Pavia
Ponte Coperto, Pavia, Itália - Foto Groume CCBY SA
Pavia, Itália. Ponte Coperto- Foto Groume CCBY SA

Pavia

Muita gente quando vai a Pavia só pensa em visitar sua famosa Certosa, mas a cidade, da época dos romanos, reserva boas surpresas aos seus visitantes em razão do rico patrimônio arquitetônico, composto por palácios, igrejas e várias torres, algumas construídas por Leonardo da Vinci.

Capital da Lombardia durante a Idade Média (mesmo que isso nos dias de hoje pareça surpreendente), Pavia era uma poderosa rival de Milão. Tentar entender porque alguns lugares se desenvolvem tanto enquanto outros permanecem parados no tempo é um bom tema para uma tese de História!

Pavia Turismo: site oficial.

Mapa de Pavia

Como ir

Veja pacotes e passagens aéreas na Itália

Trem

A partir da estação central de Milão a viagem demora 23 minutos.

Carro

A partir de Milão (30 km), pegue a S35 em direção a Pavia.

Vídeo sobre Pavia

Principais atrações turísticas de Pavia

Certosa de Pavia

Fica fora da cidade, entre Pavia e Milão. Há ônibus direto de Pavia e de Milão (Viale Bligny/Farmagosta). Fecha às segundas-feiras.

A Certosa (em português, “cartuxa”) de Pavia, um mosteiro da ordem dos cartuxos, é um conjunto arquitetônico enorme, dominado pela imponente igreja, que hoje constitui um dos mais importantes pontos turísticos do norte da Itália. Fundada no fim do século XIV por vontade de Gian Galeazzo Visconti, da poderosa família milanesa, a cartuxa teve sua construção concluída apenas no século XVI. A fachada harmoniosa da igreja, riquíssima em detalhes, é uma obra-prima da arquitetura renascentista lombarda. Seu interior, gótico, é repleto de obras de arte: pinturas, esculturas e até mesmo mosaicos feitos com pedras semipreciosas.

O transepto – No lado esquerdo do transepto está o monumento funerário de Ludovico Sforza (conhecido como “il Moro”), e de sua esposa Beatriz d’Este, onde há estátuas de ambos, representados deitados lado a lado. Do lado direito fica o túmulo de Gian Galeazzo Visconti.

Os claustros – Muito interessantes são o pequeno claustro, onde há um bem cuidado jardim, e o grande claustro, um amplo espaço ladeado por um corredor com colunas. Repare no telhado as chaminés das celas dos monges.

Certosa de Pavia: Site oficial.

Castello Visconteo

Viale XI Febbraio, 35 Abre de terça a domingo das 10h às 17h50h. Em julho, agosto, dezembro e janeiro, somente das 9h às 13h30.

Hoje a enorme fortaleza retangular da época dos Visconti só tem duas de suas torres: todo o lado norte do castelo foi destruído pelos franceses em 1527. Nele funciona atualmente um museu com coleções municipais de pintura, escultura e arqueologia. Na sua área central, em volta do grande pátio aberto, fica o corredor em arcos, fechando os três lados do castelo que permaneceram intactos.

Duomo

Piazza Vittoria. A catedral renascentista de Pavia começou a ser construída em 1488 por Leonardo da Vinci e Bramante a mando do cardeal Ascanio Sforza, irmão de Ludovico, il Moro. Os Sforza estavam então com a bola toda! Sua cúpula, um trabalho extraordinário para a época, tem 82 metros de altura e é uma das maiores da Itália. Por isso mesmo, depois que desmoronou a torre do século XI, que ficava ao lado, o templo está sendo alvo da atenção dos engenheiros.

Palazzo Comunale

Na Piazza Vittoria, além do Duomo, há outra obra arquitetônica de primeira grandeza: o medieval Palazzo Comunale, ou Broletto, do século XIII, um dos mais antigos palácios comunais da Itália.

San Pietro in Ciel d’Oro

Piazza San Pietro in Ciel d’Oro, 2. A igreja foi construída para abrigar o corpo de Santo Agostinho, oferecido no século VIII pelos piratas sarracenos aos cristãos, que pagaram um preço salgado pela relíquia. Na época não havia exame de DNA, mas os piratas (gente, como todos sabem, da maior confiança) garantiram que aqueles eram os restos mortais do santo. O nome dessa igreja se deve ao fato de ter, no passado, um mosaico todo em ouro em sua abside, representando o céu. Infelizmente, os revolucionários franceses que ocuparam Pavia no fim do século XVIII, um tanto anticlericais, levaram o ouro embora e utilizaram a igreja como depósito militar. O túmulo de Santo Agostinho foi poupado e está lá até hoje.

San Michele

Piazza San Michele. Construída na primeira metade do século XI com blocos de arenito que lhe dão um tom bege-rosado, a igreja românica de San Michele é uma das mais antigas da Itália e teve tanta importância nos tempos de glória da cidade que Federico Barbarossa foi coroado imperador ali. A grande fachada tem muitos – e curiosos – relevos com temas bíblicos e mitológicos, dentre os quais sereias e leões alados. Sobre a porta principal, São Miguel pisoteia o dragão. No seu interior, o que mais chama a atenção são os detalhes esculpidos e os mosaicos.

Ponte Coperto

Uma das grandes curiosidades de Pavia é sua ponte coberta. Há hoje poucos exemplares desse tipo de ponte, muito comuns durante a Idade Média, quando nelas se construíam residências e lojas. Enquanto na Ponte Vecchio de Florença existem joalherias, na ponte de Pavia há uma igrejinha. A ponte atual é uma reconstrução baseada no modelo da original, parcialmente destruída pelos bombardeios aliados durante a Segunda Guerra Mundial.