Mântua (Mantova)
Mantova, Italia
Duomo de Mantova, Itália

Acessar o sumário •  Acessar o índice remissivo

Mântua (Mantova): um rico patrimônio arquitetônico

Muito mais que um dinâmico centro industrial, Mântua (em italiano, “Mantova”) é uma linda e agradável cidade com edifícios antigos, igrejas e palácios espalhados por suas praças medievais. Primeiro etrusca, depois romana, terra natal do poeta Virgílio (o autor da Eneida), tornou-se independente durante a hegemonia da família Gonzaga, que colocou fim às lutas que abalaram a vida da cidade durante a Idade Média. A exemplo dos Medici de Florença, os Gonzaga sempre incentivaram a atividade artística e enriqueceram Mântua com edifícios e obras de arte, em especial durante o século XV.

Mapa de Mantova

Como ir a Mântua

Trem

Da estação central de Milão são aproximadamente 2h de viagem. Nem todos os trens são diretos. De Veneza não há trens diretos: a viagem demora cerca de 2h30 e você terá que fazer baldeação em Verona.

Carro

A partir de Milão (176 km), pela A4 até Brescia; em seguida, pela SS236. A partir de Bolonha, Florença ou Roma, utilize a A1 até Modena e, em seguida, a A22.

Hotéis em Mantova

Dê preferência a hotéis situados no centro histórico, se possível não longe do Palazzo Ducale. A região é agradável e bem situada.

Escolha e reserve seu hotel em Mantova (Mântua)

Melhor época

A época ideal é a primavera e o outono. Veja mais sobre a melhor época na Itália

Mântua teve a quase vizinha Verona como sua grande inimiga durante a Idade Média e a Renascença; a cidade é mencionada por Shakespeare como o lugar onde Romeu foi buscar “asilo político” quando matou o primo de Julieta e teve que fugir de Verona às pressas.
A posição geográfica de Mântua é interessante; apesar de os mantovanos se referirem às águas que beiram a cidade como “lagos”, elas são na verdade margens de um afluente do rio Pó, o Mincio. A cidade tem forma quadrangular, projetando-se sobre o rio, e é cercada de água por todos os lados, menos ao sul. <comp./> www.turismo.mantova.it Província de Mântua: turismo. Oficial. Fotos. www.liberatiarts.com Mântua: atrações turísticas, fotos, câmera 360º.

Atrações em Mântua

Piazza delle Erbe

Corresponde à antiga praça do mercado onde, durante a Idade Média, os camponeses levavam sua produção para vender. Ainda hoje conserva o jeitão medieval, com seu Palazzo della Ragione e a Rotonda di San Lorenzo. Ao lado está a Torre dell’Orologio.
Palazzo del Broletto  O medieval Palazzo del Podestà (conhecido também como Palazzo del Broletto), dividido entre a Piazza del Broletto e a Piazza delle Erbe, é um dos mais antigos edifícios de Mântua, construído em 1227. Na fachada se vê uma estátua do poeta Virgílio.

Piazza Sordello 

Nessa grande praça, a principal do centro histórico, estão os mais belos edifícios de Mântua: o Duomo; o Palazzo Bonalcosi, que tem ao lado a Torre della Gabbia (“da gaiola”, onde os prisioneiros ficavam literalmente engaiolados, ou seja, expostos como canarinhos à população); o Palazzo dei Capitani e a Magna Domus. Estes últimos fazem parte do Palazzo Ducale.

Palazzo Ducale

O palácio dos duques de Mântua é um magnífico conjunto de 34 mil metros quadrados formado por vários edifícios diferentes e interligados: o Castello di San Giorgio, a igreja di Santa Barbara, a Magna Domus e o Pallazo dei Capitani. Os Gonzaga contrataram os melhores artistas de sua época (Donatello, Leon Battista Alberti, Andrea Mantegna e outros) para ampliar, reformar, embelezar e unir os edifícios. Quando se está lá dentro, parece ser tudo uma coisa só. O palácio contém nada menos que 500 salas, das quais a maior parte é ricamente decorada. Vale a pena fazer a visita completa, mas as salas mais interessantes são a deslumbrante Sala degli Sposi, com afrescos de Andrea Mantegna, as únicas obras do artista em Mântua que chegaram até nossos dias; a Sala degli Specchi que, como o nome diz, é revestida de espelhos; e a Sala del Pisanello, onde se encontram, além de magníficos afrescos, algumas sinópias (esboços em tinta vermelha à base de terra que serviam para preparar os afrescos). Também não devem ser perdidos o salão com tapeçarias inspiradas em desenhos de Rafael, o apartamento da Imperatriz e o quarto cujo teto é decorado com motivos de um labirinto. Palazzo Ducale

Duomo 

Piazza Sordello. O enorme templo dedicado a São Pedro, composto por cinco naves, foi construído no mesmo local de uma antiga igreja românica, do qual restou apenas o campanário. Muito modificado no decorrer dos séculos, acabou virando uma mistura de estilos arquitetônicos: enquanto sua fachada neoclássica foi totalmente refeita em meados do século XVIII, a lateral direita manteve-se gótica.

Palazzo Tè

Rodeado por um lago e por canais, o palácio lembra uma villa clássica, com uma corte interna. Ele começou a ser construído em 1525 numa ilhazinha chamada Tè. Mais tarde foi reformado em estilo maneirista por Giulio Romano, discípulo de Rafael, por ordem dos Gonzaga. Todo o ambiente interno do palácio é decorado até a saturação. Suas salas mais famosas, inspiradas na mitologia greco-romana, são a “dos banquetes” – mais conhecida como sala de Psiquê – e a “dos gigantes”. Na primeira, as pinturas Psiche Addormentata nella Valle di Amore e o enorme Banchetto Nuziale, que ocupa duas paredes, têm uma linha sensual. Na segunda, a ira de Zeus contra os Titãs é retratada com tamanho realismo que temos a impressão de que ele está pondo abaixo as colunas da sala! Palazzo Tè

A Itália em imagens

Uma verdadeira viagem fotográfica por cada região da Itália, com dezenas de imagens separadas por destinos

Maquina fotografica

Centro da Itália em Imagens

Sul da Itália em imagens

                                      Norte da Itália em imagens