Alfândega

Dicas sobre os cuidados a ter antes de passar pela alfândega durante sua viagem.

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Sua condição de turista estrangeiro não o livra da alfândega de outros países. Na maioria dos aeroportos do mundo, quando você desembarca, há duas saídas na alfândega: “nada a declarar” (verde) e “bens a declarar” (vermelho). Em inglês, nothing to declare e goods to declare. Você escolhe. Porém, nada impede que, se você optar pelo “nada a declarar”, um fiscal resolva abrir sua bagagem ou você seja escolhido por amostragem pela fiscalização… E lá se vai um tempo perdido na sua viagem!

O importante é ficar tranquilo, ter paciência e em nenhuma hipótese desrespeitar o funcionário que pedir para você abrir sua mala. Ele tem o direito de examiná-la e em geral quer fazer isso o mais rápido possível para não gerar filas nem confusão.

As restrições mais comuns nas alfândegas

A legislação de cada país é diferente com relação ao que se pode trazer e com o que se pode sair de seu território na qualidade de turista. São comuns restrições a valores altos em dinheiro vivo e grandes quantidades de bebidas alcoólicas e tabaco.

Partir levando peças de arte, antiguidades ou imagens sagradas é proibido em certos países, podendo até configurar crime.

Havendo dúvida, informe-se antes junto ao respectivo consulado sobre a legislação do país.

Cuidado com produtos fake

Muitos fiscais da alfândega são severos ao encontrar relógios, bebidas, camisas e perfumes falsificados nas compras de turistas provenientes de países que toleram a cópia de marcas famosas. Normalmente todas as mercadorias são apreendidas e o turista, no mínimo, leva uma “bronca”. Se a quantidade for expressiva, denotando intenção de revenda, é problema grande na certa.

Alimentos e produtos vegetais ou animais

Em geral, todos os países proíbem a entrada de qualquer produto vegetal ou animal e de alimentos não pasteurizados ou industrializados: frutas, plantas e queijos não industrializados, por exemplo.

Isso acontece para evitar a disseminação de pragas agrícolas, de doenças ou até a introdução de alguma espécie não nativa que cause um desequilíbrio ecológico. Apesar da proibição, as alfândegas não são igualmente rígidas. A rigidez varia, mas esse não é um bom motivo para se arriscar a ter problemas legais em outro país.

Certos países, como Chile, Argentina, Estados Unidos e Nova Zelândia, entre outros, têm verdadeiro pavor de pragas agrícolas: uma simples maçã pode lhe causar um problemão na alfândega!

Booking.com

Mais sobre o assunto:

Receba nossa newsletter

Dicas e detalhes de quem já passou por lá!

O Manual do Turista quer te inspirar com informações que farão a diferença na sua viagem.