Booking.com

St-Germain-des-Près

Turismo em Paris, St-Germain des Prés. na Rive Gauche, um bairro boêmio,com cafés famosos, atrações, dicas, informações e curiosidades.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

St-Germain-des-Près, um bairro cheio de charme e história

“Ils avaient vu la guerre ou étaient nés après et s’étaient retrouvés à St-Germain-des-Prés”
(“Eles viram a guerra ou nasceram depois e se reencontraram em St-Germain-de-Prés”)
Da canção Les Amis de Georges, de Georges Moustaki

Mapa de Saint-Germain des Prés

St-Germain-des-Près é um dos mais charmosos bairros de Paris, com uma famosa tradição boêmia e intelectual, e um dos melhores lugares para você ter uma ideia de como era a cidade nos tempos da Revolução. Sua origem remonta ao século VI quando, por orientação do bispo Germain, foi construída uma abadia com uma igreja e um mosteiro em volta do qual começou a se formar uma aldeia. Com a morte do bispo, a igreja passou a se chamar St-Germain, nome que se estendeu ao bairro.

A abadia de St-Germain foi muito rica e poderosa durante toda a Idade Média. No século XVII, o bairro tornou-se um importante centro intelectual e artístico, ponto de encontro dos iluministas e revolucionários. Lá, em 1686, foi fundado o primeiro café de Paris, o Procope, que deu início à tradição dos “cafés-literários” do bairro e foi frequentado, na época, por Rousseau, Diderot, D’Alembert, Voltaire, Benjamin Franklin, Danton e Marat. Diz-se que os esboços preliminares da Encyclopédie foram rabiscados lá. A antiga abadia foi destruída por um incêndio durante o período revolucionário, mas nem por isso St-Germain perdeu sua importância. A igreja e o palácio da abadia foram restaurados no século XIX — em parte graças a uma campanha promovida por Victor Hugo — e o bairro logo retomou sua vocação.

Vídeo dobre Saint-Germain-des-Prés

O bairro dos artistas

Diversos artistas frequentaram ou moraram em St-Germain-des-Prés no século XIX: escritores como Balzac e Georges Sand, poetas como Verlaine, Rimbaud e Baudelaire e pintores como Delacroix, Ingres e Manet. O filósofo Auguste Comte, criador do Positivismo, morou no nº 10 da rue Monsieur le Prince. Mais tarde, já no século XX, Picasso também acabou se instalando por lá e em 1937, no seu atelier no nº 7 da rue des Grands Augustins (frequentado por seu amigo Man Ray), terminou a obra-prima Guernica.

Mesmo durante a Segunda Guerra, St-Germain continuou sendo o lugar favorito dos intelectuais. Lembre-se de que Ernest Hemingway, mesmo vivendo pobremente, estava convicto de que Paris era uma festa. Jean-Paul Sartre e Simone de Beauvoir iam todos os dias escrever, trocar ideias e se aquecer no Café de Flore. Curiosamente, os alemães não molestaram os filósofos do bairro. Talvez não os levassem a sério…

A onda existencialista

Quando Paris foi libertada, a arte teatral tomou impulso e obras de autores inovadores foram encenadas nos teatros de St-Germain, dentre elas Esperando Godot, de Samuel Beckett, e O Rinoceronte, de Eugène Ionesco. Embora Sartre não visse com bons olhos sua filosofia virar modismo, a onda existencialista tomou conta do bairro boêmio e escolheu Anne-Marie Cazalis, Juliette Gréco e Anabelle como suas musas inspiradoras. Quem não posasse de existencialista (mesmo que não tivesse ideia o que isso significava de fato) estava irremediavelmente out!

Se a cantora dos existencialistas era Juliette Gréco, seu poeta era Jacques Prévert, que em 1947 havia lançado Paroles e visto sua fama se expandir subitamente de St-Germain para o mundo. A obra virou livro de cabeceira da juventude que, àquela altura, começava a se “transviar”.
Entre os grandes nomes da boa música popular francesa que moraram em Saint-Germain ou que frequentaram o bairro no século XX, estão Jacques Brel, Léo Ferré, Georges Brassens, Charles Aznavour, Charles Trénet e Serge Gainsbourg. Americanos como Miles Davis e Duke Ellington, por seu lado, ajudaram a divulgar o bom jazz no Blue Note e no Club St-Germain. Talvez tenha sido graças a eles que o jazz tornou-se tão conhecido e apreciado pelos franceses.

Até hoje, St-Germain-des-Prés faz o gênero “intelectual-chic” e é o lugar preferido de estudantes, professores, artistas, filósofos, pseudofilósofos, gauchistas-caviar e outros curiosos espécimes do folclore parisiense, mas também tem um lado bem “burguês” e vem sendo escolhido por estilistas famosos para a instalação de seus ateliers ou filiais. Seu comércio é variado e elegante: moda, livros, objetos de arte, antiguidades, tudo o que há de mais branché em Paris pode ser encontrado por lá.

Os famosos cafés

Dentre os estabelecimentos famosos, não é só o lendário Procope que resiste até hoje. Ainda existem famosos cafés queridos pelos existencialistas e por outras grandes cabeças do século XX: o Flore, no Bd. St-Germain, e o Les Deux Magots, bem em frente à igreja de St-Germain-des-Prés. A Brasserie Lipp, inaugurada em 1890 no bd St-Germain, também está em pé. Hoje, porém, é mais provável encontrar por lá turistas do que filósofos. C’est la vie!

O bairro é calmo, com exceção da agitação do Bd. St-Germain e do trânsito louco da rue des Saints-Pères. Nele, é gostoso passear a pé e esquecer da vida: parar num café perto da igreja de St-Germain, fuçar uma livraria, ver as vitrines dos antiquários, sentir o clima da Place St-Sulpice, comer bem numa brasserie, dar um pulo até a beira do Sena… E reconhecer que seus moradores e frequentadores famosos tiveram muito bom gosto! Uma curiosidade: o esquisito adjetivo germanopratine designa tudo o que é relativo ao bairro de St-Germain-des-Près.

Dicas de ruas e atrações mais badaladas

Saint-Germain tem ruas, passages e lugares badalados. Conheça-os

Informações práticas sobre Paris

Como ir a Paris

Veja passagens aéreas e pacotes

Onde dormir em Paris

O Booking.com é um meio fácil e seguro de reservar seu hotel ou apartamento em cidades no mundo todo. Você não paga nada a mais por isso. Você pode pesquisar ofertas entre uma enorme variedade de estabelecimentos

Escolha e reserve seu hotel em Paris

Maquina fotografica

Paris em imagens  Fotos dos lugares de especial interesse turístico.

A França  em imagens  Verdadeira viagem fotográfica pela França. Dezenas de fotos das regiões Sul, Norte e Centro da França

Booking.com

Mais posts

Marais, na Rive Droite, Paris

As ruas pitorescas do Marais

No bairro do Marais, em Paris, há ruas medievais com imóveis que também datam da Idade Média, onde o charme e a história convivem com o moderno.

Musée Jacquemart Andre, Paris, Foto Molly SVH CCBY

Musée Jacquemart-André

Turismo em Paris, o Musée Jacquemart-André, instalado em um belíssimo palacete renascentista, suas coleções de arte, informações e dicas.

Ponte japonesa, Jardin de Claude Monet - fundation Monet

Os melhores lugares perto de Paris

Os melhores lugares perto de Paris: informações e dicas sobre Versailles, Fontainebleau, Mont St-Michel, Giverny, Provins, Chartres, Vale do Loire e outros.