Dicas gerais de viagem

Dicas gerais de viagem: nossas dicas

Dicas variadas

• Peça um ou mesmo vários cartões do hotel onde você se hospedar com o endereço e telefone. Isso é particularmente útil nos países em que até a escrita é diferente da nossa (Índia, China, Tailândia, etc.) e pouca gente fala inglês. Geralmente esses cartões vêm com o endereço escrito em inglês de um lado e no idioma local de outro.

• Claro, depende de quem lhe pede e do que for pedido… mas evite sempre que possível aceitar encomendas de “amigos”: “A pecinha que quebrou nesse aparelhinho deve custar super barato por lá. Compra que na volta a gente acerta…”. Você acaba passando os dias que reservou para visitar as atrações da cidade tentando achar a tal pecinha, procurando atender a lista de pedidos de objetos exóticos que lhe encomendaram e gastando uma fortuna em táxi.

• Normalmente você vai precisar delas para usar banheiros públicos. Alguns são limpos e quebram o galho numa emergência. Outros, mesmo pagos, principalmente nos países mais pobres, são bem sujos. Não importa o país, uma boa idéia é utilizar os banheiros de lojas de departamento e shopping centers, normalmente mais limpos. Lembre-se de que, sobretudo na Europa, os banheiros de bares e lanchonetes são de uso privativo dos clientes. Você terá que pedir um café ou uma água mineral se quiser utilizá-los.

• Evite gestos como o nosso “tudo bem” (o dedão para cima) ou outro qualquer que, inocente para nós, pode ser um insulto no exterior. Nada daqueles tradicionais tapinhas nas costas tipicamente brasileiros ou beijinhos no rosto, a não ser que você tenha certeza do que está fazendo, pois em diversos países esses modos poderão parecer muito estranhos. Por outro lado, na Rússia, um marmanjo barbudo poderá beijar outro na boca; não estranhe, é o costume local.

• Anote em lugar visível, se possível no passaporte, seu tipo sangüíneo.

• Leve com você cópia de documentos importantes: o passaporte (página com sua foto e identificação e páginas com vistos dos países que você vai visitar), a passagem e o Certificado de Vacinação. Uma cópia autenticada do CPF e do RG pode ser útil em caso de extravio de passaporte.

• Ao mudar de fuso horário, acerte seu relógio na hora local. Quando é diferença é grande, como nos vôos para Europa, você naturalmente cuidará disso. Mas quando se trata de uma pequena diferença, você tem a tendência de esquecer desse detalhe, o que poderá fazê-lo perder o vôo ou o trem.

• Para quem se hospeda em hotéis simples, pode ser mais gostoso e barato tomar café da manhã em algum bar próximo ao hotel ou no próprio quarto (se ele tiver um frigobar e houver um bom mercado por perto). Existe um pequeno apetrecho elétrico, que quase não ocupa espaço na bagagem, para ferver água.

Dicas sobre passagens aéreas e embarque

• Quando for feita a emissão de sua passagem no Brasil, verifique se o seu nome está redigido corretamente e procure verificar se também está certo na listagem da companhia aérea. Como tudo é informatizado, o fato de o seu sobrenome Silva estar escrito Zilva é suficiente para que ele não seja localizado no computador da companhia. Você poderá se ver diante de um funcionário com uns neurônios a menos, que simplesmente dirá que seu nome foi “cancelado” (grrrr!) da lista, apesar de você ter, na sua mão, o papel de confirmação do vôo com o status “ok”. Tem solução, é claro, mas é uma dor de cabeça.

• Um dos segredos de se viajar barato é ficar, meses antes da viagem, de olho nas promoções de passagens e pacotes anunciadas em jornais e revistas de turismo.

• Fique atento a conexões muito apertadas em que você tenha que fazer os cem metros rasos de um avião para outro. Ou mesmo de um aeroporto para outro. É no mínimo desgastante.

• Sempre que você fizer um vôo com conexão, confirme em que aeroporto ela será feita, pois muitas cidades têm dois (ou até mais) aeroportos, um, às vezes, bem distante do outro. Nas grandes cidades, no caso de você chegar num vôo internacional e pegar um vôo doméstico, é bem provável que precise trocar de aeroporto. Não despreze o tempo de deslocamento: você já pensou quanto tempo leva, em São Paulo, para ir de Cumbica a Congonhas?

Dicas sobre compras

• Quando você faz uma compra em qualquer lugar do mundo, paga um imposto que pode estar incluído ou não no preço da mercadoria adquirida. Os turistas, contudo, podem obter, em diversos países, a restituição desse imposto. Para isso é preciso apresentar no caixa da loja o passaporte e preencher um formulário próprio que deverá ser apresentado na alfândega do aeroporto. A nota fiscal de compra também é necessária; solicite-a. Em alguns países o valor do imposto pago é restituído ainda no aeroporto e em outros, encaminhado pelo correio. Quem pretende obter essa restituição deve chegar mais cedo ao aeroporto, pois os procedimentos podem tomar algum tempo. A restituição do imposto é possível em diversos países europeus, no Canadá e na Argentina, dentre outros.

Dicas sobre gastronomia

• Vários povos têm restrições alimentares que devem ser respeitadas, pois decorrem de suas religiões: por exemplo, você já deve saber que muçulmanos não comem carne de porco; os judeus mais ortodoxos, além de não comerem carne de porco, não misturam carne com leite ou derivados; na Índia não se come carne bovina etc. Portanto, para não passar por ignorante ou mal-educado, fique de olho nos costumes do país onde está e… adapte-se aos cardápios locais!

• Se você se preocupa com o tipo de culinária que o espera, saiba que se pode comer bem em praticamente qualquer país do mundo. Existem restaurantes franceses em Hong Kong, gregos no Nepal, italianos em Cuba, mexicanos na Noruega… Sempre há escolhas.

• Não é em todo lugar que adoçantes artificiais são consumidos corriqueiramente como no Brasil. Leve o seu.

Dicas sobre segurança

• Em alguns países, o assédio sobre os turistas de ambos os sexos é grande. Mesmo que isso alimente o seu ego, não seja ingênuo (a) a ponto de pensar que todas as cantadas que você recebe são desinteressadas. Pode haver segundas, terceiras e até quartas intenções.

Dicas sobre saúde

• Se você passou dos quarenta anos ou tem problemas de pressão e for para lugares altos (o Altiplano no Peru, por exemplo), converse com seu médico. Talvez seja bom ter consigo um medicamento sobre o mal de altitude (“el soroche”).

• Tenha consigo uma pequena caixa de medicamentos com aqueles remédios de uso contínuo, além de aspirina, um protetor hepático tipo engov ou plasil. A mudança de alimentação também pode provocar problemas gastro-intestinais. Previna-se. Leve também esparadrapo, gaze, mertiolato ou similar.

Dicas sobre dinheiro

• Tenha sempre dinheiro trocado e muitas moedas com você. Motoristas de táxi, por exemplo, nunca têm troco.

• Mesmo tendo cartão de crédito ou cartão do tipo pré-pago, leve uma quantia cash numa bolsa de cintura dentro da roupa, para alguma emergência. Só não ponha na meia… certos políticos têm abusado desse expediente!

Dicas econômicas

• Você não precisa almoçar e jantar todo dia em restaurantes, principalmente se não estiver nadando em dinheiro. Há lanches servidos em quiosques que são muito bons: crepes deliciosas na França, pizza em pedaços na Itália, churrascos gregos no pão pitta (não só na Grécia), batatas fritas e salsichas na Bélgica, fish and chips na Inglaterra, etc. Fast-foods são baratos, geralmente não mais de cinco ou seis dólares. Para os estudantes há ainda restaurantes universitários em diversos países onde a Carteira Internacional de Estudante é aceita (sai um pouco mais caro do que para estudantes locais, mas ainda assim compensa).

Dicas sobre comunicação com o Brasil em viagem

• Leve com você os códigos para chamar o Brasil diretamente ou a cobrar. Lá fora será muito mais difícil obtê-los.

• Leve também os telefones de parentes ou amigos de confiança no Brasil a quem você possa recorrer em caso de algum problema mais sério, do consulado brasileiro, da sua seguradora e de seu cartão de crédito.

Dicas sobre as atrações turísticas

• Nunca vá a um museu, castelo, palácio, parque etc. sem antes confirmar não só o seu horário de funcionamento, como também se ele estará aberto naquele dia. Isso vale especialmente para lugares distantes dos centros urbanos. Os horários de visita ou de funcionamento de muitas atrações turísticas podem variar conforme a estação do ano (por exemplo, fecham mais cedo ou simplesmente não abrem durante o inverno). Muitas fecham um ou mais dias por semana (o que ocorre com quase todos os museus) e podem eventualmente estar fechadas para reformas. Nesse ponto, nunca confie cegamente nos guias de viagem; telefone antes, fale com a recepção do hotel ou com o escritório de turismo.

• Procurando companhia para viajar? Tente o mural de nosso site ou do www.albergues.com.br.