Manuel Rodriguez, o James Bond da Independência do Chile

Manuel Rodriguez

 

 

 

 

 

 

O James Bond da Independência chilena

Eliminado a mando de O’Higgins, o patriota Manuel Rodriguez, um advogado de ideias liberais, que chegou a ser procurador da cidade de Santiago, era um personagem contravertido, aventureiro e galanteador, que trabalhou como espião para o exército libertador de San Martín, vestindo-se de “campesino” ou vendedor ambulante.
Os “bailes que aplicou nas autoridades espanholas – Sabe-se que o personagem lendário deu verdadeiros “bailes” nas autoridades espanholas. Quando cercado, conseguia escapar milagrosamente de seus perseguidores.

O “preso” no tribunal

Conta-se que escondido num tribunal, foi localizado por soldados espanhóis. Estes, ao entrarem no local encontraram apenas o juiz (um patriota chileno) e um prisioneiro com mãos e pescoço presos num pelourinho. Interrogado pelo oficial se havia visto um fugitivo, o juiz declarou que não vira ninguém, só estavam no local ele e um preso, que seria encaminhado à prisão por pequenos roubos. Quando os espanhóis foram embora o juiz soltou o “preso”, que era ninguém menos do que Manuel Rodriguez.

O monge

Uma outra vez, escondido numa igreja, foi denunciado e cercado pelos espanhóis que invadiram o templo, deparando-se com um monge. Este declarou não ter visto ninguém e acompanhou o grupo de militares, que se dispuseram a examinar cada centímetro quadrado da igreja sem nada encontrarem. Decepcionados, agradeceram e foram-se. O monge era o próprio.

Escapou dos espanhóis para acabar executado por O’Higgins

Apesar de ser um dos patriotas que mais fizeram para libertar o Chile, Manuel tinha uma personalidade forte e acabou se desentendendo com O’Higgins, que passou a governar o país após a independência. Foi executado em Tiltil em maio de 1818.