Morar em Roma

Castel Sant'Angelo, Roma

Aventuras e desventuras de um brasileiro em Roma

Erick perambulou pela Europa algum tempo até, finalmente, chegou à Itália. Pensava em estudar e morar em Roma por algum tempo. Porém, logo ao chegar à cidade, ainda na movimentada estação rodoviária Tiburtina, ele foi furtado. Levaram seus cartões de crédito e todo o dinheiro que duramente juntara em Londres. “Foi um segundo: eu telefonando e eles do lado, fingindo estar esperando para telefonar. Quando ergui os olhos e os vi correndo, já bem longe, coloquei a mão na minha bolsa a tiracolo. Já era!” (Pois é, moçada, antes de viajar é bom dar uma lida nas dicas de segurança do Manual do Turista Brasileiro…)
De bolsos completamente vazios e sem ter para onde ir nem a quem recorrer, Erick ligou para sua família, no Brasil, pedindo ajuda. Em pleno Dia dos Pais!

Em Roma, sem dinheiro

Enquanto Erick passava a noite na rodoviária (dormindo em cima da mala, com medo de que ela também fosse roubada!), sua mãe entrou em contato com um padre missionário aqui no Brasil, que lhe deu o endereço de um mosteiro em Roma onde ele poderia conseguir ajuda. Foi lá que Erick ficou durante 40 dias, enquanto aguardava a chegada de Tales e Léo, que ainda estavam em Londres.

Morar em Roma, finalmente

Quando seus amigos chegaram, Erick mudou-se com eles para o centro da cidade e começou seu curso. Logo no início das aulas, os três notaram que não havia muita diferença entre a universidade pública brasileira e a italiana. Encararam uma greve logo no início do semestre e as salas de aula eram superlotadas. A falta de estrutura era tal que, muitas vezes, as aulas eram ministradas em cinemas e teatros. Pelo menos, a comida do restaurante universitário era boa. “Bem melhor que aqui!”, garante. Muitas vezes Erick, Tales e Léo compravam, por poucos euros, um pacote de macarrão e uma garrafa de vinho e comiam em casa.

Os três brasileiros acabaram também fazendo boas amizades e freqüentemente pintavam festas. De acordo com Erick, “Roma à noite é bem animada”. Ele acha que, apesar do susto inicial, valeu muito a pena ir a Roma: estudou em uma das melhores universidades do país e aprendeu o idioma italiano.

A volta

Erick voltou ao Brasil. Quando chegou, surpreendeu-se com as mudanças em nosso país que, segundo ele, foram muitas. Os lugares pelos quais passou durante um ano de viagem lhe proporcionaram diferentes experiências. Embora tenha tido um pouco de dificuldade para integrar-se com os londrinos, considera a cidade um ótimo local para trabalhar e viver devido à alta qualidade de vida. Barcelona, para ele, é a cidade dos sonhos, o lugar ideal para quem procura diversão e calor humano. Já Roma encantou-o com seu charme resultante de séculos de história.