cartão de crédito e dinheiro em bolsas internas, por dentro dentro da roupa. Não coloque nada de valor em bolsa de mão. Nunca tenha carteira ou bolsa na mão perto da porta nos vagões do metrô.

As meninas agem em geral em museus, mercados, meios de transporte e  outros locais públicos, como bares, restaurantes e cafés. Um dos truques que elas utilizam em aeroportos é  jogar água em pessoas que conversam distraidamente. Depois as meliantes olham para o teto como se houvesse ali uma goteira. Todos olham para cima também. Nesse meio tempo, as malas são furtadas.

Um detalhe: as vítimas são sempre turistas.  

Nossos conselhos básicos sobre segurança em viagens

• É ilusão imaginar que mesmo em países ricos você estará a salvo de algum tipo de violência: o turista é sempre um dos alvos preferenciais dos marginais.

• Em primeiro lugar, procure ser discreto. É verdade que no Marrocos ou na Índia você dificilmente será confundido com alguém do país, mas também não precisa estar com uma placa “sou turista” na testa, no gênero bermuda, camisa estampada, boné e filmadora.

• Nunca transporte o grosso de seu dinheiro nem seu passaporte e documentos importantes em bolsas a tiracolo. Você pode optar pela velha bolsa de tecido resistente, usada por dentro da roupa, fechada com zíper ou velcro e presa com um elástico resistente em volta da cintura. Por precaução, faça-a numa cor clara e anote nela seu nome e número de passaporte

• Deixe na carteira apenas pequenas somas em moeda do país para os gastos diários.

• Nunca coloque sua carteira no bolso de trás da calça ou bolsa de mão. Coloque-a no bolso da frente da calça, do blusão ou numa pochette de cintura. Esta, principalmente em lugares lotados, devem estar na frente, nunca na lateral.

• Em alguns países os batedores de carteira são tão hábeis que, sem exagerar demasiadamente, diríamos que conseguem roubar sua meia sem tirar a seu sapato! Leve consigo apenas o que for realmente necessário. Evite sair com documentos importantes e – se você não for fazer compras – cartões de crédito. Faça com que, se você for roubado, o prejuízo seja mínimo.

• O passaporte brasileiro é um atraente objeto de cobiça em muitos países, onde chega a ser vendido no mercado negro. Proteja-o. Se for possível, ande apenas com o xerox do passaporte e um cartão de visitas do hotel.

• Os cheques de viagem (ou cartões de débito, tipo Travel Money) são sua segurança. O que é realmente importante é nunca guardá-los junto com o recibo de compra nem com o passaporte.

• Muitos hotéis possuem cofres de segurança nos quartos ou na recepção: use-os para valores mais altos ou também para os cheques de viagem se você não se sente seguro em deixá-los dentro da mala, no quarto.

• A grande maioria dos furtos ocorre em locais em que há grande concentração de pessoas, como mercados, estações, ônibus, metrô e trens lotados. O roubo de bagagem também é comum nas estações e nos saguões de aeroportos. Fique de olho. Viajando de ônibus pela América do Sul e Ásia, cuidado com bagagem colocada nos compartimentos de carga nas paradas pelo caminho. Outro golpe clássico: ao chegar com as malas na portaria de um hotel, fique atento se três ou quatro pessoas entrarem simultaneamente. Pode ser que não sejam exatamente turistas… e enquanto você está ocupado falando com o recepcionista ou preenchendo sua ficha de hóspede, as malas desaparecem.

• Não ande a pé na rua em lugares desertos ou bairros tido como perigosos pela população local. Esse conselho é particularmente importante em grandes cidades, para pessoas sozinhas e para mulheres, mesmo que estejam em grupo.

• Desconfie de pessoas que o abordem para oferecer um táxi clandestino em um aeroporto ou estação.

• Nas praias, não abandone seus objetos na areia ao entrar na água.

• Cuidado com novas “amizades” e convites de estranhos em viagem. Isso vale duplamente para mulheres que estejam viajando sozinhas. Cuidado inclusive com paqueras, sobretudo em países onde existe o chamado turismo sexual.

• Se alugar automóvel, não deixe a bagagem visível dentro do veículo. Se isso for inevitável, estacione o veículo em um lugar seguro. Até mesmo no ultra tranquilo interior da França tivemos conhecimento de que uma turista brasileira, ao deixar a bolsa dentro do carro e descer alguns minutos para fotografar, teve a surpresa de ver a janela do veículo quebrada. Sua bolsa, claro, foi levada. Por sorte, passaporte, dinheiro, cartões de crédito e Iphone estavam com ela.